Corinthians: Petros vai se defender diante de juízes no STJD

Leia o post original por blogdoboleiro

O volante Petros vai pessoalmente lutar para escapar de uma punição pesada do Superior Tribunal de Justiça Desportiva. Ele foi denunciado no artigo 254, que trata de agressão contra árbitros e pevê pena mínima de 180 dias. O jogador vai tentar convencer os juízes do STJD que não teve intenção de agredir o juiz Raphael Claus. “O depoimento dele é fundamental. O Petros vai ao julgamento dele”, disse o advogado do Corinthians, João Zanforlin.

A presença de Petros é uma das armas que a defesa corintiana vai usar. A estratégia é questionar a decisão de Claus que, na súmula do jogo entre Corinthians e Santos, não relatou o incidente com o jogador. Depois, o árbitro escreveu um adendo dizendo que, no momento da partida, achou que o encontrão que levou nas costas tinha sido um acidente. Depois, ao ver as imagens na televisão, percebeu que Petros “corre em minha direção e atinge minhas costas com o braço esquerdo de maneira intencional”.

Zanforlin pretende questionar o adendo. “Ele contaminou o processo. Primeiro ele nem citou o lance porque achou normal e depois fala em choque intencional. Vamos em cima disso”, disse o advogado ao Blog do Boleiro.

Petros está preocupado. Na última segunda-feira, deu entrevistas explicando que não teve intenção de agredir o árbitro. Disse ainda que ele e Claus chegaram a conversar depois do lance. “Foi uma coisa que aconteceu. A gente se chocou. O próprio juiz não tem nenhuma reação”, falou.

O técnico Mano Menezes, o lateral Fábio Santos e o diretor de futebol Ronaldo Ximenes saíram em defesa de Petros. A linha deles é a mesma: todos viram o vídeo com Petros correndo na direção do juiz e acertando o braço nas costas de Claus. Então ninguém nega o contato, mas sim a intenção.

É o que Petros vai falar no STJD. “Peço aos responsáveis pelo julgamento que tenham bom senso. Não tenho nenhum histórico de qualquer coisa parecida com isso”, afirmou.

Zanforlin vai tentar também desqualificar o enquadramento do caso no artigo 254. Ele vai tentar mudar para “praticar ato hostil ou desleal durante a partida” (artigo 250, 15 a 60 dias ou até três partidas de suspensão) ou “conduta contrária à disciplina” (artigo 258, 15 a 80 dias ou até seis partidas de suspensão).

O procurador-geral do STJD, Paulo Schmitt disse ao Blog do Boleiro que não acredita no sucesso desta estratégia.

Pelo jeito, só mesmo Petros poderá amenizar a punição no próprio julgamento.