Manifesto do futebol feminino: “em crise desde que nasceu”

Leia o post original por blogdoboleiro

Cerca de 100 jogadoras de futebol do Brasil, várias delas em nível de seleção, publicaram em suas páginas e perfis nas mídias sociais, um manifesto em que desabafam contra as más condições que encontram para trabalhar e jogar. Saem também em defesa do time do Brasil Sub-20, eliminado do Mundial da categoria ainda na primeira fase, depois de perder para a Alemanha por 5 a 1, em Montreal, no Canadá.

Calou fundo nas meninas ler, ver e ouvir comparações desta derrota com o vexame dado pelo time do Brasil na última Copa do Mundo, quando os comandados de Luiz Felipe Scolari foram goleados pelos alemães por 7 a 1.

Marta, Cristiane, Érika, Mayara Bordin, Thaís Picarte e outras atletas de seleção decidiram contar mais uma vez como é duro ser jogadora de futebol no país que se diz “do futebol”.

O texto que segue é o desabafo de atletas que já levaram o Brasil a pódios mundiais e olímpicos. Elas decidiram alinhar as reivindicações delas às do Bom Senso FC. E estão na luta por melhores condições. Afinal, os Jogos Olímpicos do Rio 2016 serão uma ótima oportunidade do futebol brasileiro feminino faturar a medalha de ouro. O Bom Senso divulgou outro documento onde pede a desvinculação do futebol feminino da CBF, criando uma Liga separada, com possibilidade de buscar incentivos fiscais para atrair patrocinadores.

Enquanto isso não acontece, a CBF precisa ler a carta abaixo. E tomar medidas que fortaleçam o futebol feminino.

  

"NUAS E CRUAS"

Quem nunca sonhou em ser um jogador de futebol?

Em um país machista e preconceituoso que nunca acreditou, aceitou ou investiu de verdade no futebol feminino, é muito difícil para nós sonhar. Que o diga as meninas da Seleção sub-20, derrotadas pela Alemanha por 5 a 1 na última terça-feira, e expostas a uma chuva de criticas e comparações completamente equivocadas, sem nenhum conhecimento sobre a nossa modalidade ou sobre a realidade em que vivemos.

Ficamos chocadas com as manchetes sensacionalistas, as ligações esdrúxulas com a vexatória derrota da Seleção masculina na última Copa do Mundo, e com centenas de baboseiras escritas sobre as jovens atletas que, diga-se de passagem, nem competição sub-20 têm no Brasil para se formarem devidamente como “jogadoras de verdade”.

Esta nota, em comum acordo com mais de 100 atletas do futebol feminino, se faz mais do que necessária e vem em tom de desabafo, não para julgar técnica ou taticamente a partida em questão, nem para competir com o futebol masculino, mas para mostrar que somos de carne e osso, existimos, queremos ser ouvidas, não só nas derrotas e nos vexames, mas nas notícias e no dia-dia. Queremos a exposição dos nossos problemas, assim como dos nossos jogos e campeonatos. Queremos, inclusive, que nos ajudem a cobrar as pessoas e as entidades que têm o papel de zelar pelo nosso esporte e não estão nem aí para ele. Chega!

Não há e nunca houve estrutura que nos permitisse dedicação integral ao futebol. A maioria de nós treina 6 dias por semana, estuda, trabalha e ainda é dona de casa. Somos amadoras e sabemos que não será por meio da “profissão” que, por amor, escolhemos para viver que garantiremos o nosso futuro ou a nossa aposentadoria. Não temos mordomia nem salários astronômicos, no máximo temos acordos verbais e ajudas de custo durante 3 ou 6 meses do ano, período das competições femininas no país.

Vivemos de sonhos.

Aliás, se há alguma coisa em que somos realmente craques é em sonhar. Sonhamos com mais clubes e com mais jogos, sonhamos com o reconhecimento por parte da CBF de que se deve investir no futebol feminino, sonhamos que a nossa luta valerá a pena e que o nosso esforço será capaz de pavimentar a estrada pela qual as nossas crianças e jovens se sentirão bem ao praticarem o futebol feminino nas escolas e nos clubes, sem que recebam um olhar ressabiado ou a falta de incentivo da família.

Se um dia as meninas puderem escolher o futebol como profissão, a nossa dedicação terá valido a pena. Aí sim aceitaremos que nos falem de vergonha, de fracasso, de vexame e de atropelamento. Mas antes disso, enquanto as nossas condições de trabalho forem semelhantes a das peladas que você joga aos finais de semana, respeite-nos e entenda que estamos fazemos milagre ao competir de igual para igual com as principais seleções do mundo, que não param de investir e de se desenvolver.

Não queremos ser isca para nos usarem em meio a atual crise do futebol brasileiro como alguns aproveitadores fizeram com as nossas talentosas meninas da Seleção sub-20. Nós, que vivemos o dia a dia, sabemos que o futebol feminino do Brasil está em crise desde a data do seu nascimento, mas estamos dispostas a mudar essa realidade. Basta nos darem a oportunidade, investirem em nós e acreditarem no nosso talento e no nosso amor pelo esporte. Chega de sonhar, é hora de sentar a mesa com a CBF e fazer acontecer, doa a quem doer.