Não valem o que custam

Leia o post original por flavioprado

Montagem sobre fotos Djalma Vassão/Gazeta Press, Nelson Perez/Fluminense FC e Alexandre Lops/SCINovamente pequenos clubes eliminaram grandões. Numa mesma noite caíram, na Copa do Brasil,  São Paulo, Fluminense e Internacional. O Inter ainda perdeu do líder da Série B. Já o São Paulo foi derrotado pelo décimo oitavo e o Fluminense pelo décimo terceiro, ambos também da Segunda Divisão. E com detalhe de que os dois tricolores tinham vencidos as primeiras partidas nos campos dos adversários.

Não custa lembrar que o campeão paulista é o pequeno Ituano, montado apenas para o torneio e que logo repassou os jogadores e o treinador. O que vemos no Brasil são jogos nivelados por baixo. Qualquer time da Série A, poderia estar na B  e vice versa. Talvez o Cruzeiro mereça entrar como exceção.

A única diferença evidente está nas folhas de pagamentos. Enquanto os teóricos grandes gastam fortunas e estão endividados até a tampa, os outros pagam o que podem, e quando podem, e vão se virando nas competições. Se os salários são tão desiguais, porque o futebol é parecido? Tem algo errado.

Tenho apoiado o Palmeiras na sua política de ganhos por produtividade. Todos deveriam segui-lo. Antes que falem da situação do time na tabela, lembro que o Flamengo está pior e custa bem mais. O nível dos jogos deixa claro que os jogadores não valem o que ganham. Não, pelo menos, os dos times maiores. Eles não conseguem levar público aos estádios, que vivem vazios, não justificam os altos custos dos direitos de imagem e mesmo assim são contratados a peso de ouro.

Seria simplório demais dizer que os cartolas são incompetentes. Talvez não sejam. Quando pagam fortunas a jogadores, que não fazem diferença em campo, podemos não estar lidando apenas com  incompetência. Quem sabe não é  esperteza demais ? Como podemos ter certeza de que tudo que  sai do clube, vai só para os atletas? A quem prestam contas ?

Se os clubes quebrados  seguem com salários irreais, me sinto no direito de perguntar: será que eles são na verdade burros, ou estamos diante de grandes safadezas?