Vasco 2 x 0 Ceará | Agora sim, chegamos

Leia o post original por Bruno Maia

adilsono1

Futebol é momento. Dito isso, é hora de reafirmar a certeza que sempre defendi: não sou fã do Adílson Batista, mas a pior coisa que poderia ter acontecido era demiti-lo em meio ao processo eleitoral. Tá aí. Ele foi o grande vencedor da partida de ontem. Mesmo sem jogar bem até hoje, mas o time se ajeitou, deu liga e achou sua forma de se impor. Ontem, em São Januário, pela primeira vez neste campeonato, o Vasco sobrou como time de série A disputando a série B.

Isso quer dizer uma larga superioridade, um volume de jogo encantador? Nada disso, pelo contrário. Isso significa apenas que o Vasco jogou o necessário para vencer sem sustos o, até agora, líder da competição. Um pênalti conseguido no início do jogo e, mesmo depois de perdê-lo, nada de desespero. Alguns minutos depois e a bola tinha entrado com a naturalidade de quem era muito maior que o adversário. Marcado o primeiro gol, nada mudou. O time não melhorou, nem piorou. Mas em nenhum momento deu a sensação de que o Ceará ia achar um gol, como é de costume nós sentirmos quando o Vasco está vencendo por 1×0.

Segundo tempo veio e a tônica era a mesma. Douglas, que havia perdido o pênalti, me trata de dizer que de falta é mais fácil. 2×0 e nem sombra do time que venceu duas vezes o Internacional, líder da Série A, nas duas últimas semanas. O Vasco sobrou com naturalidade. É isso que se espera deste time. Não quero ver grandes jogos, exibições deslumbrantes, até porque na série B elas ficam sempre em xeque diante da fraqueza dos adversários. Quero é que o time sobre, com autoridade, sem sustos e contando os dias para essa draga passar. Ontem a calmaria era tão grande que voltamos a ouvir São Januário gritar “Olé” a favor do Vasco. A festa ontem foi linda, apesar de muitos lugares vazios no estádio, que fizeram o torcedor que não conseguiu comprar ingresso ficar sem entender porque estavam esgotados.

torcida

A presença e comportamento ontem em São Januário, mostrou mais uma vez para quem teima em questionar a torcida cruz-maltina, que se o time corresponde ao mínimo que se espera, nós vamos juntos. O que não dá é para esperar complacência de uma torcida tão maltratada por uma série de energumenos dentro e fora de campo nos últimos anos e que, enquanto se livra de um deles – que não teve nem coragem de sentar na cadeira reservada a ele na tribuna, durante sua última partida como presidente do clube -, vê a sombra do outro querendo voltar.

Falando rápido dos jogadores, Douglas mais uma vez se destacou e parece estar se soltando. Apesar do pênalti perdido, conseguiu achar uma série de passes que abriam o ataque vascaíno. Um deles resultou no cruzamento de Marlon para Kléber fazer o primeiro gol. O Vasco teve uma facilidade absurda para trocar passes durante todo o jogo. Certamente há méritos de Adílson nisso, que começa a repetir formação e dar liga ao time titular, mas também me pareceu que o Ceará estava muito lento em todos os combates. Há que se esperar mais para ver se o “tiki taka” vascaíno não foi apenas o sonho de uma tarde de inverno.

douglas

A partida da próxima terça contra o Vila Nova não será uma prova para isso, já que o Douglas estará fora, suspenso pelo terceiro cartão. Ontem ele também foi favorecido por mais uma boa atuação de Fabrício, outro que é peça fundamental no giro de passes vascaíno. Quando estão juntos, a coisa tem ido bem. Dakson também deve estar fora. Depois de tanto apanhar, se machucou e aí fica a dúvida de quem fará essa ligação. A entrada de Aranda não é a melhor solução, pois já teremos Guiñazu e Fabricio por ali. Os três juntos não rola. Maxi Rodriguez não deve ter condição de estrear… Outro que estará fora é Rodrigo, que apesar de dar muito mais segurança à zaga, não importa quem jogue ao seu lado, causou vergonha à torcida ontem, após covardemente dar um chute absurdo em Bill, do Ceará. A cacetada foi sem bola, nos primeiros dez minutos de partida, com jogo parado!!! E ele ainda reclamou quando tomou o cartão amarelo pela trauletada que deu. Ficou barata a punição com o cartão amarelo, que o suspendeu para a próxima partida. Rodrigo tem esse mau hábito de achar que ser um zagueiro sério tem a ver com golpes como este. Enquanto estiver no Vasco, camarada, pode segurar teu rojáo. Deslealdade não é marca do Vasco. Este é o tipo de jogador que, na hora H, acaba cedendo a pressão e comprometendo o time quando não poderia. Ontem, se tivesse sido merecidamente expulso neste lance, teria cagado toda a tarde vascaína e as consequências de uma eventual derrota seriam sentidas ainda por mais jogos.

Na terça-feira, em Brasília, é a hora de tomarmos a liderança de vez. A vitória de ontem vai trazer tranquilidade e segurança ao time. Com os resultados da rodada, já estamos a 4 pontos do quinto colocado. Temos três jogos para ultrapassar os cearenses e terminar o primeiro turno na liderança. Não tenho dúvidas de que isso vai acontecer.

fotos: Marcelo Sadio (C.R. Vasco)