Pedro Ernesto: Grêmio e a Copa do Brasil

Leia o post original por Pedro Ernesto

O repórter Luís Henrique Benfica conseguiu entrevistar ontem o procurador do STJD, Paulo Schmitt, e trouxe informações preciosas a respeito do rumoroso julgamento das ofensas raciais ao goleiro Aranha pela torcida do Grêmio. O procurador disse acreditar na eliminação do clube na Copa do Brasil. Seria o melhor, se confirmado. O Santos, praticamente, eliminou o Grêmio com a vitória obtida de 2 a 0 na Arena, na quarta-feira passada. Considerando o jogo de volta na Vila Belmiro, a ineficiência do ataque gremista e a necessidade de fazer três gols de diferença, dá para dizer que, dificilmente, o clube gaúcho continuaria na competição. Dentro do quadro que se instalou e da repercussão nacional, essa é uma punição que deve ser festejada no Olímpico.

Claro que usou o termo festejada porque está dentro da realidade do time na Copa do Brasil. Nunca é bom ser punido. Mas imaginem se o STJD resolve punir o Grêmio com perda de mando em alguns jogos. O time perde muito tecnicamente, o prejuízo financeiro é enorme e os sócios não podem assistir ao seu time, mesmo pagando as mensalidade. Seria muito pior. Mas aguardemos a decisão do tribunal.

Sem política
O comportamento de torcedores na Arena e nos ambientes do clube não devem passar por grupos políticos. Essa é uma questão do clube. Tanto Adalberto Preis, que faz parte do Conselho de Administração, quanto Homero Belini Júnior, candidato a presidência, deixam isso muito claro. Os distúrbios chegaram a um ponto em que o clube paga preço açlto. Nos jogos, os torcedores que não são de organizadas, vaiam as brigas no setor delas. O prejuízo na imagem do clube é muito grande. Como contou o repórter da Rádio Atlântida Duda Garbi, no Bate Bola da TVCOM, amigos foram correr a Maratona do Rio, no último domingo, com camisa do Grêmio e acabaram hostilizados. Ou seja, o orgulho de vestir a camisa do clube passou a ser um problema. Isso tem que mudar.

Time misto
Não há definição oficial de Abel Braga para amanhã, contra o Bahia. D’Alessandro e Aránguiz são ausências certas. No restante do time, atuam titulares ou alguns reclamados como tal. Sendo assim, o problema não está no time que entrará em campo. Problema, mesmo, é o 2 a 0 obtido pelo Bahia no Beira-Rio. Dificilmente será revertido. Para quem tem essa desvantagem no mata-mata trata-se de equação de difícil solução: ou se cuida para evitar mais gols e não faz os três necessários ou ataca, dá espaços para contra-ataques e leva gols.

Demmmaaaiiisss
Não são poucos os gremistas que usam as redes sociais lamentando os episódios de comportamento reprovável na Arena. Isso só nos transfere a ideia de que a esmagadora maioria dos torcedores de futebol são pessoas de qualidade. fazem do jogo momento de lazer. Amam seu clube, querem vitórias e só existem para ajudá-lo. Por isso, a classificação do Grêmio como clube racista é absurda. Não dá para levar isso adiante. Os negros fazem parte da história gremista.

De menos
As duas seleções formadas pela CBF,. a principal e a olímpica, no meio do Brasileirão, representam imerecida punição aos clubes que mais investem e em busca de títulos. Não há razão para fazer jogos nas datas mais importantes de definição do campeonato. A CBF desqualifica a própria competição que organiza.