CHEGAREMOS, UM PASSO DE CADA VEZ

Leia o post original por K.O.N.G

Somos todos Luan Doidão.

Fala, cambada!

Os 2X0 anotados no placar estiveram longe de representar o jogo que tivemos no Independência na noite de ontem. Fosse o placar a tradução fiel do jogo, teríamos mais uma goleada histórica contabilizada no confronto Galo X Palmeiras, tamanho abismo técnico que separa os dois times atualmente. A maldição do centenário bateu forte na academia e a dura realidade é que o Palmeiras de hoje é um time totalmente desorganizado e será facilmente batido por qualquer equipe minimamente preparada. Assisti o jogo na arquibancada ao lado de um amigo, outrora jogador profissional, que resumiu bem a situação dos nossos irmãos alviverdes: a única diferença desse time para um time de futebol amador é o preparo físico. Fato. A situação é reversível, contudo, se nada for feito, é grande a chance da festa dos 100 anos desse gigante do futebol brasileiro se transformar num pesadelo no dia 7 de dezembro. Ninguém quer ganhar um rebaixamento de presente.

O Galo massacrou o Palmeiras desde o primeiro segundo de jogo. Os dois gols em menos de 15 minutos foram como um soco cruzado no meio da cara palestrina. Sentiram o golpe. O Galo, que não tem nada a ver com o problema dos outros, fazia sua obrigação. Foram inúmeras chances criadas, futebol empolgante puxado principalmente por Luan. Não é de hoje que o menino maluquinho merecia a titularidade: ralou ali, quietinho, entrando sempre no segundo tempo para salvar a nossa pele. Assim como na lateral esquerda, o destino fez o trabalho do técnico e tirou Maicosuel para meter Luan de titular. Tudo tem sua hora e essa é, sem dúvida, a vez do doidão. Se mantiver o ritmo, não sai mais do time.

Carlos foi outro que segurou a onda. Menino da base, entrou com personalidade e fez seu trabalho. Levou perigo todas as vezes que finalizou. É centro-avante, mas jogou de atacante aberto pela esquerda e não fez feio. Merece mais chances, ainda mais quando André for nossa opção no ataque. Sobre Jemerson, não precisamos falar mais nada. Já provou seu valor sendo titular na decisão da Recopa e apresenta muita regularidade. Entrou no time para substituir Réver, lesionado, mas é titular por absoluto merecimento. Tem futuro o menino “Jêms”.

A notícia ruim foi a saída de Pedro Botelho, na lateral esquerda. O time já tá todo ferrado, com desfalques provocados por cartões, lesões e convocações. Ganhamos mais um, justamente quando Botelho estava se firmando na lateral canhota. Desse jeito fica difícil e não faço a menor idéia de como Levir vai escalar o time para o jogo contra o Botafogo, no domingo. Se não me engano, são nada menos que 14 desfalques. Me fala, que time aguenta isso? A nossa sorte é que o próximo jogo na Copa do Brasil será só em outubro e até lá dá pra essa turma ter se recuperado. Senão todos, pelo menos a maioria.

Nas quartas de final pegaremos o Corinthians, no Mineirão. Levir confirmou ontem e se tudo der certo – e Kalil não resolver avacalhar os planos – teremos pelo menos 50 mil malucos no Gigante da Pampulha para esse jogo. Esse será sem dúvida, nosso maior reforço. Assim, vamos chegando na miúda, no sapatinho, dando um passo de cada vez.

#GaloSempre