Amigo e mentor, Kaká ajuda Pato, mas critica displicência

Leia o post original por blogdoboleiro

O volante Souza contou uma história que mostra o que é ter Kaká no mesmo time. Durante o programa Donos da Bola, da TV Bandeirantes, o jogador do São Pau.o deu um exemplo de como o meia tricolor age dentro de campo: “Quando o Pato perdeu aquele gol no final do primeiro tempo, a gente ficou naquele apoio tipo ‘valeu, na próxima acerta’. O Kaká chegou perto do Pato e cobrou: ‘Não pode ter displicência. É para matar o jogo’. Vê como é diferente”.

Aos 32 anos, Kaká dá exemplo e orienta dentro e fora de campo. O técnico Muricy Ramalho conta que o meia formado na base tricolor é um dos que chegam mais cedo no CT da Barra Funda para treinar. Com sua obediência tática, Kaká incentiva Paulo Henrique Ganso e Alexandre Pato a fechar as laterais do campo, ajudando na marcação também, pelo meio. “Ele está ajudando porque com a bola no pé, todos eles são muito bons. Mas o adversário também joga e eles precisavam ajudar”, disse Muricy.

Souza afirmou também que a dedicação de Kaká multiplica o esforço dos homens da armação e ataque. “Por isso, melhoramos lá atrás”, disse referindo-se à defesa que vinha sendo criticada.

kaká também parece exercer influência forte e boa sobre Pato. Os dois costumam deixar o treino juntos. Com Kaká, colega em seleção e no Milan, Pato recuperou a vaga de titular, está marcando gols e jogando melhor. Sem, no entanto, escapar da bronca do  amigo.