O TIME MAIS IMPREVISÍVEL DO BRASIL

Leia o post original por K.O.N.G

Léo Silva subiu mais alto, outra vez.

Esse Galo é imprevisível mesmo, hein. Até quando a gente – contrariando o manual do atleticano – acha que a coisa vai azedar, ele vai lá e passa o trator. Com 15 desfalques, que time aguenta manter o rendimento? Só o Atlético mesmo. Meus amigos, quando vi a escalação ontem, deu frio na barriga… dos onze em campo, apenas 4 eram titulares. O resto veio da base ou carregava nas costas o pesado fardo da desconfiança. Pra ter noção, não conseguimos sequer completar o banco de reservas… Levir teve que levar três goleiros para o jogo, para fazer o número mínimo. Ê Galo.

Bom que tivemos a chance de ver algumas promessas em campo, como Eduardo, Dodô e Carlos, que já é mais conhecido da torcida. Esses meninos fizeram uma Taça BH de Futebol Junior digna e nada mais justo que uma chance no profissional. Carlos vem mostrando, partida após partida, que tem muito mais bola que André, que ultimamente só anda pisando nela. O menino tá cheio de confiança e moral, vai pra cima, bate para o gol e só não marcou ainda por detalhe. Calma aí, véi, sua hora cai chegar. Foda é só na hora da entrevista… aí eu já não sei se é ele falando ou se deram um balão de gás hélio para o Maluf.

A volta de Marcos Rocha na lateral direita também foi salvadora. É outro nível: o time ganha uma opção ofensiva bruta quando o camisa 2 está em campo, já que o cara arma as jogadas pelo meio e pelo lado do campo, além de chegar com muita qualidade na linha de fundo. O mais engraçado é ver a línguas sendo carbonizadas – inclusive a minha – já que há algum tempo atrás Rocha recebia mesmo tratamento de Alex Silva. Agora tá aí, um dos melhores laterais direitos do Brasil. Pensemos nisso.

Galo e Botafogo fizeram um jogo diferente daquele de 2012, que eu me lembro como se fosse ontem. Eram os dois melhores times do campeonato, com Seedorf de um lado e Ronaldinho do outro. Foi um jogo daqueles, um dos melhores que vi no Independência. Agora a realidade é outra, o Galo enfrentando seus problemas e lutando para chegar no G4 e o time carioca à beira da pindaíba, tentando se afastar da zona de rebaixamento. Nem assim o confronto deixou de ser bom: o encontro dos alvinegros sempre é promessa de partida equilibrada, muita entrega e energia em campo. É o tipo de jogo que se resolve ali, nos detalhes. Dessa vez não foi diferente.

Já eram 24 minutos do segundo tempo quando Leonardo Silva subiu mais alto que todo mundo e testou a bola pra dentro do gol, numa das jogadas mais fortes do Galo. Sempre que tem um escanteio e nossos zagueiros chegam na área adversária, é chance real de gol. Na quarta-feira, contra o Palmeiras, foi Jemerson quem comemorou. Ontem foi a vez do nosso capitão. Léo Silva anotou seu 18º gol pelo Galo e muitos deles foram decisivos. Como não lembrar daquele gol que decretou a virada, aos 47 do segundo tempo, contra o Fluminense? E do gol salvador, aos 42 da etapa final, na decisão da Libertadores contra o Olimpia? Na minha humilde opinião, Leonardo Silva já é um dos maiores zagueiros a vestir a camisa atleticana e merece muito respeito. Não por acaso, é o capitão desse time.

A vitória nos aproximou ainda mais do G4 e estamos agora a 3 pontos dos caras. Acontece que temos no meio da semana uma parada tortíssima em São Paulo – numa preliminar das quartas-de-final da Copa do Brasil – e se quisermos entrar de vez no grupo dos 4 melhores times do campeonato, temos que vencer. Contaremos com a volta de Jemerson, Dátolo e Leandro Donizete. Não sei se Tardelli chega a tempo de integrar o grupo, mas se voltar, seria o maior reforço de todos.

Na sequência, teremos o Grêmio em casa. A grande notícia do ano é a liberação da venda on-line dos ingressos para os jogos do Galo, para quem é sócio torcedor. Com uma década de atraso, o Galo finalmente entrou na era digital. Um alento para o torcedor que tanto sofreu naquelas filas humilhantes na frente da sede, em Lourdes. O sistema começa a operar hoje e tem capacidade para aguentar até 16 mil acessos simultâneos, ou seja, dá conta do recado. Desse jeito, a expectativa é de que o Galo na Veia categoria Prata (que dá direito à compra on-line antecipada) ganhe um número considerável de sócios. Se com um programa bosta, que não dava direito a absolutamente nada, o GNV já contabilizava 30 mil sócios, imagina agora? Creio que o caminho natural seja voltar a jogar no Mineirão mesmo, porque o Horto não vai aguentar. Antes tarde do que nunca.

Se você já é sócio Galo na Veia Prata, compre seu ingresso clicando aqui: ingressogalonaveia.com.br

Se ainda não é sócio, tá esperando o que? Clique aqui e participe.

#GaloSempre