Maratona da CBF ‘derruba’ titulares do Cruzeiro, diz treinador

Leia o post original por blogdoboleiro

Ceder jogadores para as seleções brasileiras fez estragos no Cruzeiro. Esta é a avaliação de Marcelo Oliveira, em conversa com o Blog do Boleiro depois da derrota para o São Paulo, neste domingo no estádio do Morumbi. O treinador do líder do Campeonato Brasileiro disse que os quatro atletas cedidos ao time adulto e ao Sub-23 da CBF acusaram o golpe da viagem e do fuso horário. “Os jogadores sentiram. Voltaram, enfrentaram o Bahia e tivemos um dia a menos de descanso do que o São Paulo”, explicou.

Éverton Ribeiro e Ricardo Goulart estiveram nos Estados Unidos para os amistosos contra Colômbia e Equador. Lucas Silva e Alisson viajaram mais: disputaram três partidas no Catar, pela seleção Sub-23. Ricardo e Lucas foram substituídos no segundo tempo do jogo de ontem. Éverton passou os últimos 15 minutos fixo no meio de campo, atuando como segundo volante. “Ele estava esgotado”, reforçou Marcelo.

Do quarteto de selecionáveis, Alisson ainda manteve um bom desempenho nos 94 minutos de jogo. “Ele tem um condicionamento físico muito bom”, afirmou o técnico.

Só que não. O próprio Alisson disse ao Blog do Boleiro que cansou: “Ainda estou apanhando com o fuso horário. No Catar, eram seis horas à frente do Brasil”. A maratona de Alisson e Lucas foi desafiadora: eles viajaram 14 horas do Catar para o Brasil. Desembarcaram em Cumbica (SP) às 16h30. Às 19h30 embarcaram para Belo Horizonte. Chegaram na capital mineira às 20h30. Foram direto para a concentração, na Toca da Raposa.

Na quinta-feira, Lucas Silva entrou no time titular que derrotou o Bahia por 2 a 1. Alisson jogou no segundo tempo. Éverton Ribeiro e Ricardo Goulart começaram jogando. “Eu fui dormir de madrugada já na sexta. Ainda não tirei o fuso horário. Por isso, eu cansei hoje (domingo, contra o São Paulo). É puxado”, disse o jovem atacante que é titular da seleção dirigida por Alexandre Gallo. É também aposta de Marcelo Oliveira: “Ele foi muito bem hoje”, disse.

O Cruzeiro enviou à CBF um pedido para que Dunga não convoque atletas do time na próxima convocação. A seleção brasileira vai jogar contra a Argentina (dia 11, em Pequim, China) e Japão (dia 14, Cingapura). Outra viagem longa com fuso horário de 12 horas.

Neste período (de 9 a 15 de outubro), o Cruzeiro terá jogos pelo Campeonato Brasileiro (Flamengo, no dia 11 e Vitória no dia 14), onde vai atuar como visitante. No dia 15, fará o jogo de volta das oitavas de final da Copa do Brasil contra o ABC, em Natal. “Isto está nos prejudicando. A CBF, que precisa cuidar dos clubes, não leva em conta estas dificuldades e ainda mantém os jogos do torneios nestas datas Fifa”, disse o gerente de futebol Valdir Barbosa.

Marcelo Oliveira tem outra reclamação. Ele acha que o Cruzeiro está sendo punido por sua qualidade. “O Cruzeiro está muito bem e a CBF tira mais jogadores. Mas tem um preço alto aí que gente está pagando”, disse.

Líder do Brasileiro com 46 pontos, o Cruzeiro via a vantagem sobre o São Paulo cair de sete para quatro pontos. É o caso de ligar o alarme? Para o zagueiro Dedé, sim. “A gente, com sete de vantagem, já se preocupava com quem vem na briga. Com quatro pontos, temos que ficar mais alertas”, disse.

Já o goleiro Fábio lembra que ainda há muita água para correr. “É melhor ter quatro pontos de vantagem do que estar atrás. Temos que fazer nosso trabalho já no próximo jogo. Mas São Paulo e os outros times também não podem perder”, afirmou ao Blog do Boleiro.  

Marcelo Oliveira lembra que a derrota para o São Paulo não tem um efeito devastador sobre o Cruzeiro, mas deu ao perseguidor paulista um fôlego a mais. “Vencer om jogo como este é muito bom. Dá tranquilidade e confiança. Não foi o resultado que a gente queria”, disse.

Maratona da CBF derruba titulares do Cruzeiro, diz treinador

Leia o post original por blogdoboleiro

Ceder jogadores para as seleções brasileiras fez estragos no Cruzeiro. Esta é a avaliação de Marcelo Oliveira, em conversa com o Blog do Boleiro depois da derrota para o São Paulo, neste domingo no estádio do Morumbi. O treinador do líder do Campeonato Brasileiro disse que os quatro atletas cedidos ao time adulto e ao Sub-23 da CBF acusaram o golpe da viagem e do fuso horário. “Os jogadores sentiram. Voltaram, enfrentaram o Bahia e tivemos um dia a menos de descanso do que o São Paulo”, explicou.

Éverton Ribeiro e Ricardo Goulart estiveram nos Estados Unidos para os amistosos contra Colômbia e Equador. Lucas Silva e Alisson viajaram mais: disputaram três partidas no Catar, pela seleção Sub-23. Ricardo e Lucas foram substituídos no segundo tempo do jogo de ontem. Éverton passou os últimos 15 minutos fixo no meio de campo, atuando como segundo volante. “Ele estava esgotado”, reforçou Marcelo.

Do quarteto de selecionáveis, Alisson ainda manteve um bom desempenho nos 94 minutos de jogo. “Ele tem um condicionamento físico muito bom”, afirmou o técnico.

Só que não. O próprio Alisson disse ao Blog do Boleiro que cansou: “Ainda estou apanhando com o fuso horário. No Catar, eram seis horas à frente do Brasil”. A maratona de Alisson e Lucas foi desafiadora: eles viajaram 14 horas do Catar para o Brasil. Desembarcaram em Cumbica (SP) às 16h30. Às 19h30 embarcaram para Belo Horizonte. Chegaram na capital mineira às 20h30. Foram direto para a concentração, na Toca da Raposa.

Na quinta-feira, Lucas Silva entrou no time titular que derrotou o Bahia por 2 a 1. Alisson jogou no segundo tempo. Éverton Ribeiro e Ricardo Goulart começaram jogando. “Eu fui dormir de madrugada já na sexta. Ainda não tirei o fuso horário. Por isso, eu cansei hoje (domingo, contra o São Paulo). É puxado”, disse o jovem atacante que é titular da seleção dirigida por Alexandre Gallo. É também aposta de Marcelo Oliveira: “Ele foi muito bem hoje”, disse.

O Cruzeiro enviou à CBF um pedido para que Dunga não convoque atletas do time na próxima convocação. A seleção brasileira vai jogar contra a Argentina (dia 11, em Pequim, China) e Japão (dia 14, Cingapura). Outra viagem longa com fuso horário de 12 horas.

Neste período (de 9 a 15 de outubro), o Cruzeiro terá jogos pelo Campeonato Brasileiro (Flamengo, no dia 11 e Vitória no dia 14), onde vai atuar como visitante. No dia 15, fará o jogo de volta das oitavas de final da Copa do Brasil contra o ABC, em Natal. “Isto está nos prejudicando. A CBF, que precisa cuidar dos clubes, não leva em conta estas dificuldades e ainda mantém os jogos do torneios nestas datas Fifa”, disse o gerente de futebol Valdir Barbosa.

Marcelo Oliveira tem outra reclamação. Ele acha que o Cruzeiro está sendo punido por sua qualidade. “O Cruzeiro está muito bem e a CBF tira mais jogadores. Mas tem um preço alto aí que gente está pagando”, disse.

Líder do Brasileiro com 46 pontos, o Cruzeiro via a vantagem sobre o São Paulo cair de sete para quatro pontos. É o caso de ligar o alarme? Para o zagueiro Dedé, sim. “A gente, com sete de vantagem, já se preocupava com quem vem na briga. Com quatro pontos, temos que ficar mais alertas”, disse.

Já o goleiro Fábio lembra que ainda há muita água para correr. “É melhor ter quatro pontos de vantagem do que estar atrás. Temos que fazer nosso trabalho já no próximo jogo. Mas São Paulo e os outros times também não podem perder”, afirmou ao Blog do Boleiro.  

Marcelo Oliveira lembra que a derrota para o São Paulo não tem um efeito devastador sobre o Cruzeiro, mas deu ao perseguidor paulista um fôlego a mais. “Vencer om jogo como este é muito bom. Dá tranquilidade e confiança. Não foi o resultado que a gente queria”, disse.