Você continua sendo a vítima da CBF; a seleção brasileira é quem tinha que pagar a conta

Leia o post original por Vitor Birner

De Vitor Birner

Prejudicados

Novamente os torcedores de Cruzeiro, Corinthians, Botafogo, Santos e Atlético MG serão prejudicados por causa da convocação de seus jogadores para a seleção brasileira.

Não contarão com importantes jogadores em duas rodadas do campeonato brasileiro e na partida de volta nas quartas-de-final da Copa do Brasil.

O Glorioso, porque atua em 16 de outubro no mata-mata e o Brasil enfrenta o Japão no dia 14 em Cingapura, ainda pode cogitar a pequena chance de ter Jefferson com o fuso horário virado no confronto decisivo contra o Peixe.

Intimidador

Dunga, na entrevista coletiva em que divulgou a lista dos convocados, disse que uma simples carta pedindo a liberação dos jogadores bastará para os mesmos serem dispensados.

A afirmação do treinador foi um ataque desafiador mencionado em tom gentil.

Acho que realmente o comandante atenderá os pedidos.

Mas ele conhece os bastidores do futebol e nas entrelinhas perguntou aos próprios cartolas dos clubes qual terá peito de pedir a dispensa dos funcionários.

Medrosos e interessados

As partidas da seleção foram marcadas nas famosas datas-Fifa e a CBF, ciente delas, determinou a realização de jogos nos torneios nacionais no período separado para os selecionados atuarem.

O raciocínio lógico do profissionalismo que os dirigentes tanto falam na hora de justificarem o alto valor dos ingressos, convenientemente e covardemente é esquecido nestes casos.

Times de futebol, ao menos enquanto não se transformarem em empresas, forem obrigados a pagar impostos como elas e tiverem uma loteria para ajudá-los a quitar o que devem, existem para satisfazer o torcedor e precisam dos melhores resultados possíveis em campo para cumprirem tal objetivo.

A CBF, que tem na seleção a sua principal fonte de lucro, fez a confusão e o correto seria assumir a responsabilidade pelos próprios erros.

O prejuízo deveria ficar para ela e não aos torcedores, que são também o mercado consumidor e a razão única de os clubes grandes ganharem tanto dinheiro.

Mas há cartolas morrendo de medo e outros fazendo o jogo político.

Alguns, por exemplo, vivem com problemas financeiros nos clubes, têm dinheiro a receber da instituição dirigida por Marin pela cessão de jogadores à seleção, e não cobram a dívida ou fazem isso de maneira tímida.

Eles também temem os jogadores.

Os atletas em regra querem defender a seleção e os dirigentes normalmente não se opõem, apesar de pagarem os salários deles, porque evitam a insatisfação dos boleiros e de seus empresários, pois dependem desses últimos para a busca de reforços.

Os cartolas são reféns da própria incompetência e parecem gostar da situação.

Quando o funcionário é valorizado na seleção a chance de conseguirem negociá-lo por uma fortuna aumenta.

Ou seja:

O dinheiro e as questões pessoais estão muito acima dos resultados das agremiações.

Em suma, o clube que você ama fica em terceiro plano, tirante em algumas exceções.

A seleção dirigida por Dunga é quem deveria, neste momento, pagar pelo calendário destrutivo preparado pela Confederação Brasileira de Futebol.

Não você.

O torcedor dos times, aqueles do dia a dia e não apenas de Copa do Mundo, é desrespeitado pelos cartolas da CBF e dos clubes.

Me pergunto se um dia essa aberração acabará.

União

A inclusão do clubismo neste debate é excelente para a manutenção do cenário atual.

Tirar sarro do adversário ou relembrar quantas vezes o seu time foi prejudicado são questões inúteis.

Hoje foi a equipe de um, amanhã será a do outro, depois a sua….

Na verdade a CBF tem que reformular o calendário e arcar com a diminuição do próprio lucro com a seleção, caso seja necessário.

Lembro que os times com estrangeiros em seus elencos também serão prejudicados pela realização de jogos no Brasil em datas-Fifa.

Isentos

A diferença é que nesses casos as confederações de outras nações ficam isentas de responsabilidade, pois não têm nenhuma ingerência na definição do calendário do futebol brasileiro.