O Grêmio não tem espaço para erros

Leia o post original por Pedro Ernesto

Não há mais espaços para erros. A direção do Grêmio sabe disso e aprova completamente medidas especiais para tratar de eventuais exageros sem conformidade com o jogo ou com forte conteúdo de contestação. Cabe ao torcedor gremista, ao invés de se preocupar com o Santos ou possíveis desaforos ao goleiro Aranha, gastar sua energia em apoio aos seus jogadores, ao seu treinador, ao seu clube.

O Santos não interessa a um time que faz uma campanha de recuperação, que tem dois jogos em casa e que busca lugar no G4, visando participar da Libertadores no próximo ano. O adversário é só o adversário. Nada mais. Tudo que é importante veste azul preto e branco. Não serão muitos torcedores na Arena e, certamente, esses torcedores ficarão atentos aos eventuais disparates que sempre brotam de uma torcida. É jogar futebol e ganhar. Nada mais do que isto se faz necessário.

Lateral esquerdo

Fernando Gomes/Agência RBS

Fernando Gomes/Agência RBS

Zé Roberto foi uma definição feita, com sucesso, pelo técnico Luiz Felipe Scolari. Hoje, ele não joga porque recebeu o terceiro cartão amarelo. Pará ou Breno? Quem poderia ser melhor. Nesta hora, eu sou conservador. Meninos se adaptam melhor quando lançados no início de temporada. Breno já foi testado em outros jogos e sucumbiu. Pará é a chamada bola de segurança. Um jogador repleto de defeitos, mas que também contabiliza grandes virtudes de marcação.

O ataque do Santos é o setor mais poderoso. Tem Robinho, Thiago Ribeiro e ainda pode ter Damião e o jovem goleador Gabigol. Um setor de respeito, que precisa de muita marcação. Deixá-los liberado é um suicídio que o Grêmio não irá cometer. Matías Rodrigues já tem muita dificuldade de marcação. Cabe a Pará cumprir esta tarefa. Por isso, deve começar jogando.

Nova Novela

A novela entre Nilmar e Inter acabou. Os dois, clube e jogador, finalmente se acertaram no dinheiro e no tempo de contrato. Não foram poucos dias de espera. Agora, esperamos o jogador estar apto para defender, com sua qualidade, a camisa do internacional. Mauren Mansur, que foi o fisioterapeuta no tempo em que o atacante esteve parado, se mostra otimista. Mas eu preciso mostrar ao meu leitor algumas dificuldades. O jogador já tem 30 anos, já fez cirurgias importantes no joelho, estava no futebol árabe e ainda ficou longo tempo negociando com o clube. Fala-se em 20 dias. Eu acho que passa de um mês o prazo até Nilmar estar apto para entrar em campo. Agora, jogar mesmo, só no ano que vem.

É demais

O Deputado José Otávio Germano, aquele que como vice de futebol ganhou o último titulo importante do clube, a Copa do Brasil de 2001, lançou no Congresso Nacional um projeto simples e importante. Ele quer que se profissionalize no Brasil os gandulas. São eles que indicados pelos clubes, promovem grandes bagunças, ou devolvendo a bola com incrível velocidade se o seu time perde, ou amarrando o que dá quando quer ganhar tempo. O deputado José Otávio pensa num curso de regras de futebol para os meninos que estiverem com vontade de exercer este ofício e ainda uma pequena remuneração para todos eles. Gostei muito da ideia.

É de menos

As redes sociais carregam o lado bom e o lado ruim. São boas para comunicações entre amigos, para negócios, para buscar pessoas. No futebol, no entanto, elas muitas vezes se prezam para que gangues promovam encontros próximos a jogos de futebol. Alegadamente, são torcedores dos grandes clubes brasileiros. Na prática, são marginais que, em patotas raivosas e criminosas, promovem brigas em lugar pré-determinados e escolhido por eles nas redes sociais. Esta é a chamada barbárie moderna.