Sem Kaká, São Paulo patina

Leia o post original por celsocardoso

Rubens Chiri/SPFC

Rubens Chiri/SPFC

O jogo em Curitiba esteve longe de ser empolgante na primeira etapa. Pouco ou quase nada foi criado. Sem Kaká, o São Paulo perdeu muito na criação. Ganso e Pato, em alta desde que o meio-campista voltou ao clube, se apresentaram com menos brilho sem a referência do experiente jogador no gramado do Couto Pereira. Mesmo assim, saiu dos pés de Pato a assistência para que Michel Bastos, o substituto de Kaká, fizesse o gol são-paulino no final do primeiro tempo. Era apenas a segunda finalização do time no jogo, mas um tiro certeiro pra abrir vantagem no duelo.

Aí, veio o segundo tempo. Mais assertivo, o Coritiba foi encurralando o São Paulo e em dois minutos conseguiu a virada. Helder aos 15 e Joel aos 17 colocaram o time paranaense na frente, em jogo de até então seis finalizações. Denis ainda faria uma defesa milagrosa num cabeceio de Alex aos 37 minutos, porém não conseguiu evitar outro gol do camaronês Joel aos 40. Derrota que deixa o São Paulo novamente sete pontos atrás do líder Cruzeiro e aumenta a obrigação por uma vitória no final de semana sobre o Corinthians. Derrota que mostra quão importante é a presença de Kaká para o sucesso tricolor. Sem ele, o São Paulo é apenas um time comum.

Djalma Vassão/Gazeta Press

Djalma Vassão/Gazeta Press

Palmeiras na zona de rebaixamento

O começo foi catastrófico. O Flamengo abriu dois a zero e parecia empurrar o Palmeiras ladeira abaixo, em pleno Pacaembu. Mesmo que pesem os eventuais erros de arbitragem – pênalti não marcado para o Palmeiras, por exemplo, o drama estava escrito. No segundo tempo, entretanto, na base da raça, o time palmeirense chegou ao empate com Diogo e Victor Luis. Não fosse o destempero de Valdívia, expulso depois de ficar pouco mais de meia hora em campo, o Verdão poderia sonhar com a vitória. Ficou no empate. Diminuiu o prejuízo, mas não evitou a queda para a zona do rebaixamento por  conta das vitórias de Bahia e do Coritiba. O Palmeiras agora é décimo oitavo e segue flertando com a segunda divisão no ano de seu centenário.