TIRANDO LEITE DE PEDRA

Leia o post original por K.O.N.G

Daniel

Daniel é jornalista no interior mineiro. Atleticano como tantos milhões, tem o Galo como sua maior paixão. Siga no twitter: @danielmesende

***

A máxima “é o que temos para hoje” vem sendo o lema do Galo nesse Brasileirão. Muito se discute sobre a qualidade do elenco do clube, se é ou não devidamente qualificado para a disputa de um campeonato tão longo como é o Brasileiro, além da Copa do Brasil. Que o elenco foi enfraquecido, em relação ao de 2013, não resta dúvida. Tanto em número quanto em qualidade. Talvez por motivos financeiros, talvez por incompetência mesmo, nunca saberemos. O fato é que perdemos jogadores de extrema importância nos últimos meses, sendo alguns deles titulares absolutos, como Ronaldinho, ou reservas imediatos, como Gilberto Silva, Junior César, Rosinei e Fernandinho. A reposição desses jogadores não foi à altura e quando as poucas contratações foram efetivadas, enfrentamos outro grande problema.

As lesões têm sido o maior inimigo do Galo nessa temporada. Elas não param de acontecer e parece que a cabeça de burro, que desenterraram no início de 2013, foi recolocada perto da clínica de fisioterapia do clube. Não há outra explicação. Réver, Botelho, Pierre, Rafael Carioca e Jô são alguns dos jogadores considerados titulares que sofrem com essas lesões. Isso faz com que o Levir tenha que se virar para montar o time, muitas vezes não conseguindo completar nem mesmo o banco de reservas. Nem Emerson Conceição escapou do DM, só que nesse caso acho que a torcida não vai reclamar. No jogo contra o Botafogo, mesmo esfacelados, ganhamos. E assim foi contra Palmeiras, Atlético PR, Inter e agora o CEC, além dos jogos pela Copa do Brasil. Aos trancos e barrancos, o time vai subindo.

Uma saída encontrada por Levir, diante dos vários desfalques e a má fase de alguns jogadores, é dar chance aos meninos da base. Jemerson vêm jogando muito bem. Antes criticado por más atuações em poucos jogos, o garoto está jogando com muita maturidade e se firmando como titular do time, para a tristeza dos cornetas. Réver terá que suar muito para voltar ao time titular. Eduardo e Carlos também têm entrado bem nas partidas. O atacante, que meteu dois gols no último clássico, precisa ser lapidado para que o sucesso não suba à cabeça. Nem venham com esse negócio de “Rei Carlos”, por favor… depois de Reinaldo, não me lembro de nenhum “reizinho” ter dado certo por aqui. É óbvio que o garoto tem muita qualidade, mas manter os pés no chão é fundamental, assim como fez Bernard e vem fazendo Marcos Rocha, o melhor lateral do futebol brasileiro, ambos oriundos da base atleticana.

Querendo ou não, Levir vai encaixando o time com o que tem, mesmo sem poder repetir a escalação por dois jogos consecutivos. Com o que tem pra hoje, Levir vai impondo sua maneira de jogar no Galo que, por sua vez, vai ganhando moral e reconquistando a confiança da torcida. Estamos pegando no tranco, tipo aquele opalão 78 que ficou parado muito tempo na garagem.

Saudações!