Diretores do São Paulo cobram de Osório habilidade com jovens jogadores

Leia o post original por Perrone

Carlos Miguel Aidar evitou atrito com Juan Carlos Osorio no momento em que o treinador afirmou para o  não ter sido avisado antes de sua contratação do desmanche no time. O presidente do São Paulo explicou ao técnico a difícil situação financeira do clube e relatou que precisa aproveitar as oportunidades de mercado.

Porém, diretores são-paulinos pegam mais pesado com o colombiano. Eles afirmam que, enquanto negociava sua ida para o Morumbi, o treinador deixou claro que gostava de trabalhar com atletas da base. Entendem, então, que está 1 a 1. Se o técnico ficou surpreso com as saídas de Souza, Paulo Miranda, Denilson e Dória, os dirigentes não esperavam queixa de quem havia demonstrado interesse em lançar jovens atletas.

O resultado é que cartolas do clube aumentam a pressão para que Osorio obtenha bons resultados escalando jogadores formados no CT de Cotia. Na avaliação dos dirigentes, a safra é promissora e o técnico não tem do que reclamar. Entre os novatos que os diretores são-paulinos mais confiam está o zagueiro Lucão. Ele falhou no primeiro gol na derrota por 2 a 1 para o Atlético-PR, na última quarta, e foi alvo de críticas do meia Paulo Henrique Ganso.

Nesta sexta, Osório declarou em entrevista coletiva discordar da quantidade de atletas vendidos pelo clube. Disse ter garimpado talentos nas categorias de base. Mas mostrou preocupação com a falta de experiência de parte do time com a seguinte afirmação: “Aqui, no elenco que temos agora, há 12 jogadores, no máximo 15, com 100 jogos ou mais. O resto 50 ou menos. Cada um tire sua conclusão”. É justamente o tipo de declaração que diretores do clube não esperavam após conhecerem o discurso do treinador antes de assinar contrato.