Santos sobrou contra o Corinthians

Leia o post original por Vitor Birner

De Vitor Birner

Faz algumas rodadas do Brasileirão que o Santos joga futebol superior ao do Corinthians.

No confronto direto entre os alvinegros, onde a qualidade e o choque de estilos entram em campo, o time de Dorival Jr sobrou.

Na Vila Belmiro praticamente anulou o sistema ofensivo escalado por Tite e fez dois gols.

Tentou

Em Itaquera,  Tite pediu ao time para marcar a saída de jogo, pois era necessário aumentar o volume do jogo ofensivo, e permitiu que os santistas tivessem os contra-ataques.

No início, funcionou. Alguns chutes da entrada da área passaram perto das traves.

Pelos lados

Mas a postura ousada forçou os laterais Edilson e Uendel a apoiarem e as dificuldades na marcação ficaram nítidas.

O treinador monta o time para eles e a dupla de zaga não ficarem desguarnecidas e teve que alterar isso para  otimizar a criação.

Como Bruno Henrique não consegue fazer a cobertura necessária e ficou muito sobrecarregado,  Lucas Lima, Geuvânio e Gabriel, que têm velocidade e técnica, ganharam as lacunas para investirem naquilo que melhor realizam.

Desenhados

Os gols de Gabriel, antes do intervalo, após a assistência do meia, e de Ricardo Oliveira, no passe Marquinhos Gabriel que entrara no lugar do jogador revelado nas categorias de base do clube, foram muito parecidos.

Quem acompanha as partidas do Santos nota que esse lance parece se tornar a marca da equipe, pois houve outros assim.

Depois do 1×0 o Corinthians passou a jogar por inércia.

Os atletas deram a impressão de tentarem buscar forças que não tinham, como faz o incrédulo que diz a si mesmo que crê, para continuarem competindo.

Romero fez o gol de honra no mata-mata quando não havia maneira de se classificar.

Entre os favoritos

Cada agremiação segue o próprio caminho.

O Santos com seu time forte e elenco pequeno encarando a maratona de jogos e talvez, em algum momento, sendo obrigado a poupar importantes jogadores.

E o Corinthians, líder do torneio mais relevante do país, precisando de ajustes que não o fizeram perder a colocação almejada pelos poucos concorrentes e nem o tiram da condição de um dos maiores favoritos à conquista, mas que contribuíram para o fracasso diante santistas e podem (hipótese, não afirmação) ter consequência igual no Brasileirão.

Fundamental: altos e baixos são normais em nosso futebol. Não há nada atípico na na queda ou melhora de rendimento dessas agremiações. É impossível ser preciso em qualquer prognóstico. Mas o Santos no mata-mata e o Corinthians nos pontos corridos, reitero, continuam entre aos favoritos à conquista dos respectivos torneios.

Ficha do jogo

Corinthians – Cássio; Edílson, Felipe (Edu Dracena), Gil e Uendel; Ralf; Matheus Pereira (Romero), Bruno Henrique (Cristian), Renato Augusto e Malcom; Vagner Love
Técnico: Tite

Santos – Vanderlei; Victor Ferraz, David Braz, Gustavo Henrique e Zeca; Thiago Maia (Leandrinho) e Renato; Gabriel (Marquinhos Gabriel), Lucas Lima e Geuvânio (Chiquinho); Ricardo Oliveira
Técnico: Dorival Júnior

Árbitro: Ricardo Marques Ribeiro (MG) – Assistentes: Bruno Boschilia e Marcio Eustaquio Santiago