E o São Paulo continua enroscado

Leia o post original por Antero Greco

O São Paulo não se ajuda na Libertadores. A chance de encostar em The Strongest e River Plate era na noite desta quarta-feira, na partida contra o Trujillanos, participante mais fraco do grupo. Mas a turma de Edgardo Bauza deixou escapar a oportunidade e volta da Venezuela com empate por 1 a 1. Com dois pontos em três jogos, fica em situação delicada.

Só não é desesperadora a vida tricolor porque em La Paz também houve empate por 1 a 1. Assim, The Strongest permanece em primeiro, com 7 pontos, seguido do River, com 5. Para se garantir, sem necessidade de combinação de resultados, o São Paulo precisa ganhar as próximas três partidas, duas delas na sequência e em casa (Trujillanos e River) e a última em La Paz, quem sabe contra um rival já classificado. Dureza será jogar na altitude se o time boliviano ainda precisar do resultado para seguir adiante.

Dou um desconto para os são-paulinos. A viagem até a Venezuela foi quase uma volta ao mundo, de tantas andanças, paradas e trocas de avião. Isso pesa no desempenho de um grupo que no domingo pela manhã havia disputado clássico com o Palmeiras. Vá lá, desta vez não é exagero falar em cansaço; a moçada foi exigida.

Noves fora isso, foi quase o São Paulo de sempre. Ou seja, sem persistência nem agressividade. Um time morno, com espasmos de criatividade. E, ao menos até agora, na dependência de Ganso. Por sorte o meia comparece mais, voltou a marcar e só não teve jornada épica porque perdeu o pênalti que poderia ter garantido a vitória. Mas dos pés dele saem os melhores lances. No mais, é uma monotonia de dar sono – ou raiva.

Bauza tem na cabeça uma formação ideal, mas esta não dá conta do recado. Por isso, durante o jogo tirou Centurión (insiste num jogador que não corresponde) e Carlinhos. Colocou Rogério e Kelvin, o que não significou grande coisa no desempenho final. Kardec ficou isolado na frente.

O São Paulo infelizmente não convence.  Pode até seguir adiante na competição, porque os demais concorrentes também não são de meter medo. Por isso até será mais chato, se ficar fora.