E brilha a estrela tricolor de Cavalieri…

Leia o post original por Antero Greco

Quando uma partida é decidida nos pênaltis, só quem tem a ganhar é o goleiro. Se tomar os gols, não lhe cabe culpa alguma; afinal, os chutes são praticamente à queima-roupa. Mas, se defender alguma ou algumas bolas, tem tudo para tornar-se herói.

Pois prevaleceu a segunda alternativa, no clássico que Fluminense e Inter disputaram no Mané Garrincha, na noite desta quarta-feira. Depois do empate por 2 a 2 no tempo normal, a vaga para a final da edição inaugural da Primeira Liga ficou para os pênaltis.

Daí, o brilho concentrou-se todo em Diego Cavalieri. O goleiro tricolor fez duas defesas extraordinárias  – nos chutes de Jackson e Anderson – e foi imprescindível para a classificação. Deu dois voos cinematográficos, daqueles mirabolantes, e desviou para fora. O Flu venceu por 3 a 2 nesse critério.

Com a bola a rolar, o jogo foi equilibrado e isso se refletiu no placar. O Flu sem Fred, o Inter sem Alisson. Muito empenho sem o equivalente em técnica. As duas equipes foram à frente na base do esforço, com oscilações que têm mostrado na própria competição e nos respectivos estaduais.

O Inter saiu na frente, com Vitinho aos 24 e o Flu respondeu com Osvaldo aos 29. No segundo tempo, inversão dos marcadores: Osvaldo fez o gol da virada aos 19 e Vitinho empatou aos 39, o que provocou a definição do primeiro finalista nos pênaltis.

O Inter de Argel Fucks ainda tem muito a melhorar, sobretudo no meio. O Flu de Levir Culpi encorpa, mas carece de clareza no ataque. Desta vez, o treinador começou com Osvaldo e Magno Alves; depois, recorreu a Douglas (Osvaldo sentiu) e Marcos Júnior. Mas já se vê mais consistente do que nos tempos de Eduardo Baptista.