Paulo Bento engole Cuca no Mineirão

Leia o post original por Antero Greco

Parecia que o Cruzeiro era o líder do Campeonato Brasileiro. E que o Palmeiras tentava sair da parte de baixo da classificação.

O time mineiro não só venceu por 2 a 1. Merecia, no mínimo, ter aplicado uma goleada na equipe alviverde, que voltou a ter exibição abaixo da crítica.

O técnico português Paulo Bento engoliu o seu adversário Cuca: a equipe dele marcou em cima, explorou a avenida que se abria pelo setor direito da defesa rival e sempre que possível exigiu que seus jogadores saíssem tocando a bola e evitassem chutões sem direção.

Por incrível que pareça, o começo indicava que seria mais uma noite palmeirense: Dudu ganhou a bola, em vacilo do zagueiro Bruno Rodrigo, e passou para Gabriel Jesus marcar o sétimo gol dele no torneio. Eram passados somente 11 minutos. Abria-se a perspectiva de contra-ataques mortais, pois Moisés e Cleiton Xavier estavam em campo e seriam garantia de bons lançamentos.

Mas não houve tempo de Cuca sonhar com mais uma vitória. Três minutos depois, ficariam evidentes todas as falhas de um time que se perde nos cruzamentos sobre a área, que errava passes tolos com o ala Egídio e que teve o lateral direito Fabiano irreconhecível – errou do começo ao fim.  Aos 14, Willian empatou, após falha geral da defesa palmeirense, em um cruzamento sobre a área.

Aos, 18 Henrique perdeu sozinho o gol da virada. O Palmeiras atacava aos trancos, aos chutões, aos “lançamentos” de Fernando Prass.

Para o segundo tempo, enquanto Paulo Bento mantinha o Cruzeiro, o técnico Cuca colocou Thiago Santos no lugar de Egídio e recuou Tchê Tchê para a lateral esquerda. Seria melhor, muito melhor, se tivesse tirado Fabiano. Logo a dois minutos, num cruzamento de Allison da esquerda, Willian apareceu para desviar de cabeça e marcar o gol da vitória.

Seguiu-se um massacre do Cruzeiro, enquanto Cuca tirava Cleiton Xavier e colocava Luan. A idéia: recuar Dudu para a armação ao lado de Moisés. Também não deu certo. E dá-lhe Cruzeiro em cima de Fernando Prass: Arrascaeta ficou cara a cara com o goleiro, Allison perdeu gol certo, Willian perdeu o terceiro gol, Allison perdeu nova chance.

O menino Gabriel Jesus escapou de contusão séria, ao ser agredido em lance covarde de disputa de bola, pelo zagueiro Bruno Rodrigo. E o Palmeiras escapou de uma goleada. Foi uma noite para Paulo Bento guardar na memória.

Para Cuca?

Melhor esquecer…

(Com participação de Roberto Salim.)