Sheik

Leia o post original por Mauro Beting

Sheik, já escrevi que não gosto de você por tudo que você já fez contra o meu time e já falou contra meu clube. Não gosto porque você joga demais e se joga demais em campo. Corre demais e já não jogava demais desde a Libertadores que você encaminhou com o golaço na Vila, e conquistou calando e mordendo o Boca. 

Ficou seis anos enrolando como ganhou outros nos rolos de RGs e CPFs. Mas você é tão figura e engraçado, Emerson Marcio, que o Marcio e o Emerson se misturam nesse Sheik para engordar títulos e uma carreira vitoriosa. 

A mesma que vi engatinhar como gato no Sub-20 em 1999, em Mar del Plata. Quando você perdeu um daqueles gols que depois sempre guardaria contra a Argentina. E no jantar no hotel mal conseguia comer de tristeza. 

Foi a única vez que torci por você. Sempre torci contra seus clubes, como te disse no prêmio MESA REDONDA.  Mas não é fácil torcer contra você. Quase sempre você vence. E quase sempre nos ganha pelo seu jeito malandro e maloqueiro, graças ao tinhoso que você tem. Minimizado pelo seu encontro com o Divino, ainda que com o diabo no corpo. 

Não te desejo boa sorte na nova carreira que sorte vem junto com você. Mas toda felicidade que quem conviveu contigo diz que você traz até quando está errado. E não é pouco. Mais importante: nunca trai, porque você é franco e direto no papo. O que é ótimo como você foi até quando você jogou como se fosse um Sheik, até a Libertadores invicta de 2012. 

Boa aposentadoria. Você merece. E, no fundo, eu também, pra não ter que torcer mais contra. 😉