Emocionado, Murray anuncia fim de carreira

Leia o post original por Fernando Sampaio

Foi uma coletiva emocionante. O britânico Andy Murray declarou ontem em Melbourne que abandonará o tênis profissional em 2019. A ideia é fazer a despedida em Wimbledon onde conquistou dois dos seus três títulos de Grand Slam e uma de suas duas medalhas de ouro olímpicas.

Durante a entrevista, o tenista de 31 anos teve dificuldade para concluir frases, saiu da sala para se recompor logo após a primeira pergunta, chorou várias vezes, lamentou as contusões e falou das dores que vem sentindo nos últimos 20 meses.

“Eu preciso ter um ponto final, porque estou apenas jogando sem a menor ideia de quando a dor vai parar. Tomei essa decisão e acho que posso chegar até Wimbledon. É lá que eu gostaria de parar de jogar, mas não estou certo de que sou capaz de fazer isso. Não me sinto bem. Obviamente, tenho lutado há muito tempo e sinto muita dor há uns 20 meses. Fiz praticamente tudo o que pude para tentar melhorar meu quadril”.

Murray garantiu que jogará na próxima semana em Melbourne onde enfrentará na estreia o espanhol Roberto Bautista Agut, número 22 do mundo. “Sim, eu vou jogar. Eu ainda posso jogar, mas não em um nível que eu me sinta feliz jogando. A dor é muito grande, e não quero continuar jogando dessa maneira.”

Murray considera até mesmo a hipótese de passar por mais uma cirurgia para melhorar sua qualidade de vida. “Eu tenho uma opção de fazer outra operação, que é um pouco mais severa do que a que eu fiz antes, mas me daria uma melhor qualidade de vida. Alguns atletas fizeram e voltaram a competir, mas não há garantias disso. E a razão para fazê-la não é voltar ao circuito”, afirmou. “Há pequenas coisas no dia a dia que também são muito difíceis. Seria bom fazê-las sem dor. Colocar sapatos, meias, coisas assim. Essa é a principal razão para fazer essa cirurgia”.