Atrito com FPF: Palmeiras recusou duas trocas de campo na Copinha

Leia o post original por Perrone

Antes de afirmar que foi vítima de suposta má vontade na Copa São Paulo por, entre outros motivos, não conseguir jogar em Barueri, o Palmeiras recusou duas ofertas da Federação Paulista para atuar em outro campo que não fosse o de Capivari, castigado por chuvas.

Antes do duelo com o Vitória-BA pela segunda fase, a FPF procurou a diretoria alviverde para oferecer Santa Bárbara D’Oeste, sede em que estava o time baiano,  como alternativa ao estádio de Capivari. De acordo com a assessoria de imprensa palmeirense, a oferta foi rejeitada diante da avaliação de que as condições do campo sugerido eram tão ruins quanto às de onde o clube vinha jogando e, para piorar, o time ainda teria que enfrentar o deslocamento para outra cidade.

Depois do triunfo sobre o Galvez, a federação procurou de novo o Palmeiras para definir onde seria a partida seguinte. Também de acordo com a assessoria de imprensa do clube,  João Paulo Sampaio, coordenador das categorias de base do alviverde disse que queria um campo em boas condições e pediu para jogar em Barueri. A FPF respondeu que lá não seria possível e ofereceu Jaguariúna, que era a sede onde estava Figueirense, adversário da vez. De novo, o clube da capital avaliou que foi oferecido um gramado em más condições e com o adicional de um deslocamento, assim preferiu seguir em Capivari.

Depois da eliminação nas oitavas com derrota de 2 a 1 para o Figueira, Sampaio atacou a organização da Copinha. “Queríamos um campo melhor. Pedimos Barueri e nos disseram ‘não’, mas o Corinthians pôde?”, declarou o dirigente.

O alvinegro derrotou o Visão Celeste por 8 a 0 nesta quarta (16) e avançou para as quartas de final. O discurso na FPF é de que quando o pedido alviverde foi feito os corintianos já tinham sido deslocados para Barueri porque Itu, até então sua sede, havia sido desativada. O acordo com a cidade era de que seu estádio não estaria disponível a partir das oitavas de final.

Além disso, no entendimento dos organizadores da Copa São Paulo, Barueri não poderia receber dois jogos nas oitavas, o que não ocorreu em outras sedes.

A insatisfação palmeirense aumenta o atrito entre clube e FPF que começou depois da final do Estadual do ano passado. Os palmeirenses reclamaram que houve interferência externa da arbitragem na anulação de pênalti a seu favor no Allianz Parque. O Corinthians ganhou a decisão e a partir de então o Palmeiras declarou guerra à entidade.