Derrotas do São Paulo no Paulista aumentam pressão sobre Raí e seu estafe

Leia o post original por Perrone

As derrotas para Santos e Guarani no Paulista serviram como senha para conselheiros do São Paulo aumentarem a pressão sobre Raí e os demais dirigentes remunerados do futebol tricolor. A principal cobrança acontece pela avaliação de que o ex-meia montou uma estrutura grande, com funcionários de qualidade e bem remunerados. Para eles, isso gera a obrigação de melhores resultados.

Procurado, Raí afirmou por meio da assessoria de imprensa do clube que não se incomoda com as críticas.

Nas palavras de um dos insatisfeitos, o ex-atleta, com contratações feitas desde a sua chegada, armou uma superestrutura, então precisa apresentar super-resultados. Há críticos em grupos de situação e de oposição. Pelo menos dois integrantes do Conselho de Administração são-paulino também avaliam que os resultados precisam ser melhores para justificarem os investimentos. Porém, o órgão não debateu o tema oficialmente.

Um dos questionamentos recai sobre a contratação de Vagner Mancini como coordenador técnico após a saída de Ricardo Rocha. A análise desses conselheiros é de que poderiam dar conta do recado Raí, diretor executivo de futebol, Alexandre Pássaro, gerente executivo, Lugano, diretor institucional, mas próximo ao futebol, e Fernando Bracali Chapecó, conselheiro e diretor-adjunto que atua no departamento sem ser remunerado.

Outra contratação questionada pelo mesmo grupo de conselheiros foi a do preparador físico Carlinhos Neves. Não por sua capacidade profissional mas porque o clube tem três outros preparadores. Em termos comparativos, o Corinthians conta com dois profissionais na preparação física, só que eles comandam quatro auxiliares. Já o Palmeiras possui um coordenador de preparação física e dois preparadores.

Apesar das queixas, o blog apurou que a comissão técnica atual custa menos da metade do que a do ano passado com Diego Aguirre e seu estafe e antes da saída de Rocha. A principal diferença está entre os salários do ex-técnico e do atual, André Jardine.

O argumento de que a temporada está só começando e é preciso dar tempo para a equipe mostrar resultado não amolece os críticos. Nos bastidores, eles sustentam que pelo tamanho do estafe e pelos gastos do clube um retorno melhor deveria ter sido apresentado até aqui. Outro argumento é de que Raí já tinha montado uma grande estrutura no ano passado sem proporcionar os resultados esperados por eles. Ou seja, não são apenas as duas derrotas no Estadual que pesam na balança.