Acordo acaba com ação depois de conselheiro do SPFC ser chamado de santista

Leia o post original por Perrone

Acordo feito nesta terça (19) acabou com uma curiosa disputa na Justiça entre conselheiros do São Paulo. Antônio Donizete Gonçalves, o Dedé, pedia indenização por danos morais por ser chamado de santista por José Francisco Cimino Manssur. Em audiência na 26ª Vara Cível de São Paulo, porém, o acusado se comprometeu a não declarar mais que o colega de conselho não é são-paulino.

“O réu (Manssur) atesta que não tem nenhum elemento para afirmar que o autor (Dedé) não é torcedor do São Paulo Futebol Clube. Que o réu lamenta os ataques que o autor sofreu por parte da torcida organizada e que nunca mais divulgará para quem quer que seja que o autor é torcedor de outro clube ou qualquer outra mensagem ofensiva”, diz trecho do acordo. Gonçalves afirma ter sido alvo de hostilidades de membros de torcida uniformizada após ser chamado de santista.

Dedé também se comprometeu a não atacar o colega. Ele havia colocado em dúvida serviços prestados por Manssur como advogado para o clube. “O autor atesta que não pretende equiparar qualquer conduta do réu à prática de estelionato e também se compromete a não divulgar qualquer informação ofensiva ao réu”, está escrito em outra parte do termo da audiência.

Manssur foi um dos cartolas em que o ex-presidente Juvenal Juvêncio, já falecido, mais confiava. Dedé se caracterizou por criticar a atual gestão, mas acaba de aceitar convite para assumir o novo Departamento de Esportes Sociais (DES), como revelou o blog.