Treinos com esposa ajudaram Gustagol a ir de renegado a intocável

Leia o post original por Perrone

Imagem: Alan Morici/AGIF

Salvador da pátria, titular antes da hora, atleta negociável, jogador de férias treinado por sua mulher, surpresa agradável e, enfim, intocável. Em cerca de dois anos e meio, o atacante Gustavo passou por todos esses papéis até virar a sensação do Corinthians no início da atual temporada.

A relação de Gustagol com seu time do coração começou a ser rascunhada em maio de 2016. O departamento de análise de desempenho alvinegro monitorava suas atuações pelo Criciúma. Os números agradavam da comissão técnica à diretoria. Em julho, a direção alvinegra fez a primeira tentativa de contratação por telefone. Não deu certo. Um mês depois, o alvinegro decidiu negociar os atacantes Luciano e André.

O então diretor adjunto de futebol, Edu Ferrreira, partiu para Santa Catarina esperando definir a contratação de Gustagol em um dia. Por conta de outros times interessados no jovem artilheiro da Série B, foram necessários três dias em Criciúma. Pesou a vontade de Gustagol e ele desembarcou em Itaquera.

VEJA TAMBÉM

Logo o atacante exibiu uma tatuagem sua vestindo a camisa 9 do Corinthians, ouvindo comentários no próprio clube de que exagerou por ser um profissional. As primeiras chances vieram com Cristóvão Borges, técnico de um time abalado pela saída de Tite para a seleção brasileira. No entanto as atuações foram frustrantes para torcida, cartolas e jogador. O centroavante acabou entrando na lista de atletas disponíveis para serem emprestados.

Hoje, o sentimento de gente que trabalhou com Gustagol naquela ocasião é de que sua entrada no time foi precipitada e ele acabou sendo queimado. O entendimento é de que aos 22 anos, o atacante precisava de tempo para amadurecer e sentir menos o peso da camisa. Porém, a necessidade de ter um novo atacante, aumentou a pressão sobre ele e deu no que deu. “Pela necessidade do clube, houve uma precipitação. Ele era muito jovem. E o time todo estava mal, isso não ajudou”, disse ao blog Clóvis Henrique, empresário de Gustagol.

Gustavo, que não justificara o apelido de goleador, foi então emprestado para Bahia e Goiás, sem emplacar. “Ele chamou a atenção do nosso departamento de análise, que passou para o Rogério Ceni. Ele não teve dúvidas quando viu o material do Gustavo. Não demorou para conseguirmos contratar, não foi difícil porque ele estava em baixa”, contou Marcelo Paz, presidente do Fortaleza, relembrando instantes que antecederam o início da volta por cima do centroavante.

Salvo pelo mototáxi

Um erro bobo, porém, quase adiou a estreia de Gustagol pelo time cearense. “No primeiro jogo, ele esqueceu de levar o RG. Um mototáxi foi buscar o documento e chegou ao estádio a tempo. Já pensou se ele não joga? Marcou quatro gols na estreia”, afirmou Paz, hoje fã do atacante corintiano. “Temos um grupo do Fortaleza no WhatsApp, e toda vez que ele faz um gol pelo Corinthians alguém lembra dele, comemora”, disse o cartola.

Depois dos gols marcados na vitória sobre o Uniclinic por 4 a 0 pelo Campeonato Cearense, Gustagol terminou 2018 como o principal artilheiro do Brasil na temporada. Balançou as redes 30 vezes. Mesmo assim, havia muitas dúvidas no Corinthians sobre seu reaproveitamento. Tanto que a diretoria estava aberta a negociá-lo. Mas nenhuma proposta atraente apareceu. E o veredito foi de que depois do desempenho pelo Fortaleza, entrando com mais calma na equipe, ele poderia vingar.

No primeiro treino com bola veio a surpresa para membros da comissão técnica. Gustagol havia voltado das férias com preparo físico de quem já estava treinando. “A esposa dele (Mayara) é personal trainner e ajuda muito o Gustavo. Ele treinou bastante nas férias”, disse o empresário do atacante corintiano.

“Acho que o mais importante para essa mudança foi ele ganhar confiança com a sequência de jogos no Fortaleza e a evolução na parte tática. Rogério mostrou a importância de marcar o adversário”, analisa o presidente do clube cearense.

Em 2019, já foram seis gols em nove jogos oficiais pelo Corinthians, além de um no empate por 1 a 1 no amistoso com o Santos. Cada soco no ar, lava a alma dos que apostaram na contratação do centroavante na primeira passagem dele pelo clube e viraram alvos de críticas e chacotas.