Cobrada em 2018 por enchentes no SPFC, prefeitura prevê gasto de R$ 327 mi

Leia o post original por Perrone

Documento obtido pelo blog mostra que em julho do ano passado a prefeitura paulistana foi alertada para tomar providências com o objetivo de evitar enchentes na região em que ficam a sede social do São Paulo e o Morumbi. Nó último dia 2, após fortes chuvas na capital paulista, o clube ficou alagado, sofreu significativos danos e precisou ser interditado. Nem seu estádio saiu ileso.

Ofício identificado pelo número 140/2018/PR-BT, datado de 12 de julho do ano passado, assinado pelo então prefeito regional do Butantã Ricardo Granja e enviado para Vítor Aly, titular da Secretaria de Infraestrutura Urbana e Obras (Siurb), mostra que órgãos ligados à prefeitura foram instados a agir. A carta solicita ao secretário “o atendimento de demandas que chegaram a esta prefeitura regional: o problema de enchentes entre o Colégio Porto Seguro e São Paulo Futebol Clube localizados no final da Avenida Jules Rimet – Morumbi, precisamente o córrego do Antonico”.

O comunicado não deixa claro quem fez o pedido de providências, porém o blog apurou que entre os solicitantes estavam dirigentes tricolores que procuraram o subprefeito, ex-diretor do São Paulo.

Procurada pelo blog, por meio da Secretaria Especial de Comunicação, a prefeitura afirmou em nota que na ocasião Aly se reuniu com Granja e explicou que a construção de um reservatório na região entre o Porto Seguro e o São Paulo está prevista no programa de PPP (Parceria Público-Privada) para a construção de piscinões na cidade. O valor da obra está calculado em R$ 87 milhões. O comunicado também afirma que estudos indicam a necessidade de mais duas intervenções na região ao custo de R$ 240 milhões juntas. Ou seja, as três obras custariam R$ 327 milhões. No entanto, o comunicado não diz se há previsão para a realização dos trabalhos (leia a resposta completa da prefeitura no final do post).

Citado no ofício de 2018, o Córrego do Antonico passa debaixo do estádio do Morumbi. Algumas das ações pedidas pelos cartolas são-paulinos são a construção de um piscinão na praça Roberto Gomes Pedrosa, em frente ao portão principal do estádio, de outro menor na altura do portão 10 do clube e o deslocamento da galeria que passa por baixo do clube para uma área lateral. O problema de alagamento no clube é antigo, mas a última enchente fez mais estragos.

Confira a nota completa enviada pela Secretaria Especial de Comunicação da prefeitura:

“O secretário de Infraestrutura Urbana e Obras, Vitor Aly, se reuniu com Ricardo Granja, ex-subprefeito do Butantã, que foi informado que a construção de um reservatório na região entre a sede do São Paulo e o Colégio Porto Seguro está prevista na PPP dos Piscinões, com custo estimado em R$ 87 milhões. Estudos apontam a necessidade de construção no Córrego Antonico de um segundo reservatório, além de uma interligação entre os dois piscinões sob a Avenida Jules Rimet. Juntas, as duas últimas obras têm investimentos previstos de R$ 240 milhões.

A Secretaria Municipal das Subprefeituras informa que (após a última enchente) equipes já finalizaram os serviços de limpeza, capinação e retirada de lixo na Praça Alfredo Gomes. O trabalho foi realizado com duas retro escavadeiras, cinco caminhões e doze homens concentrados na raspagem manual. Além disso, três caminhões e nove funcionários ficaram responsáveis pela limpeza dos bueiros.

Na Avenida Jorge João Saad, foi realizada a raspagem da rua, retirada do lixo e barro, e em seguida, realizaram a lavagem. Equipes permanecem realizando a limpeza de bueiros no local. Já foram recolhidas 68 toneladas de lama em oito caminhões.

Foi feita, também, a manutenção nas galerias e caixas de inspeção no entorno, além da limpeza do Córrego Antonico.

Serviço

Em 2018, a Subprefeitura Butantã realizou serviços de poda em 5.451 árvores e outras 922 foram removidas. Além disso, foram feitos serviços de limpeza mecânica 10.534 vezes nas bocas de lobo da região; 750 poços de visita; 16.787 metros de ramais; e 8.472 metros de galerias. As equipes de áreas verdes realizaram serviços de corte de mato e grama em 3.588.767 m². Também foram recolhidas 2,5 mil toneladas de desassoreamento e outras 1,1 mil por meio de limpeza mecanizada de piscinão”.