Medroso, Corinthians se segura como time pequeno no Morumbi…

Leia o post original por Milton Neves

Foto: UOL

São Paulo 0 x 0 Corinthians.

No Morumbi, o medroso Corinthians, que chegou à final sem merecer, depois de “avacalhar” a semifinal contra o Santos, “estacionando um ônibus” diante da meta de Cássio, voltou a jogar como time pequeno e conseguiu não tomar nenhum gol do Tricolor para tentar levantar o caneco em Itaquera.

Até poderia ter tomado, se um pênalti tivesse sido marcado, ainda no primeiro tempo.

Ah, o apito. Ah, o VAR.

Se o Timão jogar assim em sua casa perderá. Escrevam o que eu estou dizendo!

O São Paulo está com gana, a gana que o Corinthians sempre teve, desde 1910.

O que está acontecendo, Carille?

Desaprendeu depois daquele seu “bate e volta” na Arábia?

Bom, mas falando sobre o jogo, tirando uma chance de Gustagol e outra de Henrique, ambas de cabeça, no segundo tempo, só deu São Paulo.

Cássio, pra variar, fez dois milagres e salvou a lavoura alvinegra.

Hernanes, que saiu do banco de reservas, após 28 dias “de molho”, voltou bem.

Entrou no segundo tempo e levou perigo à meta corintiana, chutando a gol e dando bons passes.

Foi um massacre tricolor e o Corinthians viveu de esporádicos contra-ataques.

Vasco 0 x 2 Flamengo.

No Engenhão, no segundo tempo, Bruno Henrique marcou o gol rubro-negro após bobeira da defesa vascaína e voltou a colocar a bola para o fundo da rede para praticamente assegurar mais um título para o Mengo.

Pois é, que coisa…

Parece que o Vasco será vice. Novamente…

Internacional 0 x 0 Grêmio.

No Beira-Rio, mais um empate para a conta dos Grenais.

Equilíbrio na primeira partida da decisão e tudo absolutamente em aberto para a finalíssima na Arena do Grêmio.

Cruzeiro 2 x 1 Atlético-MG.

No Mineirão, pela temporada exuberante que o time azul vive, deu a lógica…

Mas, com ajuda da arbitragem, diga-se…

Aos 45 minutos do primeiro tempo, Marquinhos Gabriel recebeu a bola na esquerda, entrou na área e bateu cruzado, sem chances para Victor, pois ainda houve desvio em Léo Silva.

Aos 10 da etapa final, gol de artilheiro. Ricardo Oliveira finalizou após boa jogada de linha de fundo de Chará, mas a alegria atleticana durou pouco, pois o zagueiro Dedé recolocou a Raposa em vantagem no placar.

Porém, na origem do lance, um escanteio, aconteceu o erro capital, pois foi tiro de meta para o Galo.

E ficou assim.

Mas a Massa atleticana sempre acredita, é claro!

E agora?

Já dá para “cravar” os campeões estaduais dos confrontos acima?

OPINE!