Conselheiros protocolam proposta de renúncia de Leco

Leia o post original por Perrone

No último dia 30, foi protocolado na secretaria do Conselho Deliberativo do São Paulo ofício no qual pelo menos 46 conselheiros propõem a renúncia do presidente do clube, Carlos Augusto de Barros e Silva, o Leco.

As comunicações entre conselheiros e à presidência precisam passar pelo conselho. Por isso, o órgão foi o responsável encaminhar o documento ao cartola. A carta reúne assinaturas de integrantes de diferentes grupos oposicionistas e também e de ex-eleitores de Leco.

O documento é datado de 25 de fevereiro, mas só na semana passada foi protocolado por Joaquim José e Lacerda Ribeiro, um dos signatários.

Para pedirem que Leco entregue o cargo, os membros do conselho afirmam que sua gestão no futebol é pífia. Reclamam de gastos no departamento que não seriam compatíveis com os custos e de constantes trocas de treinadores.

O blog não conseguiu falar com Leco até a publicação deste post, nem por meio de sua assessoria de imprensa.

Os conselheiros que assinaram a carta sabem que o presidente não irá atendê-los. Porém, enxergam na manifestação uma forma de protesto e pressão sobre o dirigente.

“O, ao que consta, muito bem remunerado diretor executivo de futebol profissional (Raí), passou a ter dois assistentes com nível salarial, também ao que consta, superior ao de dirigentes de multinacionais. o que gerou justa expectativa de acentuada melhora de desempenho. Ao invés disso, temos assistido mais do mesmo, com trocas contínuas de treinadores e respectivos auxiliares, a venda desenfreada de jovens promessas da base, diga-se, a valores expressivos, investidos, porém, na compra de veteranos descompromissados”, afirma trecho do documento.

Vale lembrar que a carta foi escrita antes de a equipe chegar ao vice-campeonato paulista deste ano.

Também há críticas à multa paga pela rescisão do contrato do técnico Rogério Ceni, à contratação de Maicosuel e à decisão de esperar Cuca se recuperar de problemas de saúde para assumir o comando da equipe.

Por fim, os conselheiros propõem a imediata renúncia do dirigente das presidências da diretoria e do Conselho de Administração do clube, esperando que “o bom senso” do cartola prevaleça sobre “outras razões de foro íntimo.”.