Que jogo! Flamengo 3 x 2 Athletico Paranaense.

Leia o post original por Mauro Beting

Abelão “saía” até Rodrigo Caio mantê-lo. Jogão maluco no Rio. Como anda o nosso futebol.

No duelo rubro-negro no Maracanã, o Athletico mostrou mais uma vez o bom nível de seu elenco bem treinado por Tiago Nunes. Eram apenas três titulares contra o Flamengo no Rio. Mas jogou o primeiro tempo como se estivesse na Baixada. Espetando Cirino nas estocadas no contragolpe, algumas delas começando com o goleiro Santos. Trabalhando bem a bola pelos lados. Aproveitando a marcação mais à frente pra roubar bolas que não entraram porque Diego Alves foi bem.

E a resposta carioca foi igual. Numa dessas, mais uma saída de bola errada criou lance para Gabriel trombar com Santos. Lance discutível de cara. Pelo replay, eu também não marcaria o pênalti que Daniel Bins marcou de primeira e reconfirmou pelo VAR. Muito bem executado por Gabriel.

Abelão voltou a apostar em Diego para articular. Mas ele errou muitas coisas. Gabriel seguiu centralizado. Bruno Henrique jogou na dele, e Everton Ribeiro seguiu bem a partir da direita.

Na segunda etapa, o Furacão voltou em cima, mostrando não ser acaso estar na disputa a vera pela Recopa Sul-Americana contra o River Plate. O Flamengo recuou demais. Ou não conseguiu mesmo jogar pela pressão paranaense.

Aos 18, em lance bem executado, de pé em pé, Tomás pra Bryan para Cirino empatar. Com toda justiça.

Aos 21, Cirino recebeu a bola na área e Bruno Henrique tentou desarmá-lo. Lance ainda mais discutível. Árbitro levou eternidade para marcar pelo VAR o pênalti que eu também daria. Mas não com tanta convicção.

A virada foi justa pelo que o Athletico fez. Com os reservas. E pelo que o Flamengo, mais uma vez, não conseguiu fazer.

Tem como discutir o desempenho do Flamengo. O trabalho de Abelão. A arbitragem. Mas eu não trocaria o comando. Até pelos reforços que estão chegando à Gávea.

O que não se discute é a excelência athleticana. Com ou sem o time principal.

E o que se discute é que o Flamengo ainda assim foi buscar com BH e Rodrigo Caio uma virada da virada para calar as cornetas.

Até a próxima mesa redonda.

Não é mesmo o Flamengo dos sonhos. Mas não para tantos pesadelos. Ou cornetas.