Seleção campeã com Tite!

Leia o post original por Celso Cardoso

Enfim, Tite ganhou seu primeiro título à frente da Seleção Brasileira. O feito é justo, considerando o incrível começo dele no comando de um time que estava fora da zona de classificação para a Copa do Mundo da Rússia. Tite fez muito quando se esperava pouco. Resgatou a autoestima perdida e um certo orgulho da seleção.

Veio a Copa e a eliminação para a Bélgica. Até aí, normal se olharmos para o momento e não para o passado glorioso. Os belgas realmente eram melhores em todos os aspectos. Ainda assim, o Brasil lutou até o final com chances de empatar e mudar a história daquele jogo. Deixou o mundial de cabeça erguida, apesar da tristeza. Sei que muitos vão torcer ao lerem essa frase, porém trata-se de sensatez e distanciamento crítico da paixão.

Já na Copa América, esperava-se mais da seleção. Ganhou, ok! Levantou a taça no Maracanã, então o que poderíamos querer mais? Simples: mais futebol. O Brasil ganhou sim, mas esteve longe de empolgar. Venceu a Bolívia sem brilho, empatou com Venezuela e Paraguai, passou pela Argentina que jogou melhor e com críticas à arbitragem e duas vezes derrotou o Peru que, respeitosamente, cá entre nós, não é lá essa coisas e ainda assim deu sufoco ao anfitrião na decisão no Maracanã.

Não se iludam. A taça vai ficar na CBF, mas as Eliminatórias prometem ser pedreira. E Tite vai ter que se reinventar. O que vimos até aqui é um time normal, sem brilho, sem encanto, sem aquele algo a mais.