Promotora pede para ser excluída de resposta explorada por defesa de Najila

Leia o post original por Perrone

Na última terça (20) uma das promotoras que atuaram no caso relacionado à acusação de estupro contra Neymar pediu para que sua assinatura na resposta do Ministério Público ao advogado de Najila Trindade fosse desconsiderada. No documento o MP se posicionou contra o pedido de Cosme Araújo para o desarquivamento do inquérito, porém, concordou com uma suposta falha no desenrolar da investigação policial.

O representante da modelo aproveitou a resposta para reforçar seus argumentos pelo desarquivamento. A promotora Estefânia Ferrazzini Paulin foi quem pediu para seu nome ser desconsiderado na resposta. Ela alega ter sido designada para acompanhar o caso apenas até a promoção do arquivamento e que a presença de seu nome na citado documento, assinado também pela promotora Flávia Cristina Merlini, foi um equívoco.

Em seu comunicado à juíza responsável pelo caso, Paulin diz que nenhuma manifestação do MP posterior ao arquivamento tem a participação dela. Nesse ponto ela diz se referir principalmente às duas páginas nas quais o Ministério Público responde aos pedidos do advogado de Najila. O órgão se posicionou contra o desarquivamento, mas concordou parcialmente com a argumentação do advogado de Najila.

O MP concordou com a retirada do inquérito de alegações feitas pela defesa de Neymar, dando razão a Araújo. O advogado alegou que nessa fase as manifestações da defesa não poderiam ser aceitas. Em outro ponto, o Ministério Público afirma não se opor a apresentação das imagens registradas por câmeras do hotel em que Neymar se encontrou com a modelo. O advogado de Najila reclama de o inquérito ser concluído sem essas gravações. Ele usa esses dois pontos citados pela promotoria para pressionar pelo desarquivamento do inquérito.

Abaixo, leia nota enviada ao blog pela assessoria de imprensa do Ministério Público sobre o pedido de Paulin para seu nome ser desconsiderado no documento que aborda os pedidos de Araújo.

“A designação da promotora Estefânia Paulin para atuar no caso Neymar cessou com o pedido de arquivamento do caso (a portaria foi publicada no Diário Oficial da última sexta-feira, 16/8). A promotora natural do caso é a doutora Flávia. Como o advogado havia peticionado à Justiça antes da cessação, o nome dela foi incluído. Não há necessidade agora de comunicação à juíza”.