Fala de Andrés contraria expectativa da Caixa por tom amistoso para acordo

Leia o post original por Perrone

Foto: Daniel Augusto Jr./Ag. Corinthians

Andrés Sanchez foi na contramão do clima de conciliação iniciado entre Caixa Econômica e Corinthians ao dizer que haverá um acordo, mas do jeito que o clube quer. A declaração foi dada depois da derrota por 2 a 0 para o Independiente del Valle, na última quarta (18), e é exatamente o que executivos do banco não esperavam ouvir neste momento.

Como mostrou o blog, as duas diretorias mantiveram contato telefônico na tentativa de um acordo amigável sobre a ação de execução proposta pelo banco contra a agremiação. A Caixa alega seis meses de atraso no pagamento de parcelas deste ano referentes ao financiamento de R$ 400 milhões feito por intermédio dela junto ao BNDES para ajudar a arcar com os gastos da construção da arena corintiana. Por conta da inadimplência, o banco executou o contrato cobrando antecipadamente a dívida total de aproximadamente R$ 536 milhões.

A conversa sobre uma eventual renegociação foi em tom amistoso e caminhou para o agendamento de uma reunião na próxima semana entre as duas diretorias. No entanto, a Caixa sinalizou ao Corinthians que esperava uma postura pública de Andrés na mesma linha das conversas internas, sem agressividade, para criar clima propício a um acerto em relação à cobrança judicial.

Conforme apurou o blog, representantes do banco estatal esperavam que o presidente corintiano adotasse a postura de um devedor que quer resolver o problema, não de quem está disposto à briga e em condições de impor regras. A expectativa era de que Andrés chegasse para a reunião de tentativa de acordo entendendo que o clube precisa convencer a Caixa a ceder, logo, o confronto não seria a melhor solução para o Corinthians. O presidente do alvinegro não fala com o blog, por isso foi impossível ouvi-lo sobre o assunto.