Não sei. E quem deveria saber no Corinthians, também não

Leia o post original por Mauro Beting

O melhor treinador para o Corinthians evoluir e/ou mudar de ideia de jogo em 2020 seria Tiago Nunes. Mas talvez o melhor treinador para dirigir a equipe que decepciona, frustra, irrita e entendia em 2019 seja mesmo um dos responsáveis por tudo isso que não está rolando agora: o grande multicampeão de 2017.

Fábio Carille.

O paradoxal da situação é que hoje ele não acerta e equipe que só erra o pé. Não acerta a mão na condução do elenco. Não coloca bem a língua para administrar o vestiário. Não se acerta com o plenipotenciário prócere Andrés. Não acerta o tom com a imprensa. Sobe o tom com todo mundo.

Carille tem sido outro em 2019. Porque ninguém é o mesmo a cada ano. Mas esse Carille com esse Corinthians não se acertam.

Quem sabe em 2020?

O problema é que a cada rodada, a cada péssima atuação e/ou resultado que não chega há 7 jogos, cada vez mais o sonho/necessidade de Libertadores se esvai. Seria péssimo para o clube e para os cofres não chegar onde esse elenco conseguiria se estivesse melhor. Uma equipe que não cria. Um time que também não se defende tão bem. Nada encaixa.

A impressão é que, se possível, o comando até o final fosse dado a outro treinador. E Carille voltaria em janeiro para reformular o elenco. E aprimorar alguns conceitos.

Do jeito que não está, não tá legal para ninguém. O treinador tem milhões de motivos para não sair agora do clube. A direção e o DP tem milhões de motivos para não arcar com mais contas que não fecham, por mais motivos contras que a permanência do treinador coloque.

Acredito no Carille e na recuperação do Corinthians.

A questão é que, agora, não acredito neste Corinthians e neste Carille.

A solução seria mais uma longa DR e quem sabe um entre as partes. Pra depois voltarem a se falar. Um sabático antes de terapia de casal.

O que é sempre mais complicado num bando de loucos.

A entrevista de Carille nesta sexta teve a sinceridade como mote. Ele disse ter “vergonha” pelas atuações recentes. Perfeito. Disse que não falta empenho dos atletas, mas parece que eles não entendem o que precisa ser feito. Correto. Disse mesmo que parece que não é um time que treina, que se juntou na hora no vestiário. É por aí.

Sincero? 110%. Justo? 90%. Bom para administrar o grupo? Nem 40%.

Até porque admitir que o grupo relaxou depois de superar os 41 pontos contra o rebaixamento para o Corinthians que sonha com Libertadores é um pesadelo de afirmação e conduta.