Opinião: como Liverpool e Fla valorizaram o Mundial de Clubes

Leia o post original por Perrone

Abaixo confira como Liverpool e Flamengo deixaram o Mundial de Clubes maior na opinião deste blogueiro.

Direitos humanos

O Liverpool transformou em algo prático e positivo o bordão “não é só futebol”. Isso ao recusar oferta dos organizadores para se hospedar num luxuoso hotel  acusado de não dar condições dignas de trabalho a ao menos parte de seus funcionários. O gesto dos ingleses jogou luz sobre um problema que tendia a ser ignorado.

Interesse europeu

Os “Reds” deram um passo importante para os ingleses e os europeus olharem o Mundial de Clubes com mais atenção.

O time de Klopp ignorou os conselhos de parte da imprensa  inglesa e de sua torcida para ir ao Qatar com reservas priorizando os calendários doméstico e continental.

A vontade de vencer a competição mostrada pelo Liverpool deve abrir uma nova discussão sobre como os europeus devem tratar o Mundial, que ganhará outro formato.

Final globalizada

Liverpool x Flamengo não se tratou de um confronto entre futebol europeu e sul-americano. Com um técnico português e alguns jogadores com anos de janela na Europa, a equipe brasileira levou para campo um jogo com pitada de estilo europeu.

O conhecimento demonstrado pelas duas partes sobre o adversário também deu um tom de globalização à final. Ninguém surpreendeu ninguém.

Equilíbrio

Não foi uma final em que o europeu encara um saco de pancadas de outra parte do planeta.

Isso aconteceu graças ao fato de o Flamengo ter levado para a disputa um time forte, capaz de criar chances para vencer o campeão da Europa. O equilíbrio torna a competição mais interessante.