Voto em drive-thru e urnas pela cidade devem ser vetados no Corinthians

A proposta da Chapa 82-Reconstruir, um dos grupos políticos do Corinthians, para que o clube tenha, na eleição em 28 de novembro, votação por drive-thru e urnas espalhadas pela cidade com o objetivo de combater a transmissão do novo coronavírus não deve vingar. Há o entendimento inicial na comissão eleitoral de que as sugestões esbarram em problemas de segurança e logística.

Um dos principais receios é de que urnas sejam roubadas, especialmente durante o transporte. Outro entrave é a fiscalização dos postos fora do Parque São Jorge. Como são muitos sócios candidatos a assentos no Conselho Deliberativo, além dos postulantes à presidência da agremiação, o número de associados que pode fazer a fiscalização voluntariamente é reduzido. Contratar fiscais para a votação externa geraria custos indesejados. Procurado pelo blog, Romeu Tuma Júnior, presidente da comissão eleitoral, afirmou apenas que responderá à chapa na próxima segunda, sem dizer como será sua resposta.

O grupo sugeriu que o estacionamento da Arena Corinthians seja usado pra votação como “drive-thru” para eleitores que fazem parte do grupo de risco para a Covid-19. Outra proposta é colocar urnas em locais como o Pacaembu, o CT corintiano e a arena. A pulverização dos pontos de votação teria como objetivo diminuir a chance de aglomerações no Parque São Jorge, sede do alvinegro

Outra argumento de quem vê obstáculos para a votação espalhada pela cidade é que parte considerável dos associados mora perto do Parque São Jorge e não estaria disposta a votar num local mais distante. A tendência é de que os eleitores sejam divididos em dois ginásios dentro do Parque São Jorge para diminuir a chance aglomeração.

A Chapa 82-Reconstruir também sugere que o tempo de votação seja ampliado como forma de reduzir a quantidade de gente indo votar simultaneamente. Felipe Ezabella, integrante da diretoria na primeira gestão de Andrés Sanchez, é um dos integrantes do grupo que assinam a carta enviada para Tuma Júnior. Ele apoia Mário Gobbi. Porém, o ex-presidente declara que ainda não definiu se será candidato, apesar de fazer inúmeras reuniões técnicas sobre a situação do Corinthians.