Corinthians prepara balanço do primeiro semestre de 2020 com superávit

Leia o post original por Perrone

Depois de o clube fechar 2019 com déficit de cerca de R$ 177 milhões, a diretoria do Corinthians projeta o balanço do primeiro semestre de 2020 com superávit contábil, conforme apurou o blog. O documento está em fase final de elaboração. Porém, a quantia no azul é mantida em sigilo.

“Só o que posso dizer é que com a receita prevista para 2020 e com as vendas de jogadores que já foram feitas, o Corinthians vai ter um ano tranquilo”, disse ao blog Matias Antonio Romano de Ávila, diretor financeiro do alvinegro.

A declaração contrasta com as dificuldades financeiras enfrentadas pelo clube recentemente para pagar seus compromissos em dia.

Além disso, o Conselho Fiscal do clube recomendou as reprovações do balanço e das contas referentes ao ano passado.

A principal explicação para o superávit contábil previsto para os seis primeiros meses de 2020 é a receita esperada pela antecipação junto a um banco estrangeiro da quantia referente à venda do Pedrinho ao Benfica. Apesar de o dinheiro ainda não ter entrado na conta do Corinthians, ele já vai aparecer na contabilidade fechada em julho. Os cartolas alvinegros afirmam que o procedimento está correto porque o contrato com a previsão de recebimento do montante já está assinado.

Ou seja, ainda pode faltar dinheiro em caixa, apesar do resultado contábil positivo. Isso até o clube receber a quantia. Pedrinho foi vendido por 20 milhões de euros e o Corinthians detinha 70% dos direitos econômicos.

Outro fator apontado internamente para o esperado resultado positivo é o fato de salários de jogadores, comissão técnica e funcionários terem sido reduzidos durante o período de distanciamento social por conta do combate à covid-19. Vale lembrar que devido à pandemia o clube também enfrentou perda de receitas.

Outra justificativa dada nos bastidores para o cenário de superávit contábil é a saída de Vágner Love. O argumento é de que Jô, contratado em seu lugar, tem salário inferior.

Neste momento, o cálculo da diretoria é de que a dívida a curto prazo (que vence em até um ano) do clube é de R$ 239 milhões. Nesta conta, obviamente, não está o débito referente construção da Arena Corinthians.