“Estão com ideia fixa de reprovar as contas” , diz presidente do Santos

Leia o post original por UOL Esporte

Procurado para comentar a decisão do Conselho Fiscal do Santos de manter a recomendação de reprovação das contas do clube referentes a 2019, José Carlos Peres afirmou que a decisão foi tomada “porque estão com a missão de reprovar”.

Em seguida, o presidente santista emendou :”ou melhor, estão com ideia fixa de reprovar”.

A rejeição das contas pode gerar abertura de novo processo de impeachment contra o cartola ou até sua expulsão do quadro associativo.

Na defesa apresentada ao Conselho Fiscal, Peres sustentou que o órgão não pode levar em consideração para pedir a reprovação eventuais problemas que não tenham sido apontados pela auditoria responsável por analisar o balanço.

“Esses argumentos demonstram que após dois anos e seis meses à frente da gestão do clube a administração continua desconhecendo e negligenciando o estatuto social que rege o clube, querendo dar novo entendimento ao disposto no artigo 73 e todos os seus incisos”, escreveram os conselheiros fiscais.

O órgão também cita que o Profut (programa que refinanciou dívidas tributárias das agremiações) respalda sua atuação.

Entre outros problemas apontados, o relatório sustenta que a administração feriu regras do Profut ao não recolher determinados tributos. Aponta que Peres não apresentou justifica para tal fato.

Uma das principais acusações contra Peres é o de uso do cartão corporativo do Santos para fins pessoais.

Em seu parecer, o Conselho Fiscal diz que o dirigente reconheceu o uso irregular do cartão dele crédito.

“O presidente admite o uso ilegítimo do cartão, bem como a negligência com as pendências de ressarcimento dos valores”.

Em 3 de agosto, o Conselho Deliberativo, que já definiu pela reprovação em primeira votação, irá apreciar os contas novamente, agora com a defesa de Peres.

Se a reprovação for confirmada, a Comissão de Inquérito e Sindicância pode pedir abertura de processo de impeachment contra Peres. O afastamento precisaria de aprovação dos sócios.

Porém, pode ser pedida a expulsão do dirigente do quadro associativo. Nesse caso, a decisão é só do Conselho Deliberativo.