Com simplicidade, Corinthians conquista vaga na final do Paulista

Leia o post original por Perrone

Tiago Nunes foi contratado para fazer uma complexa transformação no estilo de jogo do Corinthians, mas foi com simplicidade que ele ajudou a colocar o alvinegro na final do Paulista.

A chance de tentar o tretacampeonato chegou com uma defesa arrumada, que não levou gols em quatro jogos. E fazendo o arroz com feijão no ataque. Os gols vieram com a bola aérea e com a finalização certeira de um volante, Éderson. Ele fez o gol da vitória por 1 a 0 sobre o Mirassol, neste domingo (2), mais uma vez acertando um um belo chute.

O fato de o Mirassol perder Juninho, expulso, foi fundamental, é verdade. Nessa retomada após a parada por conta da pandemia de covid-19, perder  jogador por cartão vermelho é dano praticamente irreversível por causa da falta de preparo físico ideal.

A parada parece ter ajudado o alvinegro a encontrar a simplicidade como opção. São poucos jogos para executar todas as transformações que não foram feitas durante quase toda a primeira fase em busca de um futebol ofensivo.

O Corinthians finalista joga sem sofisticação, mas é bem treinando. Eficiência na bola parada depende de muito treino, assim como organização tática e eficácia defensiva. O bom comportamento defensivo corintiano, no entanto, não pode ser confundido com retranca.

O novo Corinthians não é ofensivo como a maioria esperava, mas tem equilíbrio entre ataque e defesa. Mesmo com seu cardápio pouco variado de jogadas, pode levantar o tetracampeonato.