Pelé: comemoremos hoje o octogésimo Natal do Futebol!

Leia o post original por Milton Neves

O Natal do Futebol no mundo acontece nesta sexta-feira (23)!

E Pelé chega aos 80 anos goleando em imortalidade e fotos até mesmo os presidentes americanos e os papas de plantão na Casa Branca e no Vaticano.

Afinal, quem é que não tem um “retrato” ao lado do Rei?

É que Papa morre ou fica velho e sai.

Presidente americano morre, perde eleição ou cumpre oito anos e sai.

Já Pelé não morre e não sai nunca.

Falar mais do maior jogador de futebol de todos os tempos seria redundância, já que ele é uma referência para qualquer pessoa que se interesse por esporte, independentemente de idade, sexo, time ou nacionalidade.

Pelé é a pessoa melhor dotada por Deus para exercício de uma atividade específica.

Talvez seja o único ser humano a ter atingido a perfeição em sua especialidade.

Sim, pense aí, caro leitor, em qualquer gênio da história, em todos os campos, e eles merecerão notas tipo 9.5, 9.6, 9.7, 9.8, 9.9…

Mas 10.0?

Só Pelé!!!

Mas, ressalvamos aqui que “o futebol é a coisa mais importante dentre as menos importantes”, conforme ensinou o italiano Arrigo Sacchi.

E o Santos inventou Pelé.

Ou foi o Waldemar de Brito?

Ou foi o técnico Lula?

Não, foi Dona Celeste, a mãe da bola.

Se 23 de outubro é o Natal do Futebol a partir de uma manjedoura de Três Corações-MG ou da Vila Belmiro, Dona Celeste é Maria e Dondinho, o José.

Deus casou os dois, contrário ao severo pai de Celeste que ordenou que ela largasse “desse namoradinho, porque jogador de bola boa coisa não dá”, ela me contou, ao vivo, na Rádio Jovem Pan, em 1999, em raríssima entrevista.

Sapeca, desobedeceu ao pai.

Graças a Deus!

Aí, surgiu a bola, nasceu o futebol, criou-se o Santos do mundo, Três Corações virou Belém, Lula, Waldemar de Brito e Athiê Jorge Cury os novos Reis Magos, Dondinho foi José e Dona Celeste, a Santa Maria.

Ah, Dona Celeste, nunca ninguém no mundo jogou tão bem quanto a senhora!

Obrigado.

Celeste Arantes do Nascimento, a mais competente mãe do mundo e já 80 vezes Prêmio Nobel de Criatividade pela mais fantástica invenção da terra: o futebol!

Ou seria Pelébol?

E é claro que você já viu muitas fotos de Pelé. Mas não como essas 200 que selecionei abaixo ou como as MILHARES da seção “Que Fim Levou?” (clique aqui e acesse). 

Que linda imagem do menino Pelé, já defendendo o Santos FC. Foto: Reprodução/UOL

Da esquerda para a direta, em pé: Lula (técnico), Feijó, Dalmo, Zito, Fioti, Urubatão, Manga, Laércio, Hélvio e Getúlio. Agachados: Dorval, Hélio, Álvaro, Afonso, Pagão, Guerra, Pelé, Pepe e Macedo (massagista). Foto enviada por Wesley Miranda

Dirceu Lopes, Pelé e Tostão: nomes históricos do futebol brasileiro

Da esquerda para a direita, Pelé, Didi e Amarildo. Imagem: Placar

Amistoso 1965 – Em 21 de novembro de 1965, a Seleção Brasileira empatou com a URSS por 2 a 2, no estádio do Maracanã no Rio de Janeiro. Gols de Gérson e Pelé e para os soviéticos, Metrevelli e Banichevski. Da esquerda para a direita: o massagista Mário Américo, Djalma Santos, Bellini, Manga, Orlando Peçanha, Dudu e Rildo, todos em pé. Agachados: Jairzinho, Gérson, Flávio Minuano, Pelé, Paraná e Pai Santana. Foto Enviada por Roberto Saponari.

Veja Gylmar dos Santos Neves, o saudoso goleiro, comemorando com Pelé, nos vestiários do Maracanã, após a vitória do Santos sobre o Milan por 1 a 0, conquistando o bicampeonato mundial. Créditos: FIFA

Da esquerda para a direita: Manuel Maria, Luiz Américo e Pelé

Pelé e Lance, em 1974

O Rei Pelé em um momento de descontração no Bauru Country Club, na cidade de Bauru. Foto enviada por Tico Cassola

Pelé no Hotel Normandy de Belo Horizonte, sendo observado por diretores do Santos e por Jofre Borges, o último da esquerda para a direita. Foto enviada por Jofre Borges

Da esquerda para a direita, em pé: Carlos Alberto, Lima, Geraldino, Orlando, Gylmar e Mauro. Agachados: Toninho, Mengálvio, Coutinho, Pelé e Abel. Ao fundo do time santista, vemos o jogador corintiano Flávio Minuano sendo entrevistado por Geraldo Blota. Foto: Revista “Era Pelé”

Da esquerda para a direita: Paulo Henrique, Zito, Brito, Fontana, Gylmar, Alcindo, Amarildo, Lima, Pelé, Fidélis, Jairzinho e Mário Américo. Foto: Revista “Era Pelé”

Pelé deixa o zagueiro para trás e o goleiro no chão, entes de marcar seu gol no Maracanã, onde a Seleção carimbava a classificação para a Copa do Mundo de 70, aplicando uma goleada na Venezuela. Foto: Revista “Era Pelé”

Da esquerda para a direita, Gerson, Pelé e João Saldanha. Foto: Revista “Era Pelé”

Copa de 70: depois de aplicar o “drible da vaca” no goleiro uruguaio Mazurkiewcz, o gol está à mercê do Rei. O chute sai forte e colocado, como sempre, mas a bola passa a milímetros da trave direita e vai para fora. Seria um dos maiores gols da história do futebol. O estádio e o mundo inteiro, através da TV, viveram essa emoção inesquecível e lamentaram tanto quanto Pelé a sorte do Uruguai. Foto: Revista “Era Pelé”

Para a sorte do zagueiro (à esquerda da foto), Pelé (dentro do gol adversário) observa a bola sair pela linha de fundo, Erro era lance raro na carreira do Rei. Foto: Revista “Era Pelé”

O Pelé de 1958, menino-rei de joelhos, agradece a primeira grande conquista de sua vida: a Copa do Mundo da Suécia. Ao seu lado, o inesquecível Garrincha, um dos mestres de luxo de Pelé. Foto: Revista “Era Pelé”

Da esquerda para a direita, Mário Américo massageia Jairzinho (de costas), Pelé abraça o capitão Carlos Alberto Torres, que também foi seu “coadjuvante” no Santos. Um momento de emoção indescritível, quando o Brasil se sagrava tricampeão do mundo no México. Foto: Revista “Era Pelé”

Na rede, Pelé está no lugar certo. Ele é o próprio gol, o caçador que pouquíssimas vezes deixou a caça escapar

Pelé e Tostão, um dos seus ilustres parceiros, se somam na alegria de outro gol do Brasil na Copa de 1970. O gesto foi repetido várias vezes, demolindo as defesas adversárias e encantando o mundo

O encanto e carisma de Pelé eram capazes de fazer coisas que até Deus duvida. Sua presença podia parar totalmente uma cidade, para que todo o povo pudesse ver sua arte. Como em 1970, no México: “Hoje não trabalhamos. Vamos ver Pelé”

No jogo Brasil x Tchecoslováquia, na Copa de 1970, Pelé saltou para tentar cabecear a bola e caiu de cara no chão. Tostão está bem atrás do Rei, ambos no centro da foto e entre eles, um adversário tcheco de cada lado.

O ex-fotógrafo foi o único homem que marcou o “Rei do Futebol” em cima durante toda a sua carreira no futebol e nunca levou um drible

Veja Pelé, quando era “novinho, novinho”, no Santos Futebol Clube

Pelé e Rivellino, juntos durante almoço dos campeões mundiais de futebol em 25 de abril de 2013, no Espaço Unyco, no Estádio do Morumbi. Foto: Marcos Júnior/Portal TT

Pelé, Paulo Sérgio e Cafu Cafu no almoço dos campeões mundiais de futebol em 25 de abril de 2013, no Espaço Unyco, no Estádio do Morumbi. Atrás estão Zito e Pepe. Foto: Marcos Júnior/Portal TT

Pelé causou transtornos na zaga do América de São José do Rio Preto. Acima do goleiro Raul Marcel, o bom zagueiro John Paul observa o camisa dez do Peixe, que é seguido por Adelson. Foto enviada por Flávio Adauto

No gramado do Yokohama International Stadium, Beckenbauer observa Pelé comemorando com Ronaldo a conquista em 2002

Pelé e jovens santistas em 27 de fevereiro de 1996

Em 21 de junho de 1995, Pelé, ao lado de Buião, duante visita a Vespasiano-MG, cidade natal de Buião

Olten Ayres de Abreu cumprimenta Pelé (com seu passaporte na mão esquerda) no Aeroporto de Congonhas antes da viagem do Santos para a Bolívia, pela Libertadores da América. Em La Paz, no Estádio Hernandes Siles Suaso, o Peixe enfrentou muitas dificuldades mas conseguiu vencer por 4 a 3 o Deportivo Municipal. Curiosidade o fato do árbitro ser o brasileiro Olten Ayres de Abreu

Pelé e George Best

Veja Pelé com a camisa do Vasco

O Corinthians enfrentou o Santos na Vila Belmiro em 07 de dezembro de 1958 e perdeu por 6 a 1. Pelé, o maior algoz do Timão, marcou quatro. Os demais gols santistas foram de Pepe e Pagão. Zague fez o tento de honra para o Alvinegro do Parque São Jorge. Valmir estica toda sua perna direita para tentar roubar a bola do Rei. À esquerda, no chão, o goleiro Gylmar. O camisa 3 é Olavo. Foto: arquivo pessoal de Valmir

Em pé, da esquerda para a direita, Lima, Zito, Calvet, Olavo e Laércio. Agachados, da esquerda para a direita, Dorval, Mengálvio, Coutinho, Pelé e Pepe.

Em pé, da esquerda para a direita, Joel Camargo, Zito, Olavo, Geraldino, Mauro Ramos e Laércio. Agachados, da esquerda para a direita, Dorval, Mengálvio, Coutinho, Pelé e Pepe

Em pé, da esquerda para a direita, Getúlio, Feijó, Ramiro, Mourão, Zito e Laércio. Agachados, da esquerda para a direita, Dorval, Jair, Coutinho, Pelé, Pepe e o massagista Macedo

Em pé, da esquerda para a direita, Dalmo, Zito, Urubatão, Formiga, Getúlio e Laércio. Agachados, da esquerda para a direita, Dorval, Jair, Coutinho, Pelé e Pepe

Linda imagem de Lima, o curinga mais famoso do Brasil, com Pelé, após mais uma partida do Santos nos anos 60. Reparem na sujeira dos uniformes e também que o Rei gostava de chupar laranjas depois dos jogos

Em pé, da esquerda para a direita: Chico Formiga, Dalmo Gaspar, Zito, Mauro Ramos, Getúlio e Laércio. Agachados: Sormani, Mengálvio, Ney Blanco, Pelé e Pepe

Em 1992, na Vila Belmiro: Lenice Neves, esposa do jornalista Milton Neves, junto a estátua do Rei

Em 2002, em hotel da Barra da Tijuca, no Rio de Janeiro, Pelé fez lançamento de acordo publicitário e imobiliário com o príncipe saudita, à esquerda na foto. Pedro Bial cobriu pela Rede Globo e Milton Neves, pela Rede Record

No plano principal, aparece a camisa mais famosa da história do futebol, que dispensa identificação. O goleiro italiano é Albertosi e os camisas 10 da Itália e 7 do Brasil são Facchetti e Jairzinho, respectivamente

Na imagem, Pelé troca sua camisa com Stevie Chalmers

Pelé seguido por um batalhão de fotógrafos

Na imagem, Pelé aparece cumprimentando Omar Sívori

Muhammad Ali e Pelé, em 1977

Da esquerda para a direita: João Havelange, rainha Elizabeth, príncipe Philip, Pelé e Gérson

Na concentração da seleção, o Rei gostava de escutar algumas boas músicas

Da esquerda para a direita: Chinaglia, Pelé e Beckenbauer

Comemorando o histórico gol na final da Copa de 1970

Veja a elegância de Edson Arantes do Nascimento

Edson Arantes do Nascimento, o empresário

Para quem virou o mundo tantas vezes de cabeça para baixo, veja Pelé de ponta cabeça treinando

Após vexaminosa campanha na Copa da Inglaterra, mãe leva criança para receber um beijo do Rei, antes dele voltar ao Brasil

O mundo é grato por Pelé ter existido. O 10, não era só número de sua camisa, mas a qualidade de seu futebol

Edson Arantes do Nascimento, o empresário

Em 1962, no Chile, Pelé é cercado por crianças

Pelé jogou na estreia da Seleção Brasileira contra o México no mundial do Chile e marcou um gol, na vitória por 2 a 0

A camisa branca do Santos a mais linda do mundo, com o Rei, em 1963

Desde que chegou a Santos em 1956, Pelé corta o cabelo com Didi, seu barbeiro

Cartão de identidade nº. 66, do atleta Edson Arantes do Nascimento, inscrito pelo time do Radium, no campeonato municipal de Bauru, ano de 1956

Antes do jogo contra a Escócia, pela Copa de 1966, Pelé cumprimenta um fã

Pelé e Bobby Moore se cumprimentam, após a vitória brasileira sobre a Inglaterra

No centro da imagem, está o ainda garoto Pelé, tendo Nilton Santos (de boné) e Gylmar ao seu lado. Atrás do Rei (apoiando a cabeça com a mão), está Pepe, tendo Garrincha aparecendo atrás. Mais para a esquerda, de touca, aparece o preparador físico Paulo Amaral

Veja Pelé após a derrota contra Portugal, ainda na fase de grupos da Copa da Inglaterra, por 3 a 1. O Rei foi cassado em campo

Veja a fisionamia do Rei momentos antes da final da Copa do Mundo de 1970 diante da Itália

Pelé sempre gostou de brincar no gol. Imagem de 1977

Com a camisa do Cosmos, em 1975, time dos Estados Unidos da América

Pelé e a sua tradicional comemoração na Vila Belmiro em 1968

O preparo físico era totalmente diferente em 1965

Em 1964, o Rei do Futebol no estádio San Siro em Milão

O uniforme na década de 60 era o mesmo que o trabalhador comum utilizava em suas peladas no final de semana. A imagem é de 1961.

Garotos italianos pedem para o fotógrafo eternizar o momento ao lado de Pelé, em 1963, no San Siro, em Milão

Veja a humildade do Rei: em 1962, nos gramados do Chile, Pelé faz “embaixadinhas” em um campo esburacado, descalço, às vésperas do mundial da Fifa

Em 1961, no vestiário do Pacaembu. Repare que os jogadores não tinham armários e penduravam suas roupas

Um das raras fotos de Pelé dormindo. Também, quem tira fotos de alguém dormindo?

Pelé foi a alegria das crianças suecas em 1958

Pelé também foi militar. Veja o Rei de futebol com farda aos 19 anos

Atuando pela Seleção Paulista no Maracanã

O Rei do futebol aos 17 anos

Nesta imagem, Pelé aparece com os jogadores do Arsenal

Em pé, da esquerda para a direita: Carlos Alberto Torres, Brito, Piazza, Félix, Clodoaldo, Everaldo e Admildo Chirol. Agachados: Jairzinho, Rivellino, Tostão, Pelé e Paulo César Caju

Em 1981, Pelé apresentou seu jogo para o Atari

O Rei do Futebol conquistou a população do México durante a Copa de 1970

Nos braços do povo mexicano

Pelé, carregado após a vitória brasileira sobre a Itália na decisão da Copa, vai ao encontro do amigo Rivellino

Nilton Santos e Pelé se abraçam após a partida decisiva da Copa de 1958

Ao lado de Pelé aparecem Beckenbauer, Carlos Alberto Torres e Muhammad Ali

O que mais encantou o mundo: as pinceladas de Andy Warhol ou as jogadas de Pelé?

Esta bonita foto de Pelé é de 1958

Algum número define melhor Pelé?

Com Sylvester Stallone, Pelé participou do filme Fuga para a Vitória, em 1981

Na imagem, Pelé aparece discutindo com os atletas italianos

Tostão e Jairzinho correm para cumprimentar o Rei

Pelé é carregado após conquistar sua terceira Copa do Mundo, em 1970, no México

Na imagem, Pelé e Vavá conversam durante o café da manhã da seleção

Pelé e Mazzola (dir.), na Suécia

Da esquerda para a direita: Didi, Pelé, Gylmar e Orlando

Pelé acena para os fotógrafos

Em 1963, o Rei Pelé treinou na Seleção Brasileira como goleiro

Veja uma senhora muito humilde recebendo toda a atenção do Rei do Futebol em 1958

Em 1978, um encontro maravilhoso, A “Voz” Frank Sinatra e o Rei do Futebol, Edson Arantes do Nascimento

Pelé fazendo merchandising do Vídeo Game Atari. Repare na câmera fotográfica do Rei

Garrincha e Pelé nunca perderam uma partida na Seleção Brasileira quando atuaram juntos

Foto emblemática do milésimo gol do Rei, no estádio do Maracanã, contra o Vasco, em 19 de novembro de 1969

Da esquerda para a direita, em pé: Moysés Cocito é o último. Agachado: Pelé é o segundo. Foto: Divulgação/Batatais Futebol Clube

Com o semblante de dor, o Rei sendo carregado por Mário Américo (à esquerda) e Paulo Machado de Carvalho, rumo ao hospital, em 1962. Atrás de Mário Américo, olhando para o lado, João Mendonça Falcão

Em 1962, Mário Américo, massagista da Seleção Brasileira, carrega Pelé enquanto Paulo Machado de Carvalho abre passagem e protege o Rei. À direita, o então presidente da Federação Paulista de Futebol, João Mendonça Falcão. Foto: Divulgação

Da esquerda para a direita: Brito (que só aparece com metade do corpo na imagem), Everaldo, Rivellino, Pelé e Félix. Foto: Reprodução/In My Ear

Pelé, de camisa clara, e Félix posam para o fotógrafo que também foi registrado

Da esquerda para a direita, Nílson César, Milton Neves, Pelé e José Silvério

Em 14 de agosto de 2012, alguns jogadores que conquistaram a Copa do Mundo 1958, a primeira do Brasil, foram homenageados pela Associação Sueca de Futebol. Da esquerda para a direita: Zito, Pelé, Pepe (ao fundo) e Mazzola. À direita, aparecem também os jornalistas Telmo Zanini e Marcos Uchôa. Divulgação/CBF

Reparem a altura que Pelé pulava. Na realidade, ele voava!

Pelé assinando seu primeiro contrato profissional com o Santos Futebol Clube. Os três primeiros, da esquerda para a direita: Giusfredo Santini (fundador do Grupo “A Tribuna”), Augusto Saraiva (ex-conselheiro do Santos) e Athiê Jorge Cury (ex-presidente do Santos). Foto enviada por Carlos Argenti Pereira

Éder Jofre, Pelé e Aristides Jofre, técnico e pai de Éder, no estádio do Morumbi

Em 1961, em reportagem da Revista “O Cruzeiro”. Sentados, da esquerda para a direita: Bruno Hermanny (campeão mundial de caça-submarina), Éder Jofre (na época campeão mundial de peso-galo), Maria Esther Bueno (já havia conquistado Wimblemdon e US Open, entre outros torneios de tênis) e Pelé (campeão mundial de 1958, pela Seleção Brasileira) e em pé, magro do lado direito, o ex-presidente do Santos, Athiê Jorge Cury

Na Revista “O Cruzeiro”, edição de 14 de janeiro de 1961, Maria Esther Bueno, então com 21 anos está ao lado de Pelé, Éder Jofre e Bruno Hermanny (campeão mundial de caça-submarina)

Da esquerda para a direita, em pé: Zé Maria, Felix, Brito, Piazza, Clodoaldo e Everaldo. Agachados: Mário Américo, Zequinha, Gérson, Tostão, Pelé, Rivellino e Nocaute Jack

Última vez que Pelé vestiu a camisa da Seleção Brasileira no Morumbi, em São Paulo. O maior jogador de todos os tempos rodeado de jornalistas e policiais militares acenando para o público paulista

Entrevistar Pelé é um marco na carreira de qualquer jornalista

Milton Neves, no início dos anos 90, entrevistando Pelé

Veja Milton Neves “dando conselhos” para Pelé

Na única vitória da Seleção Brasileira no mundial de 1966, uma foto linda maravilhosa com a velha e a geração que se consagraria em 1970. Na imagem da esquerda para a direita, apenas com as pernas aparecendo é o fantástico Djalma Santos, seguido pelo excelente volante do Flu, Denilson, o veterano Garrincha, o mais alto é o eterno capitão Bellini, Pelé, o camisa número 14, Lima, abraçado por Jairzinho (encoberto) e Paulo Henrique, o camisa oito

Da esquerda para a direita, em pé: Vicente Feola, Djalma Santos, Zito, Bellini, Nilton Santos, Orlando Peçanha e Gylmar dos Santos Neves. Agachados: Garrincha, Didi, Pelé, Vavá, Zagallo e Paulo Amaral

Da esquerda para a direita, Didi, Pelé, Gylmar dos Santos Neves e Orlando Peçanha

Da esquerda para a direita, Didi é o segundo, Garrincha e Pelé

Da esquerda para a direita, em pé: Garrincha (aparecendo parcialmente na foto), Didi, Zito e Altair. Agachados: Pelé e Vavá

Na escada do avião da esquerda para a direita e de cima para baixo: Didi, Vavá e Nilton Santos. Bellini e Djalma Santos. Gylmar dos Santos Neves e Pelé. Garrincha, pessoa não identificado, Orlando Peçanha, Zagallo à frente e Pedro Luiz Paoliello (fora da escada). No canto esquerdo da foto, Moacir

Da esquerda para a direita, Garrincha, Didi, Pelé, Vavá e Zagallo.No fundo à direita, Mauro Ramos de Oliveira

Da esquerda para a direita, Pelé, Garrincha, Zagallo, Dorval, Paulinho Valentim e Didi

Garrincha ajuda Pelé que está caído no chão devido a câimbras e, enquanto isso, zagueiro sueco observa o atendimento do rival brasileiro

Da esquerda para a direita, Garrincha, Djalma Santos (ao fundo), Zagallo (sendo levantado por Garrincha e Pelé) e Pelé

Pelé abraça o amigo Garrincha, antes do pontapé inicial

Veja que foto fantástica em um clássico Santos x Botafogo, provavelmente fim da década de 50 e início de 60, dois gênios do futebol: Pelé e Garrincha, respectivamente defendendo Santos e Botafogo e veja, os grandes repórteres, à esquerda Tom Barbosa da Rádio Record e Luis Aguiar, da Rádio Bandeirantes. Notem seus equipamentos radiofônicos, que diferença dos celulares de hoje, tão frequente nas transmissões esportivas

Ladeado por Walter Lacerda e por Peirão de Castro, Pelé apresentou para o mundo o seu maior e melhor marcador. Ele está bem atrás do Rei. Por esse, nem Pelé passava!

O gol 1040 de Pelé, em 1970, virou até placa de automóvel: Milton Camargo e Athiê Jorge Cury comandaram a “cerimônia”

Da esquerda para a direita, Djalma Santos, Zito e Pelé

Da esquerda para a direita, Djalma Santos, Zito, Vicente Feola, Pelé e Aymoré Moreira

Da esquerda para a direita, Djalma Santos, Didi (ao fundo), Pelé (aos 17 anos de idade), Gylmar dos Santos Neves e Orlando Peçanha

Aqui o Rei veste a bela camisa listrada do Santos

Em 1976, ambos com a camisa dos Estados Unidos, posaram Pelé e Bobby Moore

O Rei Pelé segura imponente uma arma e ainda faz cara de bravo

Os radialistas Francisco Antônio Risola, Orlando Gaiga e Lázaro Walter Alvise (Lolo), entrevistam Edson Arantes do Nascimento (Pelé), na concentração do Santos Futebol Clube, no Hotel Floresta. Foto enviada por Juliana Franceschi

Santistas passeando em uma das inúmeras viagens que a equipe da Vila Belmiro fez pelo mundo. Da esquerda para a direita: Haroldo, o “Sombra”, já falecido, cujo filho reside em Houston (Texas), Pelé e o curinga Lima

O grande árbitro Armando Marques aparece nesta imagem discutindo com Pelé

Pelé, saudado pelos jogadores da União Soviética após amistoso da Seleção Brasileira em Moscou, em 1965, Pelé marcou dois gols e Flávio Minuano um, na vitória por 3 a 0

Equipe brasileira que começou o jogo amistoso contra a União Soviética em partida disputada no Estádio Luzhniki, em Moscou. Vitória do Brasil por 3 a 0, com dois gols de Pelé e um de Flávio Minuano. Em pé, da esquerda para a direita: Djalma Santos, Bellini, Manga, Orlando Peçanha, Dudu e Rildo. Agachados: Mário Américo, Jairzinho, Gérson, Flávio Minuano, Pelé e Paraná

Nelson Elias pediu a um amigo que o fotografasse ao lado de Pelé, no Parque Antártica, que lhe deu um autógrafo

De um lado e defendendo o Santos, o Rei Pelé. Do outro, com a camisa do Palmeiras, Julinho Botelho. Foto: Revista do Esporte

Da esquerda para a direita, aparecem Ditão, jogador não identificado, Pelé, Hermínio, o goleiro Carlos Alberto, jogador não identificado, Pepe (ao fundo) e Coutinho. Nesse dia, Pelé marcou 3 gols. Foto enviada por Walter Roberto Peres

O carinho recíproco entre Pelé e Milton, em 10 de novembro de 2011, data que marcou o quinto aniversário do Instituto de Pesquisa Pelé Pequeno Príncipe. Foto: Marcos Júnior/Portal TT

Da esquerda para a direita, em pé: Zito, Ismael, Dalmo, Calvet, Gylmar e Mauro. Agachados: Bé, Lima, Coutinho, Pelé e Pepe. Foto envida por Walter Roberto Peres

Pelé abraça Pepe depois do treino

Pelé treinando como goleiro em 1962. Foto enviada por Walter Roberto Peres

Pelé, em imagem de 1957, em Santos, volta aos seus tempos de engraxate em Bauru, onde foi criado. A brincadeira do então Principe Pelé alegrou, além do garoto à direita, seus companheiros de time: lateral Cássio, massagista Beraldo, Del Vecchio, Dorval, Pagão e Afonsinho. E que tal os carrões da época? Não há crédito para o autor da foto por desconhecimento do nome do fotógrafo. A mesma nos foi enviada pelo internauta Reinaldo Ardito, de Santos-SP

Em pé, da esquerda para a direita: Djalma Santos, Zito, Altair, Cláudio Danni, Gylmar e Mauro. Agachados: Dorval, Mengálvio, Amarildo, Pelé e Pepe. Foto enviada pelo internauta Walter Roberto Peres

Em pé, da esquerda para a direita: Cláudio, Léo Oliveira, Carlos Alberto Torres, Marinho Peres, Hermes e jogador não identificado (alguém nos ajuda?). Agachados: o massagista Beraldo, Jair da Costa, Brecha, Alcindo, Pelé e Edu. Foto: Arquivo pessoal de Beraldo Linhares

O massagista Beraldo Linhares aparece nesta foto tratando as pernas mais famosas da história do futebol. Foto: Arquivo Pessoal de Beraldo Linhares

Na imagem, o massagista Beraldo Linhares aparece atrás de Pelé

Pelé abraça garoto e o amigo bugrino Eraldo. Foto enviada por Norimiti Higa

Uma das raras vezes que Pelé foi visto com a camisa de goleiro do Santos, uma relíquia

Foto da despedida de Pelé, no dia 02 de outubro de 1974, na Vila Belmiro, na vitória do Santos por 2 a 0 sobre a Ponte Preta

Vejam só a notícia que a Revista do Esporte deu em primeira mão. A publicação revelou a identidade da, até então, noiva de Pelé, Rosemarie Cholbi. O Rei do Futebol se casou com a professora em 1966. Imagem: Reprodução/Revista do Esporte

O Rei do Futebol e o Príncipe Philip se encontraram no Maracanã. O primeiro rosto à esquerda é de Mengálvio, seguido por Silvio Luiz e Benê Braga. Reali Jr. aparece com o rosto entre os microfones, lá atrás, e está em frente ao grande Aluani Neto. Pepe está entre Pelé e o marido da Rainha Elisabeth e a testa que aparece logo atrás do ponta-esquerda é de Calvet

O Rei virou até astro de cinema. Aqui, ele acerta um dos “bandidos” do filme “Os Trombadinhas”

O então Príncipe e Benedito Ruy Barbosa no início da tarde de autógrafos quando do lançamento da primeira obra literária a destacar o mito Pelé

Pepe Gordo (o primeiro administrador das aplicações financeiras do Rei – primeiro e péssimo, registra a imprensa da época), o diretor da editora, jornalista Emílio Collela e Benedito Ruy Barbosa acompanham Pelé quando da assinatura do contrato para a publicação do livro “Eu Sou Pelé”

Friedenreich conversando com Pelé tendo Leônidas da Silva logo atrás. Vocês sabiam que essa foi a única vez que os três gênios estiveram lado a lado? Aconteceu em janeiro de 1959, quando o então jornalista esportivo Benedito Ruy Barbosa lançou o livro “Eu sou Pelé”. Foi o primeiro livro a homenagear o “Príncipe” Pelé que, à época, não era ainda Rei. Tanto que, meses antes, Didi fora escolhido como o melhor do mundo, na Copa da Suécia

Um encontro de craques históricos. Da esquerda para a direita: Leônidas da Silva, o Diamante Negro do futebol, que eternizou o gol de bicicleta e até virou nome de chocolate, o inesquecível Artur Friedenreich e Pelé, o Rei do Futebol

Veja se os dois não são parecidos: Pelé e Luis Carlos Feijão. A foto foi tirado em 1962, antes das filmagens de “Isto é Pelé”, película em que Feijão faz o papel do Rei do Futebol na juventude

Gravação do programa “Todas as Copas do Mundo”, em um dos estúdios da TV Cultura de São Paulo, um pouco antes do início da Copa da Alemanha, em 1974. Em pé, da esquerda para a direita: José Carlos Fantini Carbone, Carlos Eduardo Leite (o Dudu), Carlos alberto Torres, José Carlos Cicarelli e Luiz Noriega. Sentados: Orlando Duarte e o Rei Pelé. Foto: arquivo pessoal de José Carlos Cicarelli

Pelé e Roberto Carlos fazendo dupla no violão nos anos 70. À época, a moda eram as calças “boca de sino”, no caso, a de Pelé, era maior. O Rei do Futebol também usava uma camisa cacharrel, daquelas que “pinicavam” uma barbaridade… E Roberto Carlos usando sua cor predileta, o azul. Foto enviada por Wilson Chumbo

No filme, “A Marcha”, rodado na cidade de Bragança Paulista, Pelé é um ex-escravo

Quase sem roupa, todo ensaboado, o Rei cumprimenta o senador amerciando Bob Kennedy, irmão de John Kennedy. Bob morreu no dia 6 de junho de 1968, assassinado por um terrorista

À direita está a taça de Campeão Mundial de Clubes e à equerda uma das cinco Taças Brasil que Pelé conquistou com a camisa do Peixe

Semiramis, de chapéu e sobretudo ao lado do Rei, em uma imagem histórica, no Morumbi. Foto: arquivo pessoal de Semiramis Teixeira

Pelé sendo puxado pelo braço para fazer o aquecimento, enquanto o repórter da Rádio Tupi Marco Antonio olha para a câmera. Atrás do Rei, à esquerda na imagem está Badeco, da Portuguesa. Foto: arquivo pessoal de Benedito Marcantonio

Marco Antonio e seu pesadíssimo microfone entrevistando Pelé, em dia de Pacaembu lotado para um Santos e Portuguesa. Atras do Rei, de óculos escuros, está Reginaldo Fernandes, da Rádio e TV Gazeta. Foto: arquivo pessoal de Benedito Marcantonio

Em 1961, em reportagem da Revista “O Cruzeiro”. Sentados, da esquerda para a direita: Bruno Hermanny (campeão mundial de caça-submarina), Éder Jofre (na época campeão mundial de peso-galo), Maria Esther Bueno (já havia conquistado Wimblemdon e US Open, entre outros torneios de tênis) e Pelé (campeão mundial de 1958, pela Seleção Brasileira) e em pé, magro do lado direito, o ex-presidente do Santos, Athiê Jorge Cury

Em Brasília, em 1996, Pelé conversa o ex-flamenguista Onça, bom zagueiro do Mengão no final dos anos 60

Da esquerda para a direita, em 1967: o cinegrafista Vadico, Marinho Peres, Pelé, Chico de Assis e Feitiço (filho de Feitiço Júnior)

1960: Zé Italiano (o segundo, ainda “cabeludo”) e um Pelé novinho, novinho

Pelé e Peirão de Castro: sempre juntos, na Vila e na TV

Veja a única vez em que Pelé usou bigode na vida. Foi em Santiago, em 1965, quando o Rei se viu ameaçado de sequestro por parte de revolucionários chilenos, que teriam tentado capturar Brigite Bardot, célebre atriz francesa também em visita à capital chilena. Peixinho está à direita de Pelé. Ismael, à esquerda do Rei

Milton Neves conversou com o Rei por muitas horas. E prestou atenção em cada palavra de Pelé. Crédito das fotos: Netto Neves

Da esquerda para à direita: José Álvaro Carneiro, presidente do Hospital Pequeno Príncipe, Milton Neves, Pelé e um jonalista do jornal “A Gazeta do Povo”. Crédito das fotos: Netto Neves

Da esquerda para a direita: Samir Abdul Hak (ex-presidente do Santos), Dr. Edmond Atik (ex-presidente do Conselho Deliberativo do Santos), Lalá (ex-goleiro do Santos FC), Beto Mansur (ex-prefeito de Santos), o Rei Pelé, o então prefeito de Cubatão, Araras e Ernesto Vieira (também ex-presidente do Santos FC).

Aqui, em foto melhor enquadrada, aquele grande ataque na Copa do México, em 1986. Da esquerda para a direita você confere os jornalistas e comentaristas Puskas, Eusébio, Juarez Soares, professor Júlio Mazzei, Piantoni (ex-jogador francês que atuou na Copa de 58) e um certo Pelé

Pelé e Wilson Simonal com as roupas trocadas, em 1970 na Copa do México. Foto: Divulgação

Maria Esther Bueno e Pelé, em 1971. Repare que o Rei está com uma luva de boxe, emprestada por Éder Jofre. Foto: Revista “O Cruzeiro”, de 14 de janeiro de 1961

O querido Dudu Braga, filho de Roberto Carlos exibe sua camisa do Corinthians, ao lado de Pelé (é claro, o representante do Santos) e Roberto Carlos (palmeirense em São Paulo e vascaíno no Rio de Janeiro). Quem mandou a foto foi o próprio Dudu Braga. Leiam o seu e-mail: OLÁ MILTON!!! ESTA FOTO FOI TIRADA NA ÚLTIMA QUARTA FEIRA NO SHOW PAIZAO NO IBIRAPUERA, DEPOIS DO SANTOS TER LEVADO UM SARRAFO DO CORINTHIANS. E VC PODE PERCEBER QUE O ÚNICO INTELIGENTE DA FOTO SOU EU!! (POR SER CORINTIANO). FOI UMA GRANDE EMOÇÃO PARA O PAIZAO, E TODOS TODOS QUE ESTAVAM LA. DURANTE O SHOW MEU PAI FEZ UMA REVERENCIA AO REI E COMO TEM Q SER ELE FOI APLAUDIDO DE PE POR TODO O GINASIO. É CLARO QUE EU NÃO PODERIA DEIXAR DE TIRAR UM BARATO, PELO RESULTADO NEGATIVO DO SANTOS, E ELE LEVOU NA ESPORTIVA. E OLHA QUE COINCIDENCIA O NETO TINHA ME MANDADO ESSA CAMISETA DO CORINTHIANS NESSE DIA. MILTÃO UM ABRAÇO PRA VC ESTOU SEMPRE NA SUA ESCUTA. DUDU BRAGA Obrigado Dudu! Você é uma simpatia!

Em mais uma foto-relíquia do livro “Eu sou Pelé”, o ex-presidente JK recepciona o camisa 10 da seleção brasileira

Nova imagem de Émerson Fittipaldi e Pelé em 1972. Vemos na foto a Lotus preta e dourada com a qual Émerson ganhou seu primeiro título na F1. Infelizmente, a querida escuderia inglesa não resistiu às dívidas e saiu de cena da categoria mais importante do automobilismo mundial. Antes, porém, foi a equipe que permitiu Ayrton Senna vencer sua primeira corrida de Fórmula 1, em Portugal no ano de 1985.Foto enviada ao site por Walter Peres

Em pé: Cantarelli, Rondinelli, Toninho Baiano, Andrade, Manguito e Junior. Agachados: Tita, Zico, Pelé, Júlio César Uri Geller e Paulo César Carpegiani

No melhor estilo capacete, Júnior tirou foto com Pelé no vestiário do Maraca no dia em que o rei vestiu a camisa do Mengão, em 1979

Aqui, Pelé ao lado de Tita (à esquerda) e Nelson (à direita)

Pelé contra a Tchecoslováquia, na primeira fase do Mundial no Chile. O placar foi 0 a 0. Foto: Vargas (fotógrafo chileno)

O Rei do Futebol ao lado do lendário goleiro soviético, no Maracanã. Foto da Revista Manchete de Julho de 1971

Foto histórica do Atleta do Século com o português Eusébio, o Pantera Negra

Foto de Mário Jorge Lobo Zagallo ao lado de Pelé, no tempo em que defendiam a Seleção dentro dos gramados. Foto da Revista Manchete de julho de 1971

Mané Garrincha e o Rei do Futebol. Juntos, eles fizeram a alegria da torcida brasileira durante muitos anos. Foto da Revista Manchete de Julho de 1971