Arquivo da categoria: André Cury

Em notificação agente cobra R$ 2,6 milhões de Pato por ida ao São Paulo

Leia o post original por Perrone

Ao mesmo tempo em que é criticado por seu desempenho no São Paulo, Alexandre Pato sofre cobrança de aproximadamente R$ 2,6 milhões do empresário André Cury e de R$ 150 mil do advogado Breno Tannuri. Ambos trabalharam para viabilizar a transferência do jogador do Tianjin Tianhai para o clube do Morumbi em março deste ano. O atleta contesta a cobrança.

O desentendimento entre as partes se arrasta desde o primeiro semestre do ano. No dia 22 de maio, Cury, como representante de sua empresa, a Link Assessoria Esportiva e Propaganda, enviou notificação extrajudicial ao atacante. Nela o agente, que entre outras operações cuidou da ida de Neymar ao Barcelona, clube que representa no Brasil, cobra R$ 2.614.685,72. A quantia se refere à comissão que alega ter direito de receber por trabalhar na volta do jogador ao Morumbi. No mesmo documento, o empresário cobra o pagamento de R$ 150 mil ao escritório Tannuri Ribeiro Advogados. Em 18 de novembro, Pato, com o advogado Geronimo Antonio Defaveri, enviou contranotificação ao empresário negando dever os valores cobrados.

Na cobrança, conforme apurou o blog, Cury diz que Pato assinou com sua empresa em janeiro contrato de representação registrado na CBF. Ele escreve no documento que a notificação visa esclarecer o valor devido pelo jogador para a Link a título de pagamento de comissão por serviços de assessoria e representação prestados pela empresa.

Também está escrito que cláusulas contratuais determinam que o jogador pague 10% do valor bruto que receber de seus contratos profissionais para a empresa de Cury. Em seguida, a notificação aponta que o atacante firmou em abril contratos de trabalho, direitos de imagem e cessão de direitos econômicos com o São Paulo e que irá receber durante o período de vigência deles, em valores brutos, R$ 48.273.952,61. Assim, a Link teria direito a 10% desse valor (R$ 4.827.395,26).  O empresário também alega na notificação que sua empresa teve despesas com passagens aéreas internacionais e estadia para viabilizar a liberação por parte do clube chinês no valor de R$ 187.290,46.

Com mais R$ 150 mil referentes aos honorários do advogado, o agente chega à quantia de R$ 5.164.685,72. Porém, o São Paulo também assinou contrato com a Link pela intermediação e se comprometeu a pagar R$ 2.4000.000 em 30 parcelas mensais, de acordo com a notificação. A quantia sob responsabilidade do clube foi abatida do valor total. Assim, a Link chegou à cobrança de R$ 2.614.685,72 e pede no documento para que Pato faça o pagamento em 30 prestações de R$ 87.156,19 a partir de 10 de junho deste ano. Também é cobrado o pagamento de 30 parcelas de R$ 5 mil para o escritório de advocacia.

A resposta de Pato

Na contranotificação enviada para a Link, o atacante confirma ter assinado contrato que previa pagamento de 10% de seus rendimentos profissionais brutos para a empresa. Porém, sustenta que o valor de R$ 48,2 milhões usado como referência para a cobrança não foi recebido por ele. Isso, segundo o documento, porque Pato atualmente ganha R$ 157 mil mensais.

O atleta sustenta também que Cury recebe do São Paulo atualmente R$ 17.280 mensalmente e que esse montante supera 10% do montante embolsado pelo atleta a cada 30 dias nesta fase do contrato. Para o empresário, são acertos diferentes que não se misturam.

Ainda conforme o documento, o jogador argumenta que receberá do clube pelo contrato inteiro R$ 16.720.000 referentes a salários e R$ 9.510.000 a título de direito de imagem. Ou seja, são 26.230.000 a serem pagos pelo São Paulo ao jogador entre abril de 2019 e dezembro de 2022. A quantia mensal aumenta conforme o tempo de contrato. A contranotificação também sustenta que os 10% relativos à intermediação só são devidos após o efetivo recebimento por parte do atleta.

Em suas contas, Pato não coloca R$ 10.750.00o que ele tem a receber do São Paulo por seus direitos econômicos. O atacante não considera esse valor como benefício financeiro porque sustenta ter desembolsado a mesma quantia para obter sua liberação do time chinês e que será apenas ressarcido pelo clube brasileiro. Na ocasião, os chineses exigiram que o jogador devolvesse valores já recebidos. Dessa forma, o atleta argumenta que a empresa de Cury não tem direito a 10% dessa fatia, o que o agente deixou claro discordar em sua notificação.

Em relação aos honorários advocatícios e as demais despesas alegadas pelo empresário, Pato afirma no documento que esses gastos são de responsabilidade do Cury. Alega ainda que o contrato entre as partes não prevê que o jogador tenha que bancar custos do agente para realizar seu trabalho.

O blog apurou que o advogado Tannuri recebeu procuração assinada pelo atacante para negociar sua rescisão com os chineses e cuidar do contrato com o São Paulo. Ele participou ativamente das duas operações.

Para encerrar a carta enviada como resposta a Cury, os jogador e seu advogado pedem que a Link preste conta dos atos praticados referentes à promoção da carreira do atleta desde o início do contrato.

Procurado pelo blog, Geraldo Rodrigues, pai do atacante são-paulino, disse que só o advogado que cuida do caso poderia falar sobre o assunto. Foi deixado recado com a secretária do escritório de Defaveri, defensor do jogador, mas ele não falou com este blogueiro até as 23h58 desta quinta (28). O blog não conseguiu entrevistar Cury. Diante do impasse entre os envolvidos até aqui, a tendência é de que a cobrança seja feita na Justiça.

Por que São Paulo ainda tem quantias a receber e pagar por PH Ganso

Leia o post original por Perrone

Foto: Thiago Ribeiro/AGIF

O São Paulo vendeu Paulo Henrique Ganso em julho de 2016 para o Sevilla, mas ainda tem dinheiro a receber e conta a pagar referente à transação.

De acordo com o balanço relativo a 2018, o tricolor paulista tinha em dezembro do ano passado R$ 2.219.000 a pagar para a DIS, empresa que possuía participação nos direitos econômicos do meia, hoje no Fluminense.

Também estão registrados R$ 3.328.000 que precisavam ser pagos à empresa Link Assessoria Esportiva, do agente André Cury, responsável pela intermediação da venda.

Segundo Elias Barquete Albarello, diretor executivo financeiro do São Paulo, as duas quantias não foram pagas até hoje porque o clube discute com o governo espanhol quanto precisa desembolsar em imposto para receber o dinheiro.

“Eles aumentaram a alíquota que quem vende jogadores para clubes espanhóis tem que pagar. Isso não só para nós, em todas as negociações. Não concordamos e contratamos uma banca de advogados para discutir administrativamente. Só vamos receber (o dinheiro vindo do Sevilla pela compra de Ganso) quando resolvermos isso. Depois que recebermos, vamos fazer os repasses (para DIS e Link)”, disse o dirigente.

De fato, as demonstrações financeiras do clube mostram que em dezembro de 2018 havia dinheiro a receber do Sevilla pela transação: R$ 8.821.000.

Os pagamentos a serem realizados para DIS e Link por conta da venda de Ganso já apareciam no balanço de 2017 só que eram menores. Na ocasião, foram registrados R$ 1.984.000 devidos para a DIS e R$ 2.975.000 para a Link. “Isso acontece porque os valores estão indexados ao euro e houve variação cambial”, afirmou o diretor financeiro.

As demonstrações financeiras mostram uma série de casos em que o São Paulo ainda tinha no final do ano passado dinheiro a receber e a repassar por conta da venda de jogadores. Na maioria, são negociações parceladas que ainda não tinham vencido.

Foram anotados R$ 31.063.000 a receber do River Plate por Lucas Pratto. O Atlético-MG aparece duas vezes no documento com quantias a receber relativas a seu ex-atacante. Numa são apontados R$ 5.403.000 pela venda dele ao São Paulo. Em outra, aparecem R$ 1.331.000 por participação nos direitos econômicos.

De olho no exterior, Dudu assina com agente que levou Neymar ao Barcelona

Leia o post original por Perrone

Com Danilo Lavieri, do UOL, em São Paulo

O palmeirense Dudu decidiu trocar seus empresários. Após não renovar contrato com a OTB Sports, dos agentes Bruno Paiva e Marcelo Goldfarb, o atacante assinou compromisso com André Cury. Seu novo empresário é representante do Barcelona no Brasil e atuou na transferência de Neymar para a equipe catalã.

Cury confirmou a negociação ao blog. Sua empresa, a Link Assessoria Esportiva, assegurou o direito de representar o jogador nos próximos dois anos.

“A única coisa que o Dudu me pediu foi para trazer uma proposta boa do exterior no final do ano, de preferência da Europa. Uma proposta que seja boa para ele e para o Palmeiras. Mas antes ele quer ganhar tudo pelo Palmeiras neste ano”, afirmou Cury.

Além de trabalhar para o Barça, o agente tem trânsito em outros clubes. Ele intermediou a transferência de Paulo Henrique Ganso para o Sevilla, por exemplo.

O vínculo de Dudu com a OTB terminou no último dia 23. A proximidade do final do acordo havia despertado o interesse de outros agentes em contar com o atleta.

Valorizado, o jogador não chegou a um acordo com a empresa para a renovação. A reportagem procurou a OTB e a assessoria de imprensa de Dudu, porém as duas partes disseram que não se manifestariam sobre o assunto.