Arquivo da categoria: Andrés Sanchez

Ex-diretor de Andrés diz esperar renúncia de presidente corintiano

Leia o post original por Perrone

O tiroteio político deflagrado no Corinthians desde que a Caixa Econômica resolveu executar a Arena Itaquera S/A e que Andrés Sanchez anunciou acordo com a Odebrecht faz até um ex-diretor do atual presidente pedir a renúncia do cartola. Em troca de mensagens com o blog, Felipe Ezabella, diretor de esportes terrestres na passagem anterior de Andrés pela presidência alvinegra, falou sobre o desejo de ver o ex-aliado fora do comando do clube.

“Esperamos que ele (Sanchez) espontaneamente se afaste da direção, renuncie ou pelo menos que não cuide mais do assunto estádio”, disse Ezabella, que foi um dos candidatos derrotados por Andrés na última eleição. Ele respondia sobre o que seu grupo quis dizer ao afirmar em comunicado divulgado nesta semana que “seria muito melhor para todos que o presidente encerrasse por contra própria o seu papel nesse assunto”.

A afirmação encerrava manifesto no qual o Corinthians Grande, ala que tem Ezabella entre seus líderes e conta vários dissidentes do grupo  de Andrés, pede uma reunião do Conselho Deliberativo e acusa o mandatário de ter mentido sobre as operações com Caixa e Odebrecht, o que Andrés nega.

Em relação ao banco, as acusações são de que o ex-deputado federal afirmava que estavam em dia as prestações do financiamento de R$ 400 milhões feito junto ao BNDES, por meio da Caixa, para bancar parte da obra da arena alvinegra. E que dizia que havia um acordo reduzindo o valor das parcelas em meses com menos jogos no estádio. Mas que se soube da existência de parcelas não pagas e de que o trato não chegou a ser assinado depois que a Caixa executou o contrato firmado com a Arena Itaquera, ligada ao clube e à construtora por meio do fundo que a administra.

Em relação ao trato com a Odebrecht, a reclamação é de que Andrés declarou em entrevista coletiva que só deve para a Caixa. Porém, em sua nota oficial sobre o tema, a empresa confirmou a quitação da dívida com a Odebrecht Engenharia e Construção (OEC) pela obra do estádio, mas alegou que no caso da Odebrecht Participações e Investimentos (OPI) foi assinado um memorando que define os termos para solucionar as dívidas do projeto da arena. Ou seja, nesta segunda parte, não há menção à quitação do débito.

Conforme o blog apurou, o acordo é para que o Corinthians pague 25% do valor que a OPI tiver que pagar para a Caixa por conta de empréstimos feitos para levantar recursos para tocar o projeto. Essa quantia depende de negociação e de aprovação da assembleia de credores da empresa, que está em recuperação judicial. A quitação com a OEC também precisa desse aval.

Andrés não fala com o blog, por isso foi impossível ouvi-lo. Mas pessoa próxima ao dirigente afirmou que ele declarou só dever para a Caixa porque o dinheiro que repassará para ajudar a OPI a quitar a dívida referente aos empréstimos irá diretamente para o banco. Ao UOL Esporte o presidente do Corinthians enviou comunicado no qual nega ter mentido, reafirma que havia um acordo com a Caixa e que não deve mais nada para a “Construtora Odebrecht”. Ele  ainda critica fortemente o grupo que o chamou de mentiroso.

Como mostrou o blog, foi marcada para o próximo dia 30 reunião do Conselho Deliberativo para discutir os temas envolvendo Caixa e Odebrecht. A convocação atente ao desejo de conselheiros de diferentes alas.

Caixa aponta que Arena Itaquera S/A deixou de pagar R$ 33,78 mi em 2019

Leia o post original por Perrone

De acordo com planilha apresentada pela Caixa na ação em que executa dívida da Arena Itaquera S/A, a empresa, vinculada a Corinthians e Odebrecht por meio de um fundo de investimentos, deixou de pagar R$ 33.786.494,81 em seis prestações entre março e agosto de 2019. A informação foi publicada primeiro pelo “Blog do Paulinho” e confirmada por este blogueiro por meio de documentos que fazem parte do processo.

O demonstrativo anexado à ação de execução do débito integral registra que neste ano foram pagos R$ 13.007.670,27 correspondentes às prestações de janeiro e fevereiro, segundo as contas do banco. A Caixa também anexou o contrato assinado entre ela e a Arena Itaquera referente ao empréstimo de R$ 400 milhões feito por seu intermédio junto ao BNDES. Os advogados da instituição financeira estatal destacaram cláusula que a permite a executar antecipadamente o compromisso. Por isso a execução é no valor de R$ 536.092.853,27.

Em entrevista coletiva na semana passada, Andrés Sanchez afirmou que apenas duas prestações estavam atrasadas, levando-se em conta modelo de pagamento previsto em acordo que ainda não havia sido assinado com a Caixa. O presidente corintiano disse que pelo trato original, a inadimplência poderia ser considerada a partir de abril.

A planilha reproduzida abaixo é a que foi juntada pela Caixa na ação. Ela mostra a situação das parcelas de janeiro a agosto, pelas contas do banco. As prestações marcadas com o número 3 na coluna “EST” são as consideradas pagas. As que aparecem com “1” foram registradas como inadimplentes.

 

 

 

Como mostrou o blog, as diretorias de Caixa e Corinthians já mantiveram contato por telefone em busca de uma solução pacífica para o caso. A ideia é realizar uma reunião até o início da próxima semana.

Corinthians e Caixa se reaproximam por acordo. Juiz defere pedido do banco

Leia o post original por Perrone

Corinthians e Caixa Econômica Federal iniciaram uma reaproximação com o objetivo de tentarem acordo para a retirada da ação de execução na Justiça na qual o banco cobra dívida de R$ 536.092.853,27 da Arena Itaquera S/A. Conforme apurou o blog, as duas diretorias mantiveram contato por telefone e decidiram agendar uma reunião para negociar.

A data do encontro ainda não foi marcada. A ideia é que ele aconteça até o início da próxima semana. Porém, enquanto isso, a ação segue seu trâmite na Justiça. Em 27 de agosto, o juiz Victorio Giuzio Neto deferiu pedido da Caixa para que a Arena Itaquera fosse notificada para quitar o débito em até três dias. Isso, no entanto, não significa que o caso está encerrado de maneira favorável ao banco. Trata-se de procedimento natural em casos semelhantes.

O clube pode contestar a execução. É isso que vai fazer, por meio de embargos, caso as tratativas por um acordo não avancem. Porém, no Parque São Jorge o clima é de otimismo em relação a um pacto, que incluiria a renegociação da forma de pagamento acordada originalmente. A avaliação no lado alvinegro é de que a Caixa adotou um tom mais ameno, após uma postura agressiva no início do imbróglio. O banco emitiu nota oficial confirmando a execução, mas dizendo estar disposto à conciliação.

Existe também a análise interna de que o presidente do Corinthians, Andrés Sanchez, em sua entrevista coletiva, se controlou para não ser agressivo com a direção da Caixa e, de maneira geral, em relação ao governo de Jair Bolsonaro. Entre dirigentes corintianos existe uma ala que desconfia haver perseguição política.

O contrato executado se refere ao financiamento de R$ 400 milhões feito junto ao BNDES por intermédio da Caixa para cobrir parte dos gastos com a construção do estádio alvinegro. O compromisso foi firmado com a Arena Itaquera S/A, criada para viabilizar a engenharia financeira do projeto. O Arena Fundo de Investimentos Imobiliário, que tem como acionistas Corinthians e Odebrecht, é o dono da empresa executada. Clube e a Odebrecht Participações e Investimentos são citados na ação como intervenientes anuentes.

Como mostrou o blog, a Caixa alega que não foram pagas as prestações de março, abril, maio, junho, julho e agosto. E sustenta que o contrato prevê a antecipação do pagamento integral do débito em caso de inadimplência. Em sua entrevista coletiva na semana passada Andrés admitiu atraso em duas parcelas Isso levando-se em conta acordo que o clube entendia estar valendo, mesmo sem ter sido assinado. Mas, que pelo trato original, a falta de pagamento poderia ser contada desde abril. 

Devolve logo o estádio e se livra dos problemas, ué!!!

Leia o post original por Craque Neto 10

Sei que o torcedor do Corinthians tem um baita orgulho de sua nova Arena em Itaquera. Afinal não há dúvidas de que é uma das mais bonitas e modernas do País. Agora que me desculpem todos eles – e sei que a maioria não vai concordar comigo – mas ficar nessa lenga-lenga de pagamento do estádio é inadmissível. Aliás, perder a renda de todos os jogos, que dá quase R$ 2 milhões por partida em média, é um grande absurdo. Se eu fosse presidente do clube eu já teria devolvido essa obra para o banco. Aliás, obra que não foi […]

O post Devolve logo o estádio e se livra dos problemas, ué!!! apareceu primeiro em Craque Neto 10.

Odebrecht confirma assinatura de documento para solucionar dívida de arena

Leia o post original por Perrone

Com Rodrigo Mattos, do UOL, em São Paulo

Em nota oficial, a Odebrecht se pronunciou sobre o acordo com o Corinthians para equacionar as pendências entre as partes em relação à construção do estádio do clube. O trato foi anunciado nesta sexta (13) pelo presidente Andrés Sanchez. A construtora “confirma que assinou um memorando de entendimentos “para solucionar as dívidas do projeto arena”.

Alegando cláusula de confidencialidade, a empresa não informa os detalhes pactuados. O valor final a ser pago pela agremiação vai depender da recuperação judicial enfrentada pela Odebrecht. Conforme apurou a reportagem, a quantia pode chegar a R$ 160 milhões. Porém, a expectativa dos cartolas é de um gasto bem inferior.

São dois acordos. Um relativo à dívida pela obra e outro referente aos empréstimos feitos pela companhia para tocar o projeto antes que os R$ 400 milhões financiados pelo BNDES por meio da  Caixa fossem liberados.

Abaixo, leia nota oficial enviada ao blog pela Odebrecht.

“A Odebrecht confirma que assinou um memorando de entendimentos com o Sport Club Corinthians Paulista que define os termos para solucionar as dívidas do projeto Arena junto à Odebrecht Participações e Investimentos, empresa controlada pela Odebrecht S.A.

Também foi assinado um termo entre a Odebrecht Engenharia e Construção (OEC) e o Sport Club Corinthians Paulista, que resulta em quitação mútua entre as partes para a construção da Arena.

Os termos destes acordos são protegidos por cláusula de confidencialidade”

 

Ramiro recebe sondagem de 6 mi de euros, mas Corinthians descarta negócio

Leia o post original por Perrone

Reserva no Corinthians, Ramiro recebeu sondagem de um clube do exterior disposto a pagar cerca de 6 milhões de euros (aproximadamente R$ 27,6 milhões) por sua contratação. Porém, o alvinegro sinalizou que por este valor não tem negócio. Desde então, o interesse esfriou.

A informação foi confirmada ao blog por pessoa próxima ao volante e por um membro da diretoria. O nome do interessado, no entanto, não foi revelado. Porém, a fonte ligada ao jogador assegura se tratar de um time europeu. No final do ano passado, o alvinegro adquiriu 70% dos direitos econômicos do atleta, que estava no Grêmio e assinou contrato até dezembro de 2022.

Apesar de Andrés Sanchez admitir em reunião do Conselho Deliberativo que precisa vender jogadores para equilibrar as contas, o clube tem torcido o nariz para recentes sondagens feitas em relação a alguns de seus atletas. O argumento é de que o Corinthians não vai se desfazer de jogadores por valores que considere baixos.

Gustagol é outro que tem despertado interesse. Conforme relato de pessoa próxima a ele, um time europeu, também com o nome mantido em sigilo, teria sondado seu estafe nesta semana, mas até agora não chegou a fazer uma proposta ou falar em valores.

A avaliação de pelo menos parte da diretoria alvinegra é de que Gustavo não vai atingir um preço que agrade ao clube enquanto não recuperar a vaga de titular voltando a marcar gols. A pedida mínima corintiana neste momento é de 10 milhões de euros (cerca de R$ 46 milhões). Mas, no entorno do jogador há quem acredite ser possível fechar negócio por um pouco menos. De acordo com o balanço de 2018, o Corinthians tem 45% dos direitos econômicos do atacante.

A janela de transferências para alguns dos principais mercados europeus fecha na próxima segunda (2). Dirigentes do clube não descaram que na reta final seja feita pelo menos uma negociação.

Cobrado por aumento de dívida, Andrés diz que precisa vender jogadores

Leia o post original por Perrone

Cobrado a respeito do aumento da dívida do Corinthians no primeiro semestre de 2019, Andrés Sanchez admitiu que as despesas foram maiores do que o esperado e que agora precisa vender jogadores para fechar a conta, conforme apurou o blog. A declaração foi dada em reunião do Conselho Deliberativo no último dia 12. Como não fala com este blogueiro, o presidente corintiano não pôde ser ouvido a respeito do tema.

De acordo com fonte ligada ao cartola, ele quis preparar o espírito dos conselheiros para futuras vendas. A necessidade de negociar jogadores é vista como natural por integrantes da diretoria, já que o orçamento prevê negociações no valor de R$ 54 milhões em 2019. A quantia obtida até agora não foi revelada, mas está distante da meta.

No encontro, a comissão de conselheiros que analisou as finanças corintianas alertou para gastos no departamento de futebol incompatíveis com as receitas do clube. O levantamento apontou que até o final de junho o endividamento do alvinegro havia aumentado em R$ 149.671.000.  Na média, o aumento mensal foi de aproximadamente R$ 24,9 milhões, de acordo com essa conta. Matias Antonio Romano de Ávila, diretor de finanças do Corinthians, disse que não se manifestaria sobre o assunto.

Porém, o blog apurou que a diretoria diverge da interpretação feita pela comissão responsável por analisar as finanças da agremiação no primeiro semestre. O principal argumento é de que o estudo sobre a dívida não teria levado em consideração um investimento de aproximadamente R$ 84 milhões na aquisição de jogadores.

O relatório da comissão concluiu que o gasto com salários e direitos de imagem até o fim de junho foi 34% superior ao previsto no orçamento do clube. As despesas administrativas foram registradas como estourando a previsão orçamentária.

Internamente, a diretoria argumenta que no primeiro semestre as receitas são menores porque a distribuição das cotas pagas pela Globo pela transmissão dos jogos no Brasileirão são maiores na segunda metade do ano. Isso impactaria as contas dos seis meses iniciais.

Diante do cenário apresentado, a recomendação da comissão, que analisou dados fornecidos pela direção, é para que daqui até o final do ano o clube não compre jogadores e faça vendas.

 

Empresa que geria Fiel Torcedor recebe R$ 14 mi em rescisão com Corinthians

Leia o post original por Perrone

Para rescindir seu contrato com o Corinthians, a Omni, responsável por implementar e gerir o programa de sócio-torcedor do clube, assegurou uma indenização de R$ 14 milhões divididos em 60 prestações mensais com correção pelo IGP-M (Índice Geral de Preços do Mercado). Quando o distrato foi acertado faltavam 14 meses para o compromisso acabar. O anúncio da troca da antiga parceira pela IBM na operação do Fiel Torcedor foi feito em dezembro do ano passado.

Procurada pelo blog por meio de sua assessoria de imprensa, a diretoria alvinegra afirmou que não comentaria o assunto. Marta Alves de Souza Cruz, sócia da Omni, não respondeu até a publicação deste post a questionamentos feitos por este blogueiro sobre o tema por meio de mensagem pelo WhatsApp.

Duas fontes ligadas ao presidente corintiano, Andrés Sanchez, confirmaram ao blog o valor e a forma de pagamento da indenização. Também afirmaram que foi construída uma engenharia financeira no contrato com a IBM que evita que o clube tenha prejuízo com a quantia paga à antiga parceira. A explicação é de que a mensalidade repassada para a Omni é descontada do montante a ser pago mensalmente para a IBM.

O contrato com a Omni era um dos mais criticados por conselheiros do clube, que consideravam altas as taxas cobradas pela empresa. Diferentes diretorias foram pressionadas para tirar a Omni de todas as operações no Corinthians. A empresa também deixou de administrar o estacionamento da arena corintiana, mas mantém outras atividades no clube. A Omni chegou ao alvinegro com Andrés na presidência e Luis Paulo Rosenberg no marketing, na passagem anterior da dupla pela direção, e teve dois contratos rescindidos com os mesmos cartolas no comando. Rosenberg, porém, não faz mais parte da diretoria na atual gestão.

Contra ‘juros altos’, Andrés fala em recuperação judicial de fundo da arena

Leia o post original por Perrone

Em reunião do Conselho Deliberativo do Corinthians na última segunda (12), Andrés Sanchez cogitou o pedido de recuperação judicial do fundo que controla o estádio do clube caso não haja um acordo com a Caixa Econômica Federal para a redução dos juros cobrados no financiamento feito junto ao BNDES para permitir a construção da casa alvinegra.

De acordo com três conselheiros ouvidos pelo blog, Andrés disse que sua próxima meta é negociar com o banco a redução dos juros. Em seguida, afirmou que uma possibilidade, caso a diminuição da taxa não aconteça, é o fundo pedir a recuperação judicial. O presidente corintiano não fala com este blogueiro, por isso foi impossível ouvi-lo sobre o tema.

Porém, aliado do dirigente afirmou que Sanchez apenas quis mostrar um dos argumentos que têm para tentar convencer a Caixa a fazer um pacto, mas que não existe a mínima intenção de fazer o pedido. Seria apenas uma maneira de dizer ao banco que o fundo não teria condições de continuar honrando seus compromissos sem o acerto por juros menores.

Vale lembrar que a decisão não poderia ser tomada só pelo Corinthians, já que a Odebrecht também é cotista do Arena Fundo de Investimento, assim como a empresa Arena Itaquera, criada especificamente para a operação envolvendo a arena. O pedido de recuperação judicial acontece quando uma empresa não consegue pagar suas dívidas e recorre à Justiça para buscar sua reorganização com o objetivo de evitar a decretação de falência.

Para viabilizar a construção do estádio, Corinthians e Odebrecht buscaram a Caixa como intermediária para levantar um financiamento de R$ 400 milhões no BNDES, parte interessada num eventual acordo. Apesar de se queixar das taxas de juros, a diretoria corintiana alega que está em dia com suas obrigações.

Na mesma reunião em que ventilou o pedido de recuperação judicial, Andrés afirmou que fechou com a Odebrecht um acordo para reduzir a dívida do Corinthians com ela e que o trato será oficializado em breve. Procurada pelo blog a construtora afirmou que “reforça que continua mantendo conversas construtivas com o clube em busca de uma solução que atenda à expectativa de ambas as partes’.

Andrés x Raí: fico do lado óbvio

Leia o post original por Craque Neto 10

Uma declaração recente do Andrés Sanchez aos canais Fox deu uma polêmica danada na mídia esportiva. O presidente do Corinthians afirmou com todas as letras que o ídolo Raí, atual diretor de futebol do São Paulo, teria procurado a CBF querendo assumir o lugar deixado pelo Edu Gaspar na coordenação de Seleções. Ou seja, deu a entender que seria uma baita traição do ex-jogador com a torcida e com o próprio Leco. Isso caiu como uma bomba no Tricolor e fez o próprio Raí sair em sua defesa, alegando ser mentira e que o cartola corintiano tem coisa muito mais […]