Arquivo da categoria: Arena da Baixada

Agressão a mulher de jogador é o fim dos tempos!

Leia o post original por Craque Neto 10

Na manhã desta segunda-feira chegou a notícia de que familiares do volante Bruno Henrique, entre eles a esposa do jogador, teriam sido agredidos nas arquibancadas da Arena da Baixada, em Curitiba, por integrantes de uma torcida organizada do Palmeiras. Isso só me deixa revoltado com tamanha COVARDIA. Impressionante essa cambada de marmanjo ter a cara de madeira de cometer tal ato. Os órgãos responsáveis deveriam pedir as imagens das câmeras do estádio e não só prender esses babacas como também proibi-los de acessar todo e qualquer evento esportivo pra sempre. Na verdade queria entender o porquê dessa reação. Por que […]

O post Agressão a mulher de jogador é o fim dos tempos! apareceu primeiro em Craque Neto 10.

São Paulo segue freguês na Arena da Baixada

Leia o post original por Fernando Sampaio

São Paulo segue freguês na Arena da Baixada

Deu a lógica.

Atlético PR 1×0 São Paulo.

Deu Furacão na Arena da Baixada.

Incrível, o Tricolor jamais venceu lá.

Denis evitou ao máximo a derrota. Fez grandes defesas. No final acabou traído pela defesa. Michel Bastos não marcou o escanteio curto. O cruzamento ainda desviou no camisa sete e traiu o goleiro. Só Rodrigo Caio foi na disputa da bola, havia dois adversários. Não dá para colocar a culpa só no goleiro.

O São Paulo continua na parte de baixo da tabela.

 

SP volta ao “normal”, em duelo de goleiros

Leia o post original por Antero Greco

Não foi lá um grande jogo. Mas disputado com lealdade, toques velozes e intensidade. Times de dois técnicos capazes e criativos, que ainda não conseguiram fazer com que seus jogadores atuem com o máximo de eficiência, sem errar tantos passes.

Ainda assim, a vitória do Atlético Paranaense sobre o São Paulo, por 1 a 0, apresentou dois personagens beirando a perfeição: o Moicano da Camisa Doze e o Voador Azul.

Sim, os dois goleiros!

Weverton, merecidamente, mais uma vez chamado para a seleção brasileira. E Denis, o goleiro tricolor, que não conseguiu chegar à sua terceira vitória consecutiva.

Os dois fizeram a diferença no placar, porque mesmo sem ser uma partida cheia de oportunidades de gol, quando elas surgiram, os dois apareceram com destaque.

Mas alguém pode dizer: “O são-paulino tomou um gol”. Verdade, e com uma dose de falha.

Mas já chego lá.

Aos 12 minutos, Denis fez uma defesa colossal, em uma cabeçada de Thiago Heleno.

Aos 35 minutos, foi a vez do goleiro do Atlético Paranaense mostrar valor.

Num chute de Pablo, aos 36 minutos, Denis voou na Arena da Baixada.

E aos 39 minutos, em um chute de Cuevas, foi a vez de Weverton voar para espalmar a bola, que iria para o gol.

Se errassem menos passes, os dois times teriam criado muito mais situações de gol, mas a verdade é que por meio metro, ou até mesmo centímetros, bolas lançadas se perdiam nos pés adversários ou pela linha lateral. Uma questão de precisão ou de meias mais categorizados.

No segundo tempo, as chances foram menores ainda. E o jogo já não foi tão interessante.

Ainda assim, Denis fez defesa complicada em chute de Juninho. Bola rasteira e traiçoeira.

Na sequência aconteceu a substituição que pode ter determinado o placar do jogo: sentindo dores na coxa esquerda, o zagueiro Maicon deixou o campo. No lugar dele entrou Lyanco.

Dois minutos depois, escanteio para o Furacão, a bola desviou em Michel Bastos e fez uma curva. Denis escorregou, ao tentar cortar a trajetória quando ela caía, e não conseguiu. Rodrigo Caio também não impediu a passagem da bola, que chegou até o atacante Pablo. Com o peito, tocou para o gol.

“Foi um pecado eu ter escorregado”, admitiu o Voador Azul.

Talvez tenha sido mesmo para os são-paulinos, que caíram para a 12.ª posição.

Para Pablo foi o quinto gol no campeonato. Resultado que levou o time do Moicano da Camisa Doze para o 7.º lugar, agora com 39 pontos ganhos.

 

Santos, do Furacão, põe o Santos na liderança

Leia o post original por Antero Greco

Eu sei que todos vão dizer que foi o Walter que tirou o Corinthians da liderança do Brasileiro. Tudo bem, o gordinho é implacável, quando recebe a bola dentro da grande área. Mas não foi só ele que construiu a vitória importantíssima do Atlético Paranaense, por 2 a 0, na Arena da Baixada.

Esse resultado tem que ser saboreado aos poucos, como convém aos grandes momentos. Primeiro, parabéns ao goleiro Santos, que fez uma defesa inacreditável, impossível, quando o jogo ainda estava empatado e Romero, quase embaixo da trave tocou para o gol. O jogador do Atlético fez uma intervenção de deixar o britânico Gordon Banks com inveja – sim, o goleiro inglês que pegou aquela cabeçada de Pelé, na Copa de 70.

Eram 20 minutos do segundo tempo e o jogo seguia equilibradíssimo. Ficaria 1 a 0 não fosse o goleiro Santos. E o Corinthians fazia uma partida irrepreensível: já não tem Tite no banco, nem Renato Augusto, nem Gil, nem o time campeão do ano passado, mas fazia um jogo veloz, com muita marcação e deslocações que o colocavam em condições de vencer. Parecia que finalmente o técnico Cristóvão Borges tinha achado o sistema tático que justificava a liderança.

Foi nesse clima que Paulo André fez um lançamento na medida para a área, o atacante Pablo passou pela bola iludindo a firme defesa corintiana e então apareceu Walter: dominou a jogada e, quando a bola caiu a sua frente, fuzilou de pé esquerdo. Um a zero, aos 32 minutos.

O Corinthians não se entregou. Continuou buscando o gol de Santos. Teve uma falta perigosa para cobrar aos 41 minutos. No rebote, Lucas Fernando iniciou um contra-ataque fulminante, escapou pela direita e, quando parecia que ia finalizar para o gol, tocou com sabedoria para… Sim, para Walter. Ele tocou de primeira, tirando qualquer chance de defesa para Cássio. Dois a zero.

O resultado deixou o Santos na liderança do campeonato. Muitos dirão que por conta dos gols de Walter. Eu digo que foi pela defesa de cinema de Santos.

Crítica Pontual

Leia o post original por Quartarollo

Houve um jogo entre Clube Atlético Paranaense x São Paulo, que terminou empatado, no dia 18 de maio de 2008 no estádio que hoje é conhecido como Arena da Baixada, em Curitiba, Paraná.

A Arena não era o que é hoje. O Atlético sofria para fechar o anel restante do estádio, o que conseguiu tempos depois e hoje é um dos mais modernos do país.

Mas em meio a tudo isso, foi obrigado a reformar um estádio que era novo por imposição da Fifa para adapta-lo para apenas 4 jogos da Copa do Mundo de 2014 na capital paranaense.

Na época fiz várias matérias sobre os estádios chamados de novos pela Fifa que teriam alto custo para os seus respectivos donos, entre eles o Atlético Paranaense que já tinha um estádio moderno e foi obrigado a restaura-lo a toque de caixa tomando dinheiro emprestado do BNDES e de outros órgãos financeiros.

Isto está dito para confirmar que se um dia houve uma crítica mais ácida de minha parte sobre algo em torno do clube paranaense, foi mesmo de uma maneira pontual e remete ao ano de 2008. Lá se vão 7 longos anos em que muita coisa mudou.

Estou afirmando assim porque depois das minhas críticas várias vezes estive em Curitiba e fui muito bem recebido até mesmo por torcedores atleticanos que entenderam minha posição à época.

Tive amigos que trabalharam no Atlético com os quais me dava, e me dou muito bem, e sempre nos falávamos.

Gente como Mário Sérgio Pontes de Paiva e Geninho, ambos treinadores, e o preparador físico campeão do mundo pela Seleção Brasileira, Moracy Santana.

Nada tenho contra o Atlético até porque minha base de trabalho é São Paulo. Não convivo diariamente com os clubes paranaense a não ser em jogos cruzados com paulistas ou em matérias com alguns personagens do futebol paranaense da atualidade e do passado.

E nunca tive problema com isso, muito pelo contrário foi prazeroso e sempre rendeu boas conversas e boas entrevistas.

Naquele dia 18 de maio, Muricy Ramalho, então técnico do São Paulo, não conseguiu trabalhar.

Cada vez que se levantava do banco para passar uma orientação a um dos seus jogadores recebia cusparadas no rosto e na cabeça de um bloco de torcedores atleticanos que se posicionou atrás do seu banco.

Daí o meu comentário num dos artigos que fiz para a Jovem Pan: “Tem porcos na torcida do Atlético”. A grande maioria dos torcedores entendeu e inclusive também se revoltou com essa atitude.

A diretoria atleticana insuflada por alguém não gostou e se achou ofendida de maneira profunda. Quando citei alguns porcos na torcida, não disse que toda a torcida era assim e fiz essa ressalva mais do que uma vez.

Havia outros problemas reclamados também naquele jogo como o gramado deficiente e o São Paulo chegou a falar de falta de segurança, o que sinceramente achei um exagero. Não houve nenhuma pressão precisamente contra a equipe e seus dirigentes.

Fiquei indignado com a forma que trataram Muricy, não pela minha amizade com ele, mas porque acho falta de educação tratar assim um técnico adversário, só porque é adversário, ou mesmo tratar assim um ser humano só porque veste outra camisa.

Nós não devemos cuspir nem no chão quanto mais em outro ser humano. Pelo menos é assim que eu penso. Achei aquilo nojento e disse isso.

Dias depois aconteceu algo igual na Vila Belmiro e embora sendo santista de coração, mas antes disso jornalista e repórter, critiquei ferozmente o Santos também.

Ele devia banir esse tipo de torcedores para o bem do espetáculo. Infelizmente isso aconteceu, diminuiu é verdade principalmente dentro dos estádios, mas alguns torcedores ainda não sabem se comportar e acham que isso é normal para a convivência humana.

Encerro repetindo que foi apenas uma crítica pontual, não foi pessoal e nem diretamente contra a entidade Clube Atlético Paranaense.

E assim desejo que seja entendida.

Abaixo a entrevista do Muricy Ramalho reclamando das cusparadas e do trio de arbitragem que nada fez para coibir tal situação:

Furacão continua a toda e o Vasco capenga

Leia o post original por Antero Greco

Tem muita bola pra rolar no Brasileiro. Nada de euforia exagerada nem de temores excessivos, portanto. Mas, pelo que têm apresentado até o momento, merecida a liderança do Atlético-PR e justificado o temor do torcedor do Vasco. Um justifica a posição privilegiada, o outro já lida com princípio de incêndio e a penúltima colocação.

O jogo que fizeram na noite deste sábado, na Arena da Baixada, mostrou abismo entre ambos. O Atlético teve o controle o tempo todo, foi incessantemente ao ataque, esbanjou confiança, procurou o gol. Arriscou algumas vezes com Walter, mandou bola na trave, fez os gols no segundo tempo (Nikão de pênalti e Ytalo um golaço), atropelou o Vasco no meio-campo. Um massacre.

O Vasco mandou uma bola no travessão, ensaiou dois ou três chutes, mas se mostrou presa fácil. O campeão carioca larga mal demais, no retorno à Série A, e até agora acumula três empates e três derrotas. Ao lado do lanterna Joinville forma a dupla dos que não venceram até agora. Salvou-se Riascos, recém-chegado a São Januário e que deu velocidade em jogadas na frente.

Não há como negar clima tenso no Vasco. As duas passagens na Série B provocaram trauma e, por mais que haja longo caminho até dezembro, o aproveitamento atual acende luz amarela. Doriva tem um grupo de qualidade apenas regular, mas que se entusiasmou com o Estadual. A autoconfiança é essencial para empurrar a equipe. Se balançar nesse aspecto, desandar de vez será fácil.

Reação tem de ser imediata. A questão é ver como se comportará a diretoria. (Leia-se Eurico Miranda.)

 

É oficial! Curitiba permanece no cronograma da Copa do Mundo apesar do atraso nas obras!!! A Arena da Baixada sofreu pressão injusta, já que outros quatro estádios também não estão prontos???

Leia o post original por Milton Neves

01

Após o suspense da Fifa, Curitiba continua como sede da Copa do Mundo.

Atrasada nos prazos, a capital paranaense foi ameaçada e terá que correr atrás do prejuízo.

Mas, será que a Arena da Baixada sofreu pressão injusta?

E os outros estádios atrasados, como Itaquerão, Beira-Rio, Arena Amazônia e Arena Pantanal?

Veja abaixo a situação de cada arena atrasada:

blog_art

Apesar de mais atrasada, a Arena da Baixada não teve tantos “saltos orçamentais”.

Isso, é claro, sem contar com os problemas do entorno.

Como obras de mobilidade pública de praticamente todas as cidades que nunca saíram do papel.

Este imbróglio todo resume a péssima administração da dona Fifa?

Ou o problema está no colo dos governantes brasileiros, que não souberam lidar com as obras?

OPINE!!!

De quem é culpa pelos atrasos das obras da Copa?

Leia o post original por Pedro Ernesto

É fácil colocar a culpa pelo atraso nas obras da Copa nas autoridades. E elas têm muita culpa. Mas o assunto não se encerra aí. Vejam o caso de Porto Alegre. O Pac da Copa presenteou a cidade com financiamento de R$ 1 bilhão e obras que ficarão como legado.

Aí começam os problemas. A Caixa atrasa o financiamento, moradores não querem que árvores sejam derrubadas, mesmo com a contrapartida indispensável, sítios arqueológicos não podem ser revirados, empresas que perdem licitações entram na Justiça e atrasam o início das obras, além de outras que não cumprem com cronogramas e trabalham só no horário comercial.

Esse conjunto de dificuldades não é só culpa do governo. A sociedade é complicada. Muitas vezes, colocamos nossos interesses, por menores que sejam, à frente dos interesses coletivos. Aqui no Rio Grande do Sul, as discussões são ainda maiores.

Arena da Baixada

O secretário-geral da Fifa, Jérôme Valcke, ficou apavorado com o que viu em Curitiba. As fotos postadas pela assessoria d e imprensa da Fifa são preocupantes. As obras estão muito atrasadas. O gramado não existe, a cobertura está longe da conclusão e as cadeiras não estão colocadas. Valcke deu prazo até 18 de fevereiro para que as obras avancem rápido. É tão preocupante a situação que forças-tarefa do governo do Paraná e da prefeitura de Curitiba
atuarão juntas.

Lancherias

O Grêmio tem na sua diretoria de marketing um dos homens mais competentes deste Estado. Beto Carvalho, em sua vida profissional, passou por empresas importantes, sempre com muito sucesso. Pouco tem conseguido fazer porque existe esta briga entre o clube e a Arena, o que afasta os negócios. Assim que houver o acerto poderemos ver e registrar seu trabalho. Mas, ainda assim, está criando rede de fast food com a marca do Grêmio. O torcedor escolherá pelo site o nome. É o primeiro clube do mundo a investir na área.

É demais!

A uma semana para o jogo contra o São Paulo-RG, fica claro, para mim, que não será no Beira-Rio. Aliás, é provável que nem o jogo do dia 2, contra o Cruzeiro. O Corpo de Bombeiros ainda nem foi chamado para a vistoria. Imagino o
estádio liberado para jogos-testes lá por 15 de fevereiro. Ou seja, daqui a três semanas teremos de volta um jogo do
estádio da Copa.

A novela do estádio para 2012

Leia o post original por julianolorenz

Salve nação rubro-negra !

Obras na Arena já são intensificadas. Mas a dúvida sobre o palco rubro-negro em 2012 continua.

 

Desde que a Arena foi fechada para as obras da Copa do Mundo 2014, a dúvida sobre onde o Atlético Paranaense irá atuar em 2012 paira no ar. Nos últimos dias o assunto foi destaque no noticiário rubro-negro. A diretoria tinha até ontem para indicar um estádio para a Federação Paranaense de Futebol e fez. Pela capacidade de público o escolhido foi o Couto Pereira, estádio do arqui-rival. Mas não bastou apenas indicar. O rival não quis ceder por bem, publicou nota oficial sobre isto e a novela segue.

A desculpa da diretoria verde foi que o gramado não suportaria tantos jogos em sequência. Por este motivo também não havia liberado o campo para o Sulamericano de futebol feminino sub-20 que acontece a partir da próxima semana. Outro motivo apontado nos bastidores é de que o Conselho Deliberativo deles não aprovaria a cessão. E a autofagia burra que levou o Atlético para jogar a final da Libertadores bem longe da cidade voltou à tona. Mais burrice ainda é o rival dever cerca de R$ 80 milhões e arrotar caviar quando está comendo mortadela. Mas o mundo dá voltas…

E a grande volta pode acontecer com o poder que a FPF tem de obrigar o Coritiba a ceder o estádio em último caso. Até acredito que não aconteça pois o presidente Hélio Cury tem se mostrado muito democrático. O Paraná Clube achou que mandaria na segunda divisão estadual, mas os votos dos “poderosos” Cincão e Junior Team que se mostraram contra foram decisivos pra derrubar a antecipação do campeonato. Não sei se Cury gostaria de se indispor com um dos dois grandes clubes do estado. Mas ele tem esse poder se quiser. Existe também a possibilidade de acordo entre as diretorias da dupla ATLEtiba. Vilson Ribeiro de Andrade e Mário Celso Petraglia já conversaram sobre o assunto. Mas em que ponto a negociação está, só eles mesmos sabem.

Jogo de bastidores? A possibilidade do Atlético jogar fora da cidade? Couto Pereira no dia 22? Todas essas perguntas serão necessariamente desvendadas até a próxima quinta-feira, dia 19 de janeiro. O Estatuto do Torcedor exige que o local do jogo seja decidido até 72 horas antes. Até a novela continua e não devemos ter um desfecho antes do prazo obrigatório. Vamos acompanhar !

Extras (12/01):

– O presidente Mário Celso Petraglia anunciou através de seu twitter a volta de Mauro Holzmann para a diretoria de Marketing do Furacão. Holzmann é um velho conhecido da torcida rubro-negra e responsável por alguns dos grandes planos de marketing do Furacão. Ele estava na Traffic. Que volte com a pegada da década passada para ajudar o clube. Boa sorte !

– O Furacão faz seu primeiro jogo amistoso amanhã contra o Laranja Mecânica de Campo Largo, no estádio Fanático localizado na cidade metropolitana. Será a primeira oportunidade do técnico JR Carrasco avaliar o elenco em um match-treino.

RUBRO-NEGRO É QUEM TEM RAÇA !

– Não deixe de “curtir” a página do blog no facebook para receber as notícias em primeira mão. Acesse https://www.facebook.com/BlogdoAtleticoParanaense e dê seu jóia.