Arquivo da categoria: Atletico Mineiro

O eterno “vexame”

Leia o post original por Rica Perrone

Todo ano acontece a mesma coisa. Nós olhamos a tabela, os elencos, achamos que estamos na Espanha e decretamos que tal time não vencer é vexame. Ignoramos o fator “formador”, que nivela muitas vezes pelos jovens talentos, o fator campo, a pressão, o estilo de jogo em cada país das Américas e no final tentamos…

Negócio, bom senso e bairrismo

Leia o post original por Rica Perrone

Estava sem dormir na noite anterior, aguentei até metade do segundo tempo e acabei pegando no sono. Não vi o Galo fazer 2×1 e nem sofrer o empate, logo, quando acordei hoje fui direto olhar quanto tinha sido o jogo. Lembrei de uma época onde os torcedores de Grêmio, Galo, Cruzeiro e Inter brigavam comigo…

Sim, é só o Grêmio

Leia o post original por Rica Perrone

Quando o futebol brasileiro parou para a Copa pensamos: “um mes pra treinar, era tudo que os treinadores pediam! Os times vão voltar em outro nível”. E é hora de dizer que não. Que os treinadores brasileiros em sua enorme maioria não conseguiram melhorar quase nada os seus times. E embora alguns resultados mudassem, o…

Planejada 2019 #18

Leia o post original por Rica Perrone

Todo começo de temporada os treinadores fazem um planejamento. Aí você pode perguntar: “Que diabos de planejamento é esse? Ele planeja perder? Não era pra tentar ganhar todas?”. Sim, era. Mas nem treinador é tão apaixonado e maluco de imaginar que vencerá todos os jogos de um campeonato como o Brasileirão. Assim sendo, eles planejam…

Suas idéias não correspondem aos fatos

Leia o post original por Rica Perrone

Quando o Galo abriu mão dos titulares na Sulamericana o recado era claro: não dá pra disputar 3 campeonatos, vamos focar em dois. Sendo óbvio que a Copa do Brasil é o alvo mais realista e bem pago. Compreendi. Faria também. Acho a Sulamericana um torneio fraco e superestimado por ser “internacional”. Mas entendi que…

Mais que o título

Leia o post original por Rica Perrone

O Cruzeiro precisava mais dessa conquista pela temporada do que pela taça em si.  Ameaçado de ver o sonho virar crise muito rápido, a conquista de hoje se tornou bem mais do que um título estadual.

O time é nuito bom. Perdeu Fred, viu seus dois primeiros jogos importantes do ano se tornarem derrotas e a torcida que estava sonhando começou a cobrar.  O paraíso é muito perto do inferno pra um time que cria expectativas. E o Cruzeiro de 2018 é um time de quem muito se espera.

Não assisti ao jogo final ainda. Vi os gols, os melhores lances, a expulsão e a polêmica toda. Sim, concordo com a maior parte dos atleticanos. A expulsão era dupla. O Edílson não só deixa o pé como imediatamente após levar a paulada, devolve com o braço.

Acho que friamente se tirassem as camisas e colocassem camisas vermelhas e amarelas, nem mesmo o presidente do Cruzeiro discordaria disso. Mas sendo azul e a outra preta e branca, é claro que o Edílson não fez nada na visão de metade de Belo Horizonte.

Mudou o jogo? Provavelmente.  Uma final com 10 contra um time que naturalmente já é melhor que o seu no papel faz diferença. E deve ter feito.

Independente da polêmica da arbitragem o título dá ao Cruzeiro uma breve tranquilidade para buscar o que ele realmente almeja no ano e as finais deram ao Galo uma sensação que “dava” pra ter batido o rival não fosse o arbitro.

Mais notável que isso só constatar que de novo, como sempre há anos e anos, o gol decisivo de um título foi de quem?  Thiago Neves….

abs,
RicaPerrone

Assisti Flamengo x Atlético de 1981

Leia o post original por Rica Perrone

Como a maioria das pessoas de menos de 40 anos, ouço falar do polêmico Flamengo x Atletico da Libertadores de 81 como um dos maiores roubos da historia do futebol. E como a maioria deles, também nunca havia assistido ao jogo na integra.

Pois de curiosidade, abrindo uma série no blog sobre jogos antigos, resolvi assistir pra encontrar o meio termo entre os exageros atleticanos e a defensiva rubro-negra.

———————————————-

Cenário: Jogo de desempate da fase de grupos da Libertadores de 81. O empate era do Flamengo por ter feito mais gols. Jogo em Goiânia.

O arbitro Jose Roberto Wright foi escolhido em comum acordo pelos dois clubes para apitar o jogo.

6 minutos – Cerezo para um contra-ataque fazendo falta em Leandro e toma amarelo. (Cerezo jogava contrariado e obrigado pelo Galo em virtude de ter sido expulso em 79 e ficado 2 jogos fora, o que no entendimento do clube prorrogava seu contrato)
8 minutos – Atlético tem mais chances de gol, jogo intenso, arbitragem dura com os dois lados dando todas as faltas.
13 minutos – Jogo muito intenso com muitas faltas para interrompe-lo e todas bem marcadas até então. Nenhuma polêmica.
17 minutos – Atletico tenta esticar bolas e o Flamengo tenta chegar tocando. Nenhum dos dois consegue. O jogo segue calmo sem nenhuma polemica.
21 minutos – Palhinha faz a segunda falta seguida no meio campo e toma merecido cartão amarelo.
22 minutos – Reinaldo pede pênalti em possível mao na bola do zagueiro. Não da pra ver sem replay, o repórter atrás do gol diz que não aconteceu.
23 minutos – Waguinho deixa o pe na dividida com Junior e toma amarelo merecidamente.
25 minutos – Terceira falta para o Atletico próximo a área. Todas foram.
27 minutos – É assustador como a qualidade técnica era determinante pro jogo. Os dois times apostam 100% no talento pra criar jogadas.
29 minutos – Eder toma um cartão amarelo. Não há imagens nem replay. Os repórteres não explicam o que houve.
30 minutos – Cartão amarelo para Mozer. Correto.
33 minutos – Reinaldo faz falta por tras no Zico e é expulso. Exagerada. Um amarelo estava bem resolvido. Jogo era leal até entao. Tele Santana nos comentarios da tv ao vivo diz a mesma coisa.
34 minutos – Eder expulso. Ele tromba no arbitro e fala alguma coisa. Nao tem replay, nao da pra saber se ele expulsa pelo que foi dito ou se porque acha que a trombada foi proposital.
34 minutos – Invasao de campo por parte da diretoria do Atletico. Jogadores se revolvam, imprensa entra e cercam o juiz.
37 minutos – Diretoria pede que o time se retire de campo. Muita confusão. Jogadores do Atletico começam a xingar o arbitro e tomam cartoes em sequencia. Chicão expulso. Palhinha também xinga o arbitro e é expulso.
38 minutos – Carlos Alberto Silva pede para simular contusões para que o jogo termine pelo numero minimo de jogadores.
40 minutos – Os atleticanos revoltados afirmam que estava tudo armado, o time do Flamengo não se mete em nada e fica treinando faltas no gol.

Já não ha mais contagem de tempo. O Flamengo em campo, o Atletico deixou o gramado. Policia pra todo lado, imprensa pra lá e pra ca. E o Wright espera porque com 7 jogadores ainda há jogo pelo regulamento.

Antes que o Wright encerre o jogo, o Galo volta pro campo e quer jogo. O Wright diz que acabou. Que o tempo prometido para esperar o Galo havia acabado, mas o Atletico esta em campo e quer jogar.

Um torcedor invade o campo para abraçar os jogadores do Flamengo em meio ao caos.
Em nenhum momento os jogadores do Flamengo tomaram qualquer atitude. Desde o começo da confusão se afastaram e apenas esperaram.

Wright manda os dois times cada um pro seu lado e vai recomeçar o jogo. O Atletico tem sete em campo, se reune no gramado e combina o que vai fazer antes da bola rolar novamente.

O arbitro expulsa todo o banco do Atletico, provavelmente pela invasao a campo no momento da expulsao do Eder. O Galo tem 7 em campo, literalmente, e mais nada.

O jogo recomeça, Joao Leite, goleiro do Galo, se joga no chão para que o jogo termine com 6 jogadores. E mesmo com o goleiro caido Wright mantem o jogo e não pára para que ele seja atendido.

A bola para em falta pro Galo. O médico pede para que a maca entre em campo, não tem mais reservas, já fizeram substitutiçoes. O Wright manda os medicos pra fora e Joao Leite segue deitado. Ele entende que é uma contusao armada. Leite é expulso pela cera, se levanta imediatamente.

Fim de jogo no Serra Dourada.

O arbitro sai de campo culpando o Galo, dizendo que é um time que ja entrou para isso em campo. Todos os comentaristas da transmissão e o treinador da seleção Tele Santana também condena o arbitro.

———————————————-

O que vi?

O jogo estava muito bom, os dois times jogavam lealmente e o arbitro apitava corretamente até o lance do Reinaldo.

Não há como alguns dizem uma sequencia de roubos até conseguir tirar o Galo da Libertadores. Há um erro e o resto do que houve é apenas consequência deste erro. Ele não deveria ter expulsado o Reinaldo.

O que vem a seguir são expulsões “justas” por comportamento, mas naturais em virtude do erro do arbitro. Ou seja, um roteiro bastante previsível até. So que ao invés do arbitro ver que errou e fingir que nao está ouvindo, ele bancou a expulsão e deu vermelho pra quem o xingava.

Há um erro grave no jogo. A expulsao do Reinaldo. O restante é consequência disso. Então não consigo ver como um resultado armado, mas sim como uma arbitragem que transformou uma falta na maior bola de neve da história.

Sim, o Galo foi muito prejudicado. Mas por um lance,  não por 10 erros como alguns entendem ter acontecido. Partindo do principio de que ele achou a falta pra vermelho, as demais expulsões sao todas por algo que foi dito e invasão a campo. Logo, todas corretas.  Mas todas elas causadas por um erro dele.

Dá pra pegar o que estou dizendo?

Em resumo, não é o maior assalto da história porque há um erro de arbitragem apenas. Mas é sem dúvida a pior condução de um jogo que já vi. Mesmo errando ali, o juiz poderia ter se acalmado, ignorado uns 5 minutos de xingamentos do time do Galo e segue o jogo. Ele quis bancar, peitar e ter razão… virou o maior vilão de todos os tempos.

E se você ficou curioso e também quer ver, são apenas 35 minutos. Segue o video abaixo.

abs,
RicaPerrone

Assisti Flamengo x Atlético de 1981

Leia o post original por Rica Perrone

Como a maioria das pessoas de menos de 40 anos, ouço falar do polêmico Flamengo x Atletico da Libertadores de 81 como um dos maiores roubos da historia do futebol. E como a maioria deles, também nunca havia assistido ao jogo na integra.

Pois de curiosidade, abrindo uma série no blog sobre jogos antigos, resolvi assistir pra encontrar o meio termo entre os exageros atleticanos e a defensiva rubro-negra.

———————————————-

Cenário: Jogo de desempate da fase de grupos da Libertadores de 81. O empate era do Flamengo por ter feito mais gols. Jogo em Goiânia.

O arbitro Jose Roberto Wright foi escolhido em comum acordo pelos dois clubes para apitar o jogo.

6 minutos – Cerezo para um contra-ataque fazendo falta em Leandro e toma amarelo. (Cerezo jogava contrariado e obrigado pelo Galo em virtude de ter sido expulso em 79 e ficado 2 jogos fora, o que no entendimento do clube prorrogava seu contrato)
8 minutos – Atlético tem mais chances de gol, jogo intenso, arbitragem dura com os dois lados dando todas as faltas.
13 minutos – Jogo muito intenso com muitas faltas para interrompe-lo e todas bem marcadas até então. Nenhuma polêmica.
17 minutos – Atletico tenta esticar bolas e o Flamengo tenta chegar tocando. Nenhum dos dois consegue. O jogo segue calmo sem nenhuma polemica.
21 minutos – Palhinha faz a segunda falta seguida no meio campo e toma merecido cartão amarelo.
22 minutos – Reinaldo pede pênalti em possível mao na bola do zagueiro. Não da pra ver sem replay, o repórter atrás do gol diz que não aconteceu.
23 minutos – Waguinho deixa o pe na dividida com Junior e toma amarelo merecidamente.
25 minutos – Terceira falta para o Atletico próximo a área. Todas foram.
27 minutos – É assustador como a qualidade técnica era determinante pro jogo. Os dois times apostam 100% no talento pra criar jogadas.
29 minutos – Eder toma um cartão amarelo. Não há imagens nem replay. Os repórteres não explicam o que houve.
30 minutos – Cartão amarelo para Mozer. Correto.
33 minutos – Reinaldo faz falta por tras no Zico e é expulso. Exagerada. Um amarelo estava bem resolvido. Jogo era leal até entao. Tele Santana nos comentarios da tv ao vivo diz a mesma coisa.
34 minutos – Eder expulso. Ele tromba no arbitro e fala alguma coisa. Nao tem replay, nao da pra saber se ele expulsa pelo que foi dito ou se porque acha que a trombada foi proposital.
34 minutos – Invasao de campo por parte da diretoria do Atletico. Jogadores se revolvam, imprensa entra e cercam o juiz.
37 minutos – Diretoria pede que o time se retire de campo. Muita confusão. Jogadores do Atletico começam a xingar o arbitro e tomam cartoes em sequencia. Chicão expulso. Palhinha também xinga o arbitro e é expulso.
38 minutos – Carlos Alberto Silva pede para simular contusões para que o jogo termine pelo numero minimo de jogadores.
40 minutos – Os atleticanos revoltados afirmam que estava tudo armado, o time do Flamengo não se mete em nada e fica treinando faltas no gol.

Já não ha mais contagem de tempo. O Flamengo em campo, o Atletico deixou o gramado. Policia pra todo lado, imprensa pra lá e pra ca. E o Wright espera porque com 7 jogadores ainda há jogo pelo regulamento.

Antes que o Wright encerre o jogo, o Galo volta pro campo e quer jogo. O Wright diz que acabou. Que o tempo prometido para esperar o Galo havia acabado, mas o Atletico esta em campo e quer jogar.

Um torcedor invade o campo para abraçar os jogadores do Flamengo em meio ao caos.
Em nenhum momento os jogadores do Flamengo tomaram qualquer atitude. Desde o começo da confusão se afastaram e apenas esperaram.

Wright manda os dois times cada um pro seu lado e vai recomeçar o jogo. O Atletico tem sete em campo, se reune no gramado e combina o que vai fazer antes da bola rolar novamente.

O arbitro expulsa todo o banco do Atletico, provavelmente pela invasao a campo no momento da expulsao do Eder. O Galo tem 7 em campo, literalmente, e mais nada.

O jogo recomeça, Joao Leite, goleiro do Galo, se joga no chão para que o jogo termine com 6 jogadores. E mesmo com o goleiro caido Wright mantem o jogo e não pára para que ele seja atendido.

A bola para em falta pro Galo. O médico pede para que a maca entre em campo, não tem mais reservas, já fizeram substitutiçoes. O Wright manda os medicos pra fora e Joao Leite segue deitado. Ele entende que é uma contusao armada. Leite é expulso pela cera, se levanta imediatamente.

Fim de jogo no Serra Dourada.

O arbitro sai de campo culpando o Galo, dizendo que é um time que ja entrou para isso em campo. Todos os comentaristas da transmissão e o treinador da seleção Tele Santana também condena o arbitro.

———————————————-

O que vi?

O jogo estava muito bom, os dois times jogavam lealmente e o arbitro apitava corretamente até o lance do Reinaldo.

Não há como alguns dizem uma sequencia de roubos até conseguir tirar o Galo da Libertadores. Há um erro e o resto do que houve é apenas consequência deste erro. Ele não deveria ter expulsado o Reinaldo.

O que vem a seguir são expulsões “justas” por comportamento, mas naturais em virtude do erro do arbitro. Ou seja, um roteiro bastante previsível até. So que ao invés do arbitro ver que errou e fingir que nao está ouvindo, ele bancou a expulsão e deu vermelho pra quem o xingava.

Há um erro grave no jogo. A expulsao do Reinaldo. O restante é consequência disso. Então não consigo ver como um resultado armado, mas sim como uma arbitragem que transformou uma falta na maior bola de neve da história.

Sim, o Galo foi muito prejudicado. Mas por um lance,  não por 10 erros como alguns entendem ter acontecido. Partindo do principio de que ele achou a falta pra vermelho, as demais expulsões sao todas por algo que foi dito e invasão a campo. Logo, todas corretas.  Mas todas elas causadas por um erro dele.

Dá pra pegar o que estou dizendo?

Em resumo, não é o maior assalto da história porque há um erro de arbitragem apenas. Mas é sem dúvida a pior condução de um jogo que já vi. Mesmo errando ali, o juiz poderia ter se acalmado, ignorado uns 5 minutos de xingamentos do time do Galo e segue o jogo. Ele quis bancar, peitar e ter razão… virou o maior vilão de todos os tempos.

E se você ficou curioso e também quer ver, são apenas 35 minutos. Segue o video abaixo.

abs,
RicaPerrone

Identidade

Leia o post original por Rica Perrone

Acho incomparável a possível troca de Fred pelo Fla com a ida ao Cruzeiro.  Como falei sobre Kaká outro dia, o mesmo se aplica ao Fred. Ter revelado o jogador não faz dele um ídolo do clube.

A ligação Fred/Cruzeiro nem a esse ponto chega porque ele veio do América. Ou seja, é só um cara que jogou lá (e bem) por 1 ano e meio. Não vi a ida dele pro Galo como “trairagem” ou sequer “polêmica”, idem pra sua volta, embora tenha sido direta.

Ele também não é um ídolo do Galo. Foi só um grande jogador que atuou lá.

Separemos.

No Fluminense ele é um dos maiores, se não for o maior. Ir ao rival tiraria dele uma parte considerável da relação torcida/ídolo que construiu ao longo de 8 anos de clube. Lá foi campeão, jogou Copa, outro patamar.

A ida pro Cruzeiro me chama mais atenção pelo timaço que eles tão montando do que por qualquer dor de corno ou polêmica em terceiros.

Outro dia falava sobre o pensamento pequeno da diretoria do Flu e em massa sua torcida concordava.  Mas sim, achei meio “pequeno” por parte de parte torcida do Flu “comemorar” a ida dele ao Cruzeiro. Afinal, se houve proposta, ele também recusou a sua. Embora “não ir pro Flamengo” seja uma vitória, não se posta festa em família porque o primo saiu de cadeia, né?

Entre os “vencedores e vencidos”, acho que ficou bom pra todos. Eles segue ganhando uma grana, morando perto da família e jogará a Libertadores.

Ah, mas a organizada é contra!

Mais um indicativo que o clube agiu certo. Ótimo reforço. Ainda o melhor do país na posição.

E azar de quem não levou ou não pode pagar.  Simples assim.

Queria eu ter o Fred no meu time.

abs,
RicaPerrone