Arquivo da categoria: Atlético Nacional

Vergonhoso! Apito impede milagre são-paulino na Colômbia!

Leia o post original por Milton Neves

bauza charge ganso

Atlético Nacional 2 x 1 São Paulo

A situação do São Paulo para a decisão contra o Atlético Nacional já era complicadíssima.

Jogando contra 12, então…

Exatamente, contra 12!

Afinal, o que foi a atuação da equipe de arbitragem liderada pelo chileno Patrício Polic?

O escandaloso pênalti em Hudson no final da primeira etapa, não assinalado pelo “Homem de Preto”, mudaria completamente a partida, que já estava empatada em 1 a 1.

E vale lembrar que, apesar de ter sido infantil, Maicon foi injustamente expulso no primeiro duelo entre brasileiros e colombianos, no Morumbi.

Por isso, não é exagero algum afirmar que o Tricolor só está fora da Libertadores por causa da incompetência dos árbitros sul-americanos.

Ah, e no final do duelo teve ainda uma penalidade para o Atlético Nacional, que definiu a eliminação são-paulina.

E foi pênalti, claro, mas o placar já estava manchado desde o primeiro tempo.

Essa mão de Carlinhos na bola veio a calhar para o juizão caseiro.

Mas veja só como são as coisas.

O São Paulo, que por muito tempo foi considerado o maior clube da América do Sul, agora não tem nem mais moral algum nos bastidores da CONMEBOL.

Afinal, não é nada normal ser “operado” nos jogos de ida e volta, não é mesmo?

Mas, bola para frente.

Uma pena que agora o ano praticamente acabou para o Tricolor paulista, oitavo colocado no Brasileirão.

E para piorar, após sofrer com o apito-amigo na Colômbia, o clube do Morumbi enfrenta agora pelo Campeonato Brasileiro o rei do apito-amigo.

Que azar, não é mesmo?

E Edgardo Bauza, hein?

Com esta eliminação, corre risco de perder o cargo no São Paulo?

E quem chegará para ocupar o lugar de Calleri?

Opine!

Mesmo eliminado, São Paulo merece aplausos de sua torcida

Leia o post original por Perrone

Com a derrota por 2 a 1 para o Atlético Nacional, na Colômbia, o São Paulo foi eliminado da Libertadores nesta quarta nas semifinais, fase na qual parecia ser incapaz de chegar. Depois de começar o ano sofrendo com salários atrasados, vestiário rachado, irritação da torcida, acusações de corpo mole e até dando vexame ao perder para o boliviano The Strongest em casa, a equipe de Edgardo Bauza deu a volta por cima. Com garra, aplicação tática e boas atuações individuais, principalmente de Michel Bastos, Paulo Henrique Ganso e Calleri, os tricolores conquistaram o direito de sonhar com o título.

Porém, nas semifinais, o clube brasileiro, sem Ganso, lesionado, foi inferior ao Atlético nos dois jogos, e ainda ficou no prejuízo na primeira partida pela expulsão infantil de Maicon. A diferença entre os adversários foi grande. Ficou a impressão de que mesmo sem o cartão vermelho de Maicon no Morumbi não daria para o clube brasileiro.

Por tudo que superou durante a campanha, o elenco são-paulino merece aplausos de sua torcida e apoio para continuidade da temporada, que não promete ser menos dura do que foi a trajetória no torneio continental. Ainda mais se for repetido o descontrole de alguns jogadores, principalmente Lugano e Wesley, ao final da partida na Colômbia. O pênalti não marcado pelo juiz e um suposto erro na expulsão do zagueiro não justificam o destempero tricolor.

Muito além da chance de título, o que o São Paulo põe em jogo na Colômbia

Leia o post original por Perrone

Superar a derrota para o Atlético Nacional por 2 a 0 em casa e conseguir uma histórica classificação para a final da Libertadores não é tudo que está em jogo para o São Paulo nesta quarta na Colômbia. Veja abaixo os outros reflexos que a partida decisiva deverá ter no futuro tricolor.

Grana

Chegar à final da Libertadores representaria para o clube a entrada de pelo menos mais US$ 1,5 milhão em premiação. Essa é a quantia que a Conmebol dará ao vice-campeão. O título vale US$ 3 milhões. Além disso, como finalista, o São Paulo teria a renda de mais um jogo em casa. Na abertura das semifinais, a arrecadação foi de R$ 7.526.480,00. Já a queda deve condenar a equipe a arrecadações pífias no Brasileirão, caso não haja uma rápida recuperação.

Política

Ser o presidente que levou o São Paulo de volta a uma final de Libertadores, após dez anos sem disputar o título, fortaleceria a campanha do presidente Carlos Augusto de Barros e Silva, o Leco, à reeleição. Ele é o único que já anunciou a candidatura para o pleito de abril do ano que vem. A conquista da taça o tornaria imbatível na votação, acreditam alguns de seus aliados. Porém, a eliminação provavelmente deixará como última imagem de Leco no torneio a de ter alimentado a oposição com a decisão de levar para a Colômbia entre os diretores convidados Ataíde Gil Guerreiro, ex-vice de futebol, atualmente diretor de relações institucionais e que foi expulso do Conselho Deliberativo. A ligação do presidente com Guerreiro é uma das armas dos oposicionistas para tentar tirar votos de Leco.

 Bauza

Em jogo está o prestígio de Edgardo Bauza e a paciência que o torcedor terá com ele daqui para frente. O treinador desembarcou no Morumbi como especialista em Libertadores por ter conquistado dois títulos do torneio. Se reverter na Colômbia a difícil situação da equipe, reforçará esse status. A eliminação aumentaria o barulho em torno de algumas decisões do técnico, como colocar Ganso em campo no segundo tempo do jogo contra o Fluminense e ver o meia se machucar, ficando fora das semifinais. Há também a questão de ele ter preferido improvisar o time a botar Lugano em campo após a expulsão de Maicon no primeiro jogo da semifinal.

Ídolo

Chegar à final vale para Maicon a chance de provar sua importância ajudando o São Paulo à disputar a decisão. Se o time cair na Libertadores, ele terá de conviver com o carimbo de jogador que custou R$ 21,6 milhões e teve participação importante na eliminação ao ser expulso no primeiro jogo com o Atlético Nacional quando a partida ainda estava empatada. Após seu cartão vermelho, os colombianos chegaram com certa facilidade ao placar de 2 a 0.

Despedida

Se o São Paulo for eliminado na Libertadores nesta quarta, a partida contra o Fluminense pelo Brasileirão deverá ficar marcada como a última oficial de Ganso pelo clube. O meia tem boas chances de se transferir para o Sevilla e com a queda nas semifinais perderia a chance de se despedir ajudando o clube a conquistar o título continental.

Clássico

Uma classificação heroica na Colômbia certamente faria o time tricolor chegar com mais moral em Itaquera para enfrentar o Corinthians pelo Brasileirão no domingo, ainda que Bauza decida atuar com reservas. Porém, é natural o abatimento entre times brasileiros eliminados da Libertadores.

Torcida

A vaga na final não daria chances para protestos da Independente, principal organizada são-paulina. Já a eliminação aconteceria justamente no primeiro jogo após a diretoria romper com a uniformizada por causa dos distúrbios na primeira partida das semifinais em volta do Morumbi. A queda pode ser a senha para a Independente fazer fortes cobranças à direção.

Leco leva Ataíde para Colômbia e dá munição à oposição

Leia o post original por Perrone

Com Guilherme Palenzuela, do UOL, em São Paulo

A presença de Ataíde Gil Guerreiro, ex-vice de futebol do São Paulo, no hotel em que a delegação do time está na Colômbia deu mais munição aos opositores do presidente do clube, Carlos Augusto de Barros e Silva. Leco é o único até agora a anunciar que será candidato à presidência em abril do ano que vem.

O ex-vice e agora diretor de relações institucionais foi fotografado em pelo menos duas situações, uma ao lado do executivo Gustavo Vieira de Oliveira e outra com Leco no hotel em que o time está para o confronto decisivo contra o Atlético Nacional, nesta quarta, pelas semifinais da Libertadores.

Rapidamente as fotos começaram a rodar entre conselheiros. Foi a senha para opositores afirmarem que Leco desrespeitou o Conselho Deliberativo. O órgão expulsou Ataíde de seus quadros sob a acusação de agredir o então presidente Carlos Miguel Aidar, também expulso por supostas irregularidades negadas por ele.

O ex-vice foi afastado do conselho por 120 votos numa sessão com 178 votantes, o que indica o apoio até de situacionistas à exclusão.

Leco já enfrentava um pedido de moção de desconfiança contra ele no conselho por ter mantido Ataíde em sua diretoria. O documento, que deverá ser votado pelos conselheiros, ganhou a promessa de mais assinaturas depois do novo episódio envolvendo o ex-vice.

Os opositores também alegam que a presença de Ataíde mostra que ele ainda tem influência no futebol são-paulino, principalmente porque o vice-presidente da área, José Alexandre Medicis da Silveira, não está presente.

Procurada pelo blog, a assessoria de imprensa do São Paulo afirmou que Medicis não viajou com o time por questões pessoais e que o departamento de futebol está representado por José Jacobson Neto, diretor do setor, Gustavo e Leco.

A assessoria também negou relação do ex-vice com o futebol tricolor e disse que ele foi convidado assim como outros diretores. O clube viajou em voo fretado e chegou a vender mais de 60 assentos para torcedores. Todos cartolas viajaram como convidados.

Sambou

Também procurado pelo blog, Newton Luiz Ferreira, o Newton do Chapéu, candidato à presidência derrotado por Leco, se manifestou sobre as fotos que mostraram Ataíde com a delegação.

“Como o Leco o reconduziu à diretoria, apesar de ele ter sido expulso do conselho, considero normal o estafe estar na Colômbia, desde que cada um tenha pago seus gastos com a viagem. Desrespeito foi a nomeação dele como diretor institucional, o resto é consequência”, disse Newton.

Ele também é alvo de polêmica por causa de uma foto postada em rede social. O opositor aparece num evento da escola de samba da torcida organizada Dragões da Real.

A imagem foi resgatada por apoiadores de Leco após Newton cobrar um posicionamento da diretoria sobre os distúrbios que ocorreram do lado de fora do Morumbi, na última quarta, envolvendo, segundo a PM, membros da Independente, maior uniformizada do clube. Em seu texto, Newton criticava Leco por colaborar com as organizadas.

“Estava na escola de samba que é independente da torcida. Sempre defendi o diálogo”, disse Newton ao blog. O conselheiro também enviou um texto no qual afirma que se envolve com desfiles de Carnaval desde os anos 1980 e que participou de um feijoada promovida pela Dragões no lançamento do samba da agremiação para o Carnaval de 2016. Declarou ainda ter se motivado a apresentar um samba para concorrer à indicação na escola para 2017.

Independente x PM. As duas versões da guerra

Leia o post original por Perrone

O que aconteceu para que o entorno do Morumbi virasse palco de cenas de horror após a vitória do Atlético Nacional, da Colômbia, por 2 a 0 sobre o São Paulo pela Libertadores na última quarta?

Para Henrique Gomes, presidente da Independente, principal uniformizada são-paulina, a PM se comporta como uma torcida organizada, e esse comportamento agressivo foi o estopim para a confusão. Se foi briga premeditada, então a PM perdeu de 15 a 1 em número de feridos, diz o tenente-coronel Luiz Gonzaga de Oliveira Júnior, do 2º Batalhão de Choque, responsável pelo policiamento nos estádios paulistas ao negar que os policiais tenham procurado encrenca.

Leia as explicações deles dadas em conversas individuais por telefone.

 Blog – O que motivou os distúrbios do lado de fora do Morumbi?

Baby – Em primeiro lugar, o que motivou é que todo jogo a gente vai receber o time lá embaixo (no portão de entrada) só que dessa vez a gente chegou mais cedo e foi abordado pelo policiamento. Falaram que era pra gente se afastar e que quando o time chegasse as grades voltariam de novo pra perto do ônibus. Afastei o pessoal, faltando 20 minutos para o ônibus chegar, falei com o batalhão. Ele simplesmente falou que não iriam aproximar porra nenhuma, que quem manda lá são eles, que eles gostam de briga, que jogo cheio assim é legal e que demorou. Eu comuniquei o comandante. Daí deu nisso aí.

Tenente-coronel – O procedimento de segurança que a gente usa na chegada das delegações é de não deixar a torcida muito perto mesmo porque é complicado. Isso já foi conversado, estão dando uma desculpa pra tentarem justificar o que fizeram. A diretoria do São Paulo vive pedindo pra gente para que o ônibus pare e desembarque ali na praça e que a delegação passe pela torcida. Isso é um absurdo, uma irresponsabilidade, porque um jogador pode ser atingido por uma garrafa, um rojão.

Baby – Vou deixar bem claro pra vocês aí, mano, a Polícia Militar de São Paulo, hoje, o 2º Batalhão de Choque, ela é uma torcida organizada que se esconde atrás de uma farda. Incita a violência a todo minuto e a todo momento. Eles são pagos pelo São Paulo para garantir a segurança nos jogos, mas já chegam revoltados, no puro ódio, discriminando, falando pra você que hoje é dia de porrada. Então, vai fazer o que? Eles prometeram desde o começo.

Tenente-coronel – Eles (integrantes da Independente) têm que arrumar uma desculpa. O policial veio pra brigar? Então o placar tá 15 a 1 pra eles porque eu tenho 15 policiais machucados, e só um torcedor foi preso machucado. Um tomou uma pancada de cassetete e se machucou, fez uma marca nas costas. Tenho policial que tomou 30 pontos na perna, além das queimaduras de rojão. Tenho policial que tomou 20 pontos no braço, policial que tomou sete pontos na boca e perdeu dente da frente, é lesão corporal grave. Ele tomou uma garrafada. Eles (torcedores organizados) estão ganhando então nessa conta. A gente não estava lá pra brigar, estava pra reestabelecer a ordem e deixar o torcedor comum ir embora. Não usamos gás lacrimogêneo para dispersá-los porque a gente atingiria o torcedor comum. Só usei nas ruas paralelas, onde estava havendo confronto. Sempre procuramos preservar o torcedor comum, agora, o torcedor que quer o embate, a gente tenta reestabelecer a ordem. E não queremos ficar brigando com eles, queremos dispersá-los.

 Baby – Pode colocar também que o maior culpado é o senhor [promotor] Paulo Castilho  porque colocou torcida única no Estado de São Paulo e proibiu entrada de material, de faixas, isso favoreceu a quem? Aos maus torcedores, aqueles que se infiltram sem camiseta, que você não tem controle. Acaba beneficiando o que aconteceu.

Paulo Castilho – Eu já tinha falado que as torcidas organizadas iriam aprontar pra falar que a torcida única não funciona. Torcida única foi uma das medidas tentando coibir violência entres as torcidas organizadas. Mas não é de hoje que existe briga entre torcedores do mesmo time. Estão querendo dar ênfase a isso pra dizer que a torcida única não resolve o problema. Quem não tem argumento fala qualquer coisa. Falar até papagaio fala.

Blog – Lendo as redes sociais, a impressão que temos é de que a confusão começou porque membros de organizadas estavam com raiva dos torcedores que só aparecem nos jogos de Libertadores e que são chamados de modinhas. Não foi isso que aconteceu?

Baby – Discordo. Não posso falar com certeza o que aconteceu do lado de fora porque eu estava dentro do estádio. A Independente ficou até o final do jogo e quando acabou a gente não conseguiu sair porque os portões estavam fechados. Não é um problema nosso quatro, cinco mil torcedores do lado de fora que não conseguem ingresso. Teve uma situação, o pessoal começou a hostilizar quem estava saindo, aí pé frio, trocavam ofensas, mas foi coisa mínima, não foi pra gerar o que gerou do policiamento com a torcida. O pessoal de fora estava revoltado, acho, porque não conseguiu ingresso e o pessoal de dentro saindo com 2 a 0. Isso é emocional da partida. Mas a Independente respeita toda a torcida do São Paulo, não faz divisão de A,B ou C e repudia o que aconteceu do lado de fora. Mas a rivalidade começou antes de começar o jogo entre a PM e a torcida. Eles prometeram o jogo inteiro arrumar confusão.

BlogTeve arrastão?

Baby – Quer que eu te fale? [O ator] Henri Castelli estave com nós na hora de receber o time, e roubaram o celular dele. Estava com camisa da torcida e boné e foi roubado. Pra quem não sabe, em grandes jogos, virada cultural, eventos, existe uma quadrilha especializada em furtos. Não é problema nosso, é do Estado. Ao redor do Morumbi também tem muito assalto. Querer dizer que foi a torcida organizada que roubou, pelo amor de Deus.

Tenente-coronel – Só ver as imagens das câmeras de segurança do São Paulo. Elas são bem claras. Enquanto o torcedor comum tá saindo do estádio, eles (membros de organizadas) cometem um verdadeiro arrastão. Agridem e tomam tudo das pessoas que estão saindo do estádio. Eles atacaram todo mundo. Num primeiro momento, atacaram os vendedores ambulantes. Depois atacaram os torcedores. No ataque aos ambulantes, eles estão com a cara limpa. Quando começam a atacar o torcedor comum, eles colocam camiseta no rosto. A imagem da câmera do Morumbi é de longe, não dá pra fazer identificação.  Mas eu, como oficial do choque, estou aqui há 23 anos, nunca vi um negócio daqueles acontecer. Eles atavam indiscriminadamente atacando qualquer torcedor que estava saindo, tomavam carteira, celulares, e assim por diante. Até chegar nosso policiamento. Daí partiram pra cima da gente.

Blog -Torcedoras relataram terem sido assediadas (clique aqui e leia no Blog do Menon). O que houve?

Baby – Assédio, assédio do que? Quem foi a pessoa, fez o que? Elas fizeram B.O.? Tem reconhecimento? Sabem quem foi? É o que?

Coronel – Isso eu não vi, não posso falar.

Estava difícil. Daí, vem a expulsão de Maicon

Leia o post original por Antero Greco

Quando os melhores jogadores do Atlético Nacional começaram a ser procurados por outros times, os torcedores do São Paulo comemoraram. A saída dos craques colombianos, com certeza facilitaria a disputa das semifinais da Libertadores.

Mas, como tudo na vida é imprevisível, um dos reforços contratados pela equipe de Medellin transformou a noite tricolor num pesadelo no Morumbi: São Paulo 0 x 2 Atlético Nacional – dois gols de Borja.

Miguel Angel Borja Hernandez jogava no Cortuluá, quando a Libertadores foi interrompida para a disputa da Copa América. Artilheiro do Campeonato Colombiano, com 19 gols, chamou a atenção do técnico Reinaldo Rueda, que pediu imediatamente a contratação.

Ele chegou, vestiu a camisa 23 e mostrou futebol de gente grande, infernizando a defesa tricolor.

Depois de um primeiro tempo equilibrado, em que o São Paulo sentiu a falta da inteligência de Paulo Henrique Ganso (machucado e assistindo o jogo no estádio), a partida recomeçou com três boas jogadas de Borja: aos 12 minutos, com um chute que desviou em Maicon e se perdeu em escanteio; aos 13, quando cabeceou a bola no travessão e aos 14, quando obrigou Denis a uma grande defesa.

O São Paulo não conseguia se impor. A bola chegava com dificuldade ao ataque. Calleri se perdia no meio da zaga adversária. E jogando em alto nível mesmo só Michel Bastos, que chegou perto do gol de abertura, com um chute fortíssimo, que o goleiro Armani conseguiu espalmar.

Quando parecia que o tricolor iria embalar, com o apoio de sua torcida, eis que o zagueiro Maicon comete um erro infantil, para quem usa a faixa de capitão. Preocupado em recolocar a bola em jogo rapidamente, ele empurrou a cabeça adivinhem quem? Sim, Borja. E foi expulso. Exagero da arbitragem, em minha opinião. Mas Maicon poderia ter passado sem aquele gesto.

O técnico Edgardo Bauza não colocou zagueiro em campo para recompor a defesa. E o desastre se abateu sobre os são-paulinos: aos 36 minutos, com uma tabela curta e envolvente, os colombianos chegaram ao gol, com Borja.

Aos 43, Borja de novo, depois de receber passe de calcanhar de Moreno. Dois a zero. Placar justíssimo, de um time melhor postado em campo. De um time que não apelou, não praticou o anti-jogo, não fez a velha cera e vai para o segundo jogo em Medellin com grandes chances de passar à final.

Para o São Paulo resta fazer o jogo perfeito na próxima quarta-feira e fazer de tudo para anular Borja.

(Com participação de Roberto Salim.)

O que é justo e injusto

Leia o post original por Rica Perrone

É absolutamente justo o resultado do jogo no Morumbi. Com Maicon, sem Maicon, o Nacional foi melhor, muito mais organizado e teve méritos em vencer a partida. É injusto que por 2×0, talvez.  Mas não pelo volume, pela expulsão do Maicon. Essa, pra mim, absolutamente injusta. Absurda, covarde, típica do futebol atual. O jogador empurra …

São Paulo acertou com Maicon? E a ausência do Ganso?

Leia o post original por Fernando Sampaio

ganso foraNo último post do São Paulo, recebi uma pergunta do internauta Tiago.

O que você achou da contratação do Maicon?

Pergunta interessante.

Os profissionais que trabalham no futebol, aqueles com quem converso, acharam loucura. Lucão é jovem, tem potencial. Maicon não é mais criança. Dificilmente será vendido por um valor maior no futuro. Neste sentido, pensando em termos de futuro, “investimento”, pareceu loucura mesmo.

Mas a negociação não foi feita pensando no retorno financeiro.

Foi feita pelo momento, necessidade imediata.

A contratação do Maicon com certeza foi decidida pelo momento atual. Não acredito que o São Paulo pagaria tudo isso se estivesse fora da Libertadores. O Porto estava certo, aproveitou a situação e cobrou caro. O desespero contou na negociação.

A curto prazo achei uma boa, a longo prazo tenho dúvidas.

A Inter de Milão esteve aqui atrás do Lucão. O São Paulo não vendeu. Claro, o garoto passou por todas as seleções de base do Brasil. Raríssimos jogadores atuaram tantas partidas como titular do São Paulo aos 19 anos. Lucão pode virar Casemiro. Se no futuro vingar nas grandes equipes da Europa vamos ouvir a desculpa: “Ah, lá virou profissional, blá, blá, blá..” .

Bobagem, o jogador vai amadurecer com a idade.

Maicon era reserva do Porto. Foi emprestado. Chegou aqui e arrebentou. Enquanto isso, Lucão foi queimado pela torcida. Faz parte da vida. Subiu num dos piores São Paulo da história, jogando ao lado de Denis, Bruno, Carlinhos, Hudson e Cia. Não teve a oportunidade de jogar numa equipe experiente, como vários zagueiros do Corinthians que acabaram vendidos.

Faz total diferença no primeiro ano de profissional jogar com Cássio, Gil, Fábio Santos, Ralf, Elias, Renato Augusto…

Hoje, a contratação do Maicon deve ser comemorada.

Daqui há alguns anos não sei se estaremos pensando da mesma forma.

Futebol tem muita paixão e emoção, muito pouca razão.

Ganso está fora.

Complicado, mas o São Paulo não pode depender só do Ganso. Para chegar na final da Libertadores é preciso mais que isso. Ganso não é Neymar ou D’Alessandro que já decidiram Libertadores.  O Atlético Nacional tem muito mais problemas, está sem ritmo de jogo, mudanças no elenco… Maicon, Calleri e Michel Bastos tem condições de fazer a diferença. Mena é fraco mas é experiente, está voltando de uma conquista importante, confiante. Bauza e Lugano fazem diferença fora de campo.

Enfim, acredito no São Paulo mesmo sem Ganso.

Atlético Nacional é favorito na semifinal

Leia o post original por Fernando Sampaio

nacional_x_rosario_apCalma.

Favorito não significa finalista.

O São Paulo tem camisa. No mata-mata tudo é possível.

Sim, mas o Atlético Nacional foi a equipe que apresentou o melhor futebol até aqui na Libertadores. Classificou com 5 vitórias, 1 empate. Goleou o Peñarol no Uruguai 4×0, ganhou do Huracan na Argentina 2×0… Fez 12 gols, não levou nenhum. Todos os outros levaram pelo menos 4 gols na fase de grupos.

A única derrota foi agora nas quartas para o Rosário Central, na Argentina.

Mesmo assim só 1×0.

Ontem foi prejudicado pela arbitragem. Levou um gol de pênalti inexistente. Saiu atrás, foi lá, batalhou e empatou no final do primeiro tempo. Voltou alucinado, pressionando, encurralou o Rosário, virou 2×1, aos 50 minutos fez o gol da classificação heroica.

Sensacional.

O time montado pelo Osório é moderno, defesa forte, volantes habilidosos, atacantes rápidos, toca bem a bola. Adversário duríssimo. Além da qualidade tem o fator Medellín. O Atanasio Girardot é sacanagem. Quando fez 3×1, Berrío provocou o goleiro Sosa. Os argentinos reagiram. Os gandulas entraram para brigar com os visitantes. O campo foi invadido. Não tem alambrado. É só uma grade. Várzea total.

Será “Super Semifinal”.

O São Paulo pode até passar, é óbvio, mas o favorito é o Atlético Nacional.

 

Foto AP

Timão e Galo bem, Grêmio mal

Leia o post original por Fernando Sampaio

timaoO Atlético-MG poderia ter saído com a vitória.

No final quase perdeu.

Foram duas chances para cada lado com o Galo melhor no jogo.

Para o Corinthians o empate ficou de bom tamanho.

O Nacional foi melhor no jogo, o Timão não criou uma única chance.

Apesar do 0x0 ser o pior dos empates acredito em vitórias brasileiras na volta.

Atlético Mineiro e Corinthians são melhores que Racing e Nacional do Uruguai.

Já o Grêmio, perdeu no Olímpico e ficou distante da classificação.

Nos outros confrontos apostaria no Atlético Nacional e Pumas.

A propósito, alguém ainda acredita na trinca Dillma, Lulla e PT?

É possível, o Brasil não está nesta situação por acaso.

 

 

Foto Daniel Augusto Jr./Agência Corinthians