Todos os posts de Fernando Sampaio

Croácia conquista segundo título da Davis

Leia o post original por Fernando Sampaio

A Croácia levou o título da Copa Davis 2018 batendo neste domingo a França na cidade francesa de Lille. E, pela segunda vez, Marin Cilic foi mais uma vez o carrasco dos franceses. Em 2016 Cilic venceu três partidas na semifinal contra os franceses. Desta vez Cilic venceu as duas partidas de simples, sexta-feira contra Jo-Wilfried Tsonga e neste domingo marcou o ponto decisivo contra Lucas Pouille, parciais de 76 (3) 63 63

“Não é todo dia que você se torna campeão mundial”, disse Cilic momentos após a vitória. “Para nós é um sonho que se tornou realidade, para esta nação, somos tão apaixonados, você pode ver que os fãs estão se divertindo. Eu sinto que na Croácia isso vai ser incrível também “.

Na sexta-feira a Croácia já havia dado o passo decisivo para a conquista do seu segundo título. Borna Coric abriu o confronto batendo Jeremy Chardy por 3 a 0, parciais 6/2, 7/5 e 6/4. Depois, Cilic venceu Tsonga também por 3 a 0, parciais 6/3, 7/5 e 6/4. A França conseguiu sua única vitória nas duplas. Sábado, Nicolas Mahut e Pierre-Hugues Herbert venceram Ivan Dodig e Mate Pavic por 3 a 1, parciais 6/4, 6/4, 3/6 e 7/6.

Com os franceses perdendo por 2 a 1, Yannick Noah tinha que vencer os dois jogos deste domingo para se tornar o primeiro time desde 1939 a virar um 2-0 numa final da Copa Davis. O capitão da equipe francesa apostou em Lucas Poullie no lugar de Jeremy Chardy.  Em 2017, Pouille marcou o ponto decisivo contra a Bélgica na conquista do décimo título da França na Copa Davis. Mas, Cilic estava muito sólido e venceria qualquer um dos atuais tenistas franceses.

A primeira conquista da Croácia em 2005 também fora de casa. Os croatas venceram a Eslováquia em Bratislava. Esta foi a quinta vez nas seis edições mais recentes do torneio em que o país visitante conquistou o título. Além vitória na final fora de casa, a Croácia venceu este ano três confrontos em casa: Canadá, Cazaquistão e Estados Unidos.

Croácia, campeã da Davis em 2005 e 2018 !!!

Croácia quer revanche da Copa na Rússia

Leia o post original por Fernando Sampaio

França e Croácia disputam a partir desta sexta-feira a final da Copa Davis. O confronto será realizado na cidade francesa de Lille. O croata Marin Cilic não acredita em favoritismo: “É difícil dizer que uma equipe é a favorita. Ambas as equipes têm suas próprias vantagens “.
Quando perguntado se a transição da quadra dura para a quadra de saibro, o número 7 do mundo que estava jogando o ATP Finals em Londres acrescentou: “Eu estarei pronto. Já tivemos Copa Davis no saibro imediatamente após torneios de quadra dura. Eu acredito que vou ficar bem, ajustando meu jogo, as condições do saibro em quadra coberta como aqui são mais rápidas do que a de saibro ao ar livre. Eu estarei bem.”

O capitão da equipe croata Zeljko Krajan
explicou que sua equipe não recebeu nenhuma mensagem de nenhum jogador de futebol da Croácia, mas acrescentou: “Eu sei que eles ficarão felizes se nos vingarmos da final da Copa do Mundo.”
O especialista em duplas Mate Pavic, jogador de 25 anos, espera conseguir a primeira vitória na Copa Davis, depois de perder todos os jogos até aqui: “Eles têm uma equipe que pode jogar bem em qualquer superfície”, explicou Pavic. “Eles se adaptam bem. Mas não vejo o saibro como uma grande vantagem para eles”.
O confronto acontece no Stade Pierre Mauroy de 23 a 25 de novembro.

Zverev conquista seu maior título

Leia o post original por Fernando Sampaio

Alexander Zverev conquistou neste domingo o ATP Finals batendo na final o número 1 do mundo, Novak Djokovic, por 6-4 e 6-3. Foi o maior título de sua carreira. Com apenas de 21 anos, Zverev é o jogador mais jovem a vencer o Finals desde Djokovic em 2008 e o primeiro alemão a erguer o troféu desde Becker em 1995.

“Agora eu realmente não posso descrever”, disse Zverev. “Estou inacreditavelmente feliz, obviamente, é o maior título que já ganhei.”

Djokovic era o favorito, havia vencido 35 de seus últimos 37 jogos e quatro dias atrás havia vencido Zverev na fase de grupos. Mas, a partir do primeiro ponto da partida o alemão mostrou muita coragem e personalidade.

“Eu gostaria de parabenizar o Novak em uma ótima semana e na segunda metade da temporada. Você mal perdeu um jogo e estou muito grato por ter perdido para mim hoje”, disse Zverev. “Nós tocamos duas vezes esta semana. Todo mundo sabe o quão bom de um tenista você é, mas eu quero mencionar o quão bom de uma pessoa você é. Nós tivemos muitas boas conversas sobre a vida. Eu aprecio você me deixar ganhe o título hoje “.

Zverev embolsou US $ 2.509.000 e somou 1.300 pontos no Ranking ATP e termina o ano como número 4 do ranking pela segunda temporada consecutiva.

 

 

Federer, feliz apesar da eliminação

Leia o post original por Fernando Sampaio

Roger Federer foi eliminado neste sábado pelo jovem alemão Alexander Zverev nas semifinais do ATP Finals. O suíço perdeu a chance de aumentar o recorde para sete títulos de Finals e conquistar seu centésimo troféu da ATP, tornando-se o segundo jogador a fazê-lo depois de Jimmy Connors (109). Talvez o fato de Federer, aos 37 anos, ter tido a chance de participar pela décima primeira vez do torneio que reúne os oito melhores da temporada tenha falado ainda mais alto do que a decepção da derrota na Arena O2, em Londres.

“Estou muito orgulhoso de que aos 37 anos ainda ser tão competitivo e tão feliz jogando tênis. Desse ponto de vista, por mais desapontado que eu possa estar em relação a este jogo, se eu der um passo atrás, estou realmente muito feliz com a temporada”, disse Federer. “Tem sido uma época histórica em alguns aspectos. Voltei para o World No. 1. Para mim, esse foi um grande momento na minha vida, para ser honesto, na minha carreira, porque nunca pensei que chegaria lá novamente. ”

Em janeiro de 2017, Federer caiu para o 17º lugar no ranking da ATP, depois de perder seis meses devido a uma lesão no joelho. O suíço nunca teve um ranking tão baixo em mais de 15 anos. Federer lutou de volta e, em fevereiro, depois de vencer o ABN Amro World Tennis Tournament pela terceira vez, retornou ao topo, tornando-se o jogador mais velho a alcançar o primeiro lugar do ranking e bater o recorde do maior período entre como o No. 1 do mundo.

“[Pete] Sampras uma vez disse: ‘Se você ganhar um Slam, é uma boa temporada’. Então [minha temporada] começou ótima. Eu joguei super bem na Austrália novamente. Então, obviamente, mal posso esperar para voltar lá em alguns meses ”, disse Federer, que termina o ano com um recorde de 48-10. “A segunda metade da temporada poderia ter sido melhor, talvez. Eu também tenho grandes esperanças de sempre fazer bem. Então, estou feliz por ter me dado oportunidades novamente naquela segunda metade da temporada. Eu talvez tenha perdido alguns jogos muito próximos que poderiam ter mudado as coisas para mim um pouco. ”

Federer termina o ano em 3º lugar no ranking da ATP e pela 14ª vez termina dentro do Top 3.

“Cinco anos atrás, onde eu estava? Eu provavelmente estava lutando com dor nas costas em décimo terceiro, não tenho certeza se eu iria descobrir essa dor nas costas novamente porque eu tinha isso por quase quatro ou cinco meses da temporada. Isso realmente balançou meu tênis por um tempo ”, admitiu Federer. “Aqui estou tendo uma temporada muito boa fisicamente, também, ganhei outro Slam, voltei para No. 1. Então, sim, você pode ver isso como uma temporada muito, muito positiva. É provavelmente assim que vou olhar para trás também. ”

Soares e Murray param nas semifinais

Leia o post original por Fernando Sampaio

Bruno Soares e Jamie Murray fizeram uma bela campanha no ATP Finals em Londres e terminaram o Grupo Llodra / Santoro invictos com 3 vitórias. Na estreia derrotaram o sul-africano Raven Klaasen e o neozelandês Mchael Venus por 7/6 (5), 4/6 e 10-5. Na segunda partida, bateram os colombianos Juan Sebastian Cabal e Robert Farah 6/4 e 6/3. Na última, vitória em cima da dupla do finlandês Henri Kontinen e o australiano John Peers por 3-6, 7-6 (3) e 10-3.
Apesar da melhor campanha na fase de grupos Murray e Soares foram superados pelos norte-americanos Mike Bryan e Jack Sock  por 6-3, 4-6 e 10-4 nas semifinais. Este é o terceiro ano consecutivo que a dupla é  eliminada nesta fase do Finals. Bruno Soares pela quarta vez em cinco participações não conseguiu chegar na final.
“Realmente foi um jogaço hoje (sábado). Todo mundo afiado e jogando bem, foi decidido nos detalhes. No primeiro set, os dois pontos decisivos caíram para eles. O segundo set foi parecido, bem próximo e caiu para nós. No match tie-break deu tudo certo para eles, jogaram muito”, avaliou Bruno Soares, campeão de cinco Grand Slams em duplas masculinas e mistas.
“Estou feliz com mais uma bela temporada, mais um bom Finals. Agora estou oficialmente de férias, vou descansar e começar a preparação para o ano que vem. Começamos a temporada em Doha de novo”, declarou Bruno Soares.

Melo e Kubot continuam juntos para 2019

Leia o post original por Fernando Sampaio

Marcelo Melo e Lukasz Kubot terminaram a temporada vencendo o austríaco Oliver Marach e o croata Mate Pavic no ATP Finals. Mas, acabaram encerrando sua participação, na O2 Arena, em Londres, na Inglaterra, pelo critério de desempate, de porcentagem de games. A dupla encerrou o ano com a conquista de quatro títulos. Além de Beijing e Xangai, na China, comemoraram no ATP 250 de Sidney, Austrália, e no ATP 500 de Halle, na Alemanha, sendo ainda vice-campeões no Grand Slam norte-americano, o US Open.

“Ficamos felizes com a temporada que tivemos. Começamos o ano complicado, depois conseguimos terminar muito bem, especialmente classificando para o Finals. E hoje, com essa vitória, jogamos bem. Encerrar com uma vitória é sempre muito bom, especialmente em um Finals. Foi mais um excelente ano, muito feliz por estar aqui jogando pela sexta vez”, explicou Marcelo.

“Eu e o Lukasz continuamos firme em 2019 com a parceria. Logicamente queríamos ter classificado, mas não deu. Fizemos o que foi possível. Agora é descansar para começar bem a temporada ano que vem”, completou.

No Finals, Melo e Kubot perderam para os finalistas do torneio na fase de grupos, primeiro para os norte-americanos Mike Bryan e Jack Sock, na estreia, e depois para os franceses Pierre-Hugues Herbert e Nicolas Mahut, na segunda rodada, e passaram a depender de uma combinação de resultados para seguir no torneio.

Esta foi a sexta participação seguida de Melo no Finals – recordista entre os brasileiros –, a quinta de Kubot e a segunda jogando juntos – terminaram como vice-campeões no ano passado. Marcelo foi vice, também, em 2014, ao lado do croata Ivan Dodig. Melo e Kubot estão na terceira colocação no ranking mundial de duplas. A liderança é de Marach e Pavic. No ranking mundial individual de duplas, dividem a sétima colocação.

Melo perde a segunda mas segue vivo

Leia o post original por Fernando Sampaio

Marcelo Melo e Lukasz Kubot sofreram a segunda derrota em Londres e ficaram em situação complicada. O mineiro e o polonês perderam para os franceses Pierre-Hugues Herbert e Nicolas Mahut por 6/2 e 6/4 em 1h09 de partida nesta quarta-feira.

Embora tenham perdido seus dois jogos pelo Grupo Knowles/Nestor no Finals e não tenham vencido um set sequer, Melo e Kubot ainda não estão eliminados do torneio. O mineiro e o polonês precisarão vencer na sexta-feira o austríaco Oliver Marach e o croata Mate Pavic em dois sets, torcer para que os norte-americanos Mike Bryan e Jack Sock superem Herbert e Mahut também em sets diretos para tentar a segunda vaga do grupo pelo percentual de games vencidos.

A chave em que Melo e Kubot estão é fortíssima. Campeões de Wimbledon no ano passado e finalistas do US Open em setembro último, o mineiro e o polonês são os únicos que não venceram um Grand Slam na temporada. Marach e Pavic conquistaram o Australian Open, Herbert e Mahut ganharam Roland Garros, enquanto Bryan e Sock foram campeões de Wimbledon e do US Open em 2018.

Esta é a sexta participação seguida de Marcelo Melo no ATP Finals, sendo a segunda ao lado de Kubot. A parceria foi vice-campeã na edição passada e o mineiro também foi finalista em 2014, quando atuava junto do croata Ivan Dodig. A única vez em que o jogador de 35 anos foi eliminado ainda na fase de grupos aconteceu em 2016.

Fonte www.tenisbrasil.com.br

Djokovic vence a segunda e busca sétimo Finals

Leia o post original por Fernando Sampaio

Novak Djokovic conquistou nesta quarta-feira (14/11) a segunda vitória no Grupo Guga Kuerten do ATP Finals, superando o alemão Alexander Zverev por 6-4 e 6-1. O número 1 do mundo, que tenta levantar o sexto troféu no final da temporada, conquistou 75 por cento dos pontos no primeiro saque e salvou os dois pontos de quebra que enfrentou para conquistar a vitória aos 76 minutos.

Depois das vitórias contra Isner e Zverev, Djokovic irá se classificar para as semifinais pela oitava vez se John Isner derrotar Marin Cilic na noite desta quarta-feira. O jogador de 30 anos também vai se classificar para os quatro últimos se Cilic bater Isner em três sets.

“Eu pensei que joguei bem do meio do segundo set”, disse Djokovic. “Eu comecei a balançar a bola. Eu não tenho servido tão bem. Ele obviamente fez muitos erros não-forçados que me permitiram ganhar mais do que o esperado.”

Soares/Murray nas semifinais

Leia o post original por Fernando Sampaio

Jamie Murray e Bruno Soares se tornaram a primeira dupla a se classificar para as semifinais do ATP Finals na noite de terça-feira. Cabeças de chave quatro, os dois derrotaram os colombianos Juan Sebastian Cabal e Robert Farah, pela terceira vez em quatro encontros neste ano, por 6/4 e 6/3, em 73 minutos.

A equipe britânica / brasileira melhorou para 5-2 o retrospecto contra Cabal e Farah, que inclui três confrontos no ATP World Tour Masters 1000 este ano: Roma, Cincinnati e Xangai. Murray e Soares estão agora com 40 vitórias e 18 derrotas na temporada. Na quinta-feira, já classificados, Murray e Soares enfrentam Nikola Mektic e Alexander Peya.

“Estamos muito felizes em ganhar”, disse Murray. “Estou muito feliz por chegar às meias-finais com uma partida ainda por ir. Acho que jogamos uma partida muito boa esta noite. Sempre seria difícil contra esses caras, porque eles sempre competem muito bem. Anteriormente, quando jogávamos, sempre sentimos que jogamos bem contra eles, mas meio que lutamos para fechar as partidas. Hoje fizemos um bom trabalho nisso. Nós enfrentamos alguns revezes na partida, mas nós lutamos muito e não nos afetou muito. Estaremos tentando vencer [nosso próximo jogo]. Acho importante manter o nível de desempenho que tivemos nas primeiras partidas. Eu acho que ganhar mantém a confiança. ”

Ronaldo curte vitória de Djokovic

Leia o post original por Fernando Sampaio

Cristiano Ronaldo teve um belo domingo, marcou seu primeiro gol no famoso San Siro para a Juventus contra o Milan. Ontem, o português saiu de Milão e foi até Londres para curtir a estreia vitoriosa de Novak Djokovic contra John Isner por 6/4 3e 6/3. “Eu tinha as cores do clube dele em minha roupa hoje à noite”, brincou Djokovic, que usava preto e branco. “Tenho certeza que ele ficou feliz em ver isso.”
Não é a primeira vez que Ronaldo assiste Djokovic ou a qualquer profissional de tênis em pessoa. No ano passado, o jogador de futebol estava presente quando Rafael Nadal derrotou Djokovic nas semifinais do Mutua Madrid Open. “É ótimo ter uma grande estrela do futebol, uma estrela do esporte como ele, uma quadra assistindo ao tênis. Ele costumava vir e assistir muito em Madri. Rafa, claro, Roger, eu mesmo. Ele é fã de tênis. É realmente muito bom ”, disse Djokovic. “Ele é uma das maiores estrelas do esporte na última década. É ótimo para o nosso esporte tê-lo aqui. Eu vi que ele estava lá com sua família. Não tive a chance de vê-lo após o jogo, mas espero ter essa chance talvez no final desta semana. ”
Djokovic voltará em ação nesta quarta-feira (14), quando enfrenta Alexander Zverev. O alemão derrotou na estreia o croata Marin Cilic, no primeiro jogo do Grupo Guga Kuerten.