Todos os posts de Perrone

Opinião: seis problemas que o Corinthians precisa superar contra o Guaraní

Leia o post original por Perrone

Veja abaixo os principais problemas que o Corinthians precisa superar, na opinião deste blogueiro, para passar pelo Guaraní do Paraguai nesta quarta (12), em Itaquera, e avançar para a terceira fase classificatória da Libertadores.

1 – Lateral esquerda

Esse setor foi o mais falho do alvinegro na partida de ida. Fora de forma, Sidcley demorava para voltar à defesa quando o time perdia a bola. Os paraguaios aproveitaram bem os espaços dados por ele no ataque. O lateral também foi pouco eficiente no ataque.

Tiago Nunes pode escalar Lucas Piton na posição.  Em tese, se isso acontecer, há boa chance, de um desempenho melhor por ali.

Piton é o jogador do Corinthians que tem a terceira melhor média de desarmes certos no Paulista: 2,3 por jogo, segundo o site especializado em estatísticas Footstats. Isso, entre os atletas que atuaram mais de uma partida. A média de Sidcley é 1,5.

Ofensivamente, o lateral revelado no “terrão” ostenta a melhor marca de cruzamentos certos por jogo da equipe alvinegra: 2,5. Ele atuou quatro vezes no Estadual.

Sidcley não acertou nenhuma das suas cinco tentativas de cruzar a bola nas duas partidas que fez no campeonato.

2 – Cruzamentos do Guaraní

A  bola cruzada foi um dos pontos fortes do time paraguaio na vitória por 1 a 0 em sua casa. Desorganizada, a defesa corintiana se confundiu nesse tipo de lance. Atenção e organização nessas jogadas serão fundamentais para o Corinthians alcançar a classificação.

3 – Pontaria

Para avançar à próxima fase classificatória da Libertadores, o time paulista precisa vencer por pelo menos dois gols de diferença para não depender da disputa de pênaltis.

No Paraguai, os brasileiros só acertaram quatro de 19 finalizações, segundo o site da ESPN. O acerto foi de apenas cerca de 22% em relação às tentativas.

De acordo com o Footstats, o índice de precisão do Corinthians nas finalizações no Campeonato Paulista é de 47,8%, o que representa a melhor marca da competição. Mas, na derrota por 1 a 0 para a Inter de Limeira, no último domingo (9), o time de Tiago Nunes acertou apenas 25% das conclusões. O treinador corintiano  começou a partida poupando vários titulares.

4 – Contra-ataques

O Corinthians deve sofrer com o dilema clássico de equipes em sua situação: como atacar sem sem ficar vulnerável a contra-ataques. Para piorar a situação alvinegra, o Guaraní já mostrou ter velocidade para contra-atacar com eficiência.

5 – Queda de desempenho de Luan

Um dos desafios do técnico corintiano na partida desta quarta é fazer Luan recuperar o bom futebol.

Após um início animador, com gols e boa participação nas demais jogadas ofensivas, o ex-gremista caiu de produção.

O meia-atacante tem média de apenas 0,6 finalização certa por jogo no Paulista, um gol marcado em quatro jogos no Estadual e nenhuma assistência, segundo o Footstats.

6 – Decisões erradas

O desempenho ofensivo do Corinthians também tem sido atrapalhado por decisões erradas tomadas por seus atletas. Chutar para o gol no lugar de passar a bola para um companheiro bem colocado é um dos exemplos desse problema.

Em tese, a falha não é simples de ser corrigida. Além de treinamento é preciso uma boa movimentação dos jogadores para oferecer alternativas claras para quem está com a bola perto da área adversária.

Opinião: Flamengo precisa falar também para sociedade, não só para seus fãs

Leia o post original por Perrone

Em notas oficiais e por meio de entrevistas de seus principais dirigentes, o Flamengo tem priorizado falar o que imagina ser o que sua torcida quer ouvir. Claro, na opinião deste blogueiro.

Foi assim no comunicado sugerindo que críticas feitas em programas da Globo ao comportamento do clube em relação às famílias das vítimas do incêndio no Ninho do Urubu são motivadas pelas divergências comerciais e jurídicas entre partes.

Sei lá por qual motivo, muitas das torcidas dos times brasileiros adoram dizer que a Globo persegue seus clubes. Então, é fácil para os dirigentes dessas agremiações agradar seu público alvo alfinetando a rede de televisão.

Direcionar o discurso para seus fãs não é exclusividade do rubro-negro. Esse é um antigo pensamento dos cartolas brasileiros. “Meu torcedor é o meu consumidor, então só interessa a opinião dele”.

Isso já não é era eficaz antes. Num mundo conectado e com a influência das redes sociais tal estratégia se torna mais furada.

Pior ainda num caso complexo como as mortes dos dez meninos da base do Flamengo.

Obviamente, o fundamental é amparar as famílias. Mas a direção rubro-negra deveria pensar também na comunicação com a sociedade em geral, não apenas em relação aos seus seguidores.

Não vou entrar na questão se o Flamengo oferece indenizações justas. Como já escrevi aqui é muito difícil opinar.

O problema é que quando os cartolas demonstram frieza ao falar sobre o tema, geram indignação, principalmente em quem não é rubro-negro 

 A direção do clube parece não perceber que eventuais patrocinadores estão olhando isso.

Grandes empresas são detalhistas ao decidir onde colar sua imagem.

Muitas delas procuram mostrar um lado humano e preocupação social. Ou seja, as atitudes dos dirigentes do Flamengo podem afastar potenciais parceiros. Esse olhar voltado para o próprio umbigo pode ser prejudicial ao clube num futuro próximo.

MP pede mais quebras de sigilos bancários por suspeitas na gestão de Aidar

Leia o post original por Perrone

O Ministério Público paulista decidiu ampliar os pedidos de quebras de sigilos bancários de envolvidos em operações feitas durante a gestão de Carlos Miguel Aidar na presidência do São Paulo.

Segundo três cartolas ouvidos pelo blog, o MP também pediu novos documentos sobre transações suspeitas. O clube, porém, não confirma o recebimento da intimação para entregar a papelada.

Em novembro, a promotoria tomou a iniciativa de solicitar à Justiça mais quebras de sigilos bancários. A medida foi fruto da apuração feita  por especialistas do órgão a partir dos dados bancários obtidos anteriormente.

Não é possível saber todos que tiveram as contas abertas e quem foram os alvos das últimas solicitações porque o caso está em segredo de Justiça.

Como mostrou o blog, a necessidade de cruzamentos das informações bancárias faz o trabalho se arrastar.

Segundo os três cartolas ouvidos, entre os novos documentos pedidos pelo MP estão todos os referentes a eventuais operações com Cinira Maturana, que se aproximou do clube na ocasião como namorada de Aidar, e uma empresa dela e outros relativos à negociação com a fornecedora de material esportivo Under Armour.

A investigação começou em 2016 depois que conselheiros oposicionistas liderados por  Newton Luiz Ferreira, o “Newton do Chapéu” levaram ao Ministério Público denúncias referentes ao período em que Aidar presidiu o São Paulo. O ex-presidente e Cinira sempre negaram terem cometido irregularidades.

Inicialmente, o foco principal dos trabalhos foi a contratação de Iago Maidana com suspeitas de lavagem de dinheiro, o que os envolvidos na operação negam.

Entre as contas que  tiveram pedido de quebra de sigilo estão as do Monte Cristo, time que vendeu Maidana ao São Paulo sem chegar a aproveitá-lo, e de uma empresa pertencente a Cinira.

Segundo as investigações feitas pelo Ministério Público, o Monte Cristo, de Goiás, pagou R$ 400 mil ao Criciúma pelo jogador usando dinheiro colocado no negócio pela empresa Itaquerão Soccer. Dias depois, o jogador foi vendido ao São Paulo por R$ 2 milhões, de acordo com a promotoria, o que gerou a suspeita de lavagem de dinheiro.

Atualmente, as investigações são conduzidas pelo GEDEC (Grupo de Atuação Especial de Repressão à Formação de Cartel e à Lavagem de dinheiro e de Recuperação de Ativos do MP.

Chuvas fazem Corinthians adiar votação de orçamento

Leia o post original por Perrone

As chuvas recentes em São Paulo fizeram com que o Conselho Deliberativo do Corinthians adiasse reunião para, principalmente, discutir o orçamento do clube referente a 2020. O encontro estava marcado para esta segunda-feira (10) e foi transferido para próxima quinta (13).

O adiamento aconteceu após pedidos de vários conselheiros que alegaram dificuldades para se locomover até o Parque São Jorge por conta do estrago feito por enchentes na cidade.

Como mostrou o blog, seria votado o orçamento ajustado para este ano.

A versão inicial previa déficit de cerca de R$ 21,3 milhões. Após uma série de mudanças, o novo relatório projeta superávit de R$ 40 mil.

 

Corinthians troca previsão de déficit de R$ 21,3 mi por R$ 40 mil no azul

Leia o post original por Perrone

O Corinthians alterou a sua previsão de déficit de R$ 21.318.000 em 2020 para superávit de R$ 40 mil.

Alteração, no entanto, foi feita sem aumento na expectativa de receita com a venda de jogadores. Também não houve corte na previsão de despesas com aquisição e amortização de direitos federativos, que continua em cerca de R$ 53,6 milhões.

A mudança é baseada principalmente em cortes de custos de viagens, diminuição de despesas financeiras  e redução do consumo de energia elétrica.

Nesta segunda (10), o Conselho Deliberativo vota o orçamento reajustado. A primeira versão, apresentada em dezembro do ano passado, não foi votada depois de conselheiros reclamarem que trâmites internos determinados pelo estatuto não teriam sido cumpridos.

Havia também críticas em relação ao cálculo de déficit neste ano de cerca de R$ 21,3 milhōes. Assim, como mostrou o blog, a diretoria aproveitou os últimos dias para tentar aumentar as previsões de receitas e reduzir as projeções de gastos com o objetivo de evitar a expectativa de  resultado deficitário.

A maior redução aconteceu com as despesas financeiras. Elas caíram de R$ 52.000.704 registrados no orçamento original para R$ 43. 226.000 no relatório ajustado.

No documento que será debatido pelo conselho, a queda nesse ponto é justificada principalmente pela revisão de custos em função de renegociação de contratos de financiamento.

A previsão de desembolso com viagens e estadias no primeiro relatório era de R$ 9.249.000. Agora foi estipulado que esse número chegará a R$ 6 milhōes.

A explicação para a mudança é de que houve “adequação de custos de despesas de viagem (inclui todas as categorias esportivas)”.

A previsão de despesas com salários e encargos caiu de R$ 202.969.000 para R$ 197.882.000.

Nota explicativa da nova previsão orçamentária afirma que haverá “redução de custos com benefícios em função de renegociação de plano de saúde” e “redução adicional em salários em relação ao inicialmente previsto”.

Também foi registrado corte na previsão de gastos com “materiais, uso e consumo”. A projeção de despesa caiu de cerca de R$ 2,3 milhōes para aproximadamente R$ 1,8 milhão.

Segundo o documento, a economia será possível principalmente por conta de acordo de patrocínio com a Joly, que inclui o fornecimento de material de manutenção e construção.

A previsão de despesa com energia elétrica caiu de aproximadamente R$ 3,3 milhões para por volta de R$ 2,3 milhōes. Conforme registrado no documento, a redução será viável por conta da compra no mercado livre de energia.

Já a projeção anotada para “outras despesas” diminuiu de R$ 6,3 milhōes para R$ 5,36 milhões. A mudança é atribuída à “redução especialmente de despesas ligadas a taxas e anuidades de registros de atletas”.

A única previsão de receita que aumentou é relativa ao programa de sócio-torcedor. O número subiu de R$ 13,2 milhōes para R$ 14,3 milhōes. A explicação é de expectativa de “incremento de receita com base em novos valores e leve aumento da base de sócios”.

A previsão de receita líquida para 2020, sem contar a venda de jogadores, passou de R$ 398.447.000 para R$ 399.547.000.

A avaliação de arrecadação com “repasses de direitos federativos” foi mantida em R$ 66.136.000.

Vale lembrar que o clube mantém negociações avançadas com o Benfica para vender Pedrinho por 20 milhões de euros (cerca de R$ 94,59 milhões).

Procurado para comentar o novo orçamento, Matias Antonio Romano de Ávila, diretor financeiro do Corinthians, disse que não poderia se manifestar antes da reunião do conselho.

 

São Paulo vence round contra prefeitura na Justiça por IPTU

Leia o post original por Perrone

No último dia 31, a Justiça concedeu ao São Paulo tutela antecipada para suspender a exigibilidade do IPTU em relação aos exercícios de 2014 e 2015.

A decisão suspende a cobrança feita pela prefeitura e seus efeitos enquanto o clube contesta o suposto débito. Assim, não pode haver inscrição na dívida ativa enquanto a questão for discutida judicialmente.

A quantia cobrada não foi informada na decisão, porém, o valor da ação é de aproximadamente R$ 8,6 milhōes.

Como todos os clubes da cidade, o São Paulo é isento da cobrança de IPTU, mas a prefeitura exige que as agremiações anualmente solicitem a isenção.

Alegando a existência de dívida do tricolor com a CET (Companhia de Engenharia de Tráfego) registrada no CADIN (Cadastro Informativo Municipal), a prefeitura indeferiu a isenção para o clube do Morumbi em 2014 e 2015. O município suspende o benefício para quem tem débitos registrados nesse cadastro. O Corinthians, por exemplo, enfrenta briga semelhante na Justiça com a prefeitura.

A Lei 14.094, de 2005, determina que, entre outras sanções, quem tiver seu nome registrado no Cadin não pode receber da prefeitura concessões de auxílios, subvenções e incentivos fiscais e financeiros.

No caso são-paulino, o juiz Marcos de Lima Porta entendeu que a isenção não é o mesmo que incentivo fiscal e que o benefício é incondicional.

O magistrado argumentou ainda que o São Paulo fez um acordo com a CET e vem pagando parceladamente sua dívida. A prefeitura pode contestar a decisão.

14 perguntas para você responder antes de opinar sobre o incêndio no Ninho

Leia o post original por Perrone

O incêndio que matou 10 garotos das categorias de base do Flamengo no Ninho do Urubu completa um ano neste sábado (8). Nesse período, a tragédia virou motivo para embates entre torcedores nas redes sociais.

Infelizmente, muitos usam o episódio trágico apenas para atacar o rubro-negro. Outros tantos, também lamentavelmente, minimizam o ocorrido para defender o clube da Gávea.

Se você pretende emitir seu comentário sobre o assunto nas redes sociais, aqui vão 14 dicas do blog. Antes de disparar sua opinião faça essas perguntas para você mesmo:

1 – Qual o objetivo do meu comentário?

2 – Estou comentando só para atacar o Flamengo ou só para defender o clube, sem analisar tudo que envolve uma questão tão séria?

3 – Estou bem informado sobre o tema? Quantas reportagens li e assisti sobre o assunto nesta semana? E nos últimos 12 meses?

4 – Acompanhei as últimas declarações dadas por dirigentes do Flamengo em relação ao episódio? O que eles disseram de importante?

5 – Estou por dentro das últimas reportagens com depoimentos das famílias das vítimas? O que eles falaram de mais relevante?

6 – Eu sei quanto o Flamengo ofereceu para os familiares das vítimas e quantas aceitaram o acordo?

7 – Chequei todos os números que pretendo citar referentes a valores das indenizações?

8 – Pesquisei a legislação específica antes de dizer que uma lei foi ou não cumprida pelo Flamengo durante o processo?

9 – Estou sendo insensível com os familiares das vítimas?

10 – Estou ofendendo parentes, vítimas ou dirigentes do Flamengo?

11 – Estou acusando alguém sem provas?

12 – Antes de formular meu raciocínio, eu me coloquei no lugar dos parentes dos meninos mortos ou feridos ou ainda na posição dos cartolas do Flamengo?

13 – Estou falando sobre questões técnicas das quais não tenho amplo domínio?

14 – Meu amor pelo Flamengo ou minha rivalidade com o rubro-negro me faz ter uma imagem distorcida da realidade?

Por que o Corinthians não contratou Yony quando ele estava livre?

Leia o post original por Perrone

Yony González em ação pelo Fluminense na temporada passada (Crédito: Pedro H. Tesch/AGIF)

Conforme disse o diretor de futebol do Corinthians, Duílio Monteiro Alves, o clube precisou assegurar a compra dos direitos econômicos do colombiano Yony González junto ao Benfica por conta da concorrência.

O dirigente afirmou que o atacante estava na lista de reforços sugeridos pelo técnico Tiago Nunes desde sua chegada ao alvinegro.

O treinador foi anunciado pela direção corintiana em 7 de novembro.

Pouco mais de um mês depois, em 11 de dezembro, Yony se despediu do Fluminense. Seu contrato terminaria no final do ano passado e ele poderia ser contratado por outro time sem gastos com direitos econômicos, como acabou fazendo o Benfica.

Leia mais:
Yony González assina com o Corinthians; compra é fechada por quatro anos
Corinthians trabalha para ter Ramiro em jogo de volta contra o Guaraní
Luan apagado e Sidcley mal: Cantillo “salva” reforços em 1ª decisão

As datas mostram que o Corinthians poderia ter tentado negociar com o colombiano para acertar sua transferência sem ter que pagar pelos direitos econômicos.

Por que, entāo, o alvinegro não fez isso e depois acabou aceitando pagar pelos direitos de um atleta que poderia ter vindo sem esse custo?

O blog fez essa pergunta a Duílio, por meio da assessoria de imprensa do Corinthians e recebeu a seguinte resposta do departamento de comunicação: “a lista [feita pelo treinador] para essa posição tinha aproximadamente oito nomes. No final de 2019, o Corinthians fez proposta pelo Michael [que estava no Goiás], e nessa época o Yony já estava acertado no Benfica”.

Assim, pela versão do dirigente, o Corinthians deixou de tentar o colombiano quando ele estava livre porque tinha como alvo Michael, que acabou acertando com o Flamengo.

O alvinegro anunciou oficialmente ter desistido de Michael em 8 de janeiro, dois dias antes de o Benfica anunciar a contratação de Yony.

Na negociação com os portugueses, a ideia inicial do alvinegro era ter o colombiano por empréstimo até dezembro.

O clube brasileiro, no entanto, se comprometeria a pagar 3 milhões de euros por 50% dos direitos econômicos do jogador, caso ele fosse titular em 30 partidas, como mostrou o UOL Esporte.

Segundo Duílio, o Corinthians teve que aceitar a obrigação de comprar o atacante após um empréstimo até o meio do ano por que o Benfica tinha propostas de outros interessados na aquisição em definitivo do atleta.

 O dirigente não confirmou o valores, mas declarou que o pagamento será parcelado.

‘Não dá para o Corinthians ter fama de devedor’, diz candidato de oposição

Leia o post original por Perrone

Augusto Melo, ex-diretor das categorias de base do Corinthians durante a gestão de Roberto de Andrade, vai lançar a sua candidatura à presidência do clube no próximo sábado.

Ex-membro do grupo político do atual presidente, Andrés Sanchez, ele concorrerá como opositor.

A votação acontece em novembro. Oficialmente, as inscrições para o pleito ainda não estão abertas.

Abaixo, leia entrevista exclusiva concedida pelo candidato ao blog.

Blog do Perrone – Você fez parte do grupo político do Andrés, foi diretor das categorias de base do Roberto de Andrade. O que fez você divergir desse grupo que continua no poder?

Augusto Melo – O trabalho que nós fizemos na base foi um trabalho de excelência, nós ganhamos todos os títulos que você imagina na gestão. Dali pra frente, a gente não concordou com algumas coisas que estavam acontecendo. Foi quando a gente acabou se desligando. Foi na época  da tentativa de impeachment do Roberto, a gente acabou preferindo tomar outro rumo.

Blog – Você pode dar mais exemplos de que exatamente você discordou?

Augusto – Eu não concordava com a maneira como era dirigida a base, com a forma que as coisas aconteciam e acabei me desligando.

Blog – O que mais te preocupa hoje no Corinthians?

Augusto – A gestão.

Blog – Por que, você acha que é uma gestão que não se preocupa com as dívidas do clube?

Augusto – É mais a parte de credibilidade, o Corinthians hoje não tem credibilidade, é o que mais preocupa. Acho que o que a gente deveria levar para o Corinthians agora é mais credibilidade.

Blog – E como fazer isso?

Augusto – Com uma gestão nova, com mais transparência, com indicação de gente séria. É o que eu falo, o Corinthians hoje tem quatro pilares muito importantes que são: a parte administrativa, finanças, marketing e o jurídico. Acho que esses são os pilares dos quais o Corinthians depende.

Blog – Então você começaria a sua gestão fortalecendo esses pilares.

Augusto – Sim. O Corinthians tem uma das marcas mais fortes desse país, não dá para você ficar com fama de devedor.

Blog – Mas você tem um problema prático aí. O Corinthians tem a dívida do estádio, o clube gasta mais do que arrecada e tem um passivo relativo a dívidas trabalhistas grande. Como equacionar tudo isso para fazer essa transformação e deixar de ter a fama de devedor?

Augusto -Na verdade, a gente só vai ter a certeza disso depois que a gente sentar lá. A gente só vai ter uma certeza depois que abrir tudo. Hoje, a gente não consegue entender nada, saber qual a real dívida, o que realmente acontece .

Blog – A saída passa por parcerias?

Augusto – Acho que a saída vai ser essa: credibilidade.

Blog – Como você avalia a questão dos “naming rights” da arena. É um produto vendável ainda, é muito difícil de vender, como você classifica?

Augusto – É complicado falar, está enperrado há tanto tempo. Mas, acredito que com uma nova gestão, é possíve, sim. Tudo vai depender do momento, como vai estar o próprio time de futebol no momento, é uma coisa que a gente só vai poder comentar quando sentar lá.

Blog – Se você ganhar, qual a primeira medida que pretende tomar?

Augusto – Avaliar todas essas contas, levantar todos os problemas que vêm acontecendo.

Blog – Hoje se comenta muito sobre clube-empresa. Você tem uma ideia formada sobre o assunto, especificamente em relação ao Corinthians?

Augusto – Hoje, em relação ao Corinthians, eu sou contra.

Blog – Por quê?

Augusto – Porque acho que o Corinthians tem pessoas capacitadas, sérias, honestas, que podem entrar, fazer um bom trabalho e, aí, sim, valorizar [o clube].

Blog – como você imagina uma montagem de elenco neste cenário de dificuldade financeira?

Augusto – Claro que existem adaptações a serem feitas. O Corinthians precise ter um elenco muito mais enxuto e dinâmico. Temos que entender e rever algumas contratações.

Blog – Você é um especialista em base do Corinthians . O que o clube precisa na base?

Augusto – Investir muito, investir de maneira que estimule o desenvolvimento de nossos talentos. E aqui eu conheço, você sabe, trabalhei bastante, a nossa gestão foi um sucesso. E não é investir em contratar jogador de base, é investir na formação deles. Desde o sub-9, sub-10, sub-11. Dar oportunidade para aquele pai que leva o filho lá na porta para fazer avaliação. Montar estrutura para essa garotada, acho que é isso que a gente está precisando no momento. Não contratar, como vem contratando, jogadores de baciada para a base.

Blog – Hoje, você diria que o grupo renovação e transparência, principalmente na figura do Andrés, a maneira como ele desenvolve seu trabalho no clube, é uma grande decepção para você?

Augusto – Na verdade, rapaz, tudo é um ciclo, acho que já se encerrou. São 12 anos no poder. Eu acho que já fizeram muita coisa boa no passado, mas acho que agora ele já chegou no limite.

Blog – Você chegou a conversar com outros líderes de oposição? Acha que é inviável uma chapa única de oposição na eleição?

Augusto A união é muito válida, a gente está aberto a todas as conversas. Já conversei com algumas lideranças. É lógico que se tiver uma chapa única é melhor para todo mundo. A gente está aceitando conversas, não tem problema nenhum.

Blog – Não é inviável uma chapa única de oposição no clube hoje?

Augusto – Não digo isso, acho que pode acontecer, sim. Mesmo porque muitos não estão querendo participar, estão querendo nos apoiar. Acho possível a chapa única, e a gente vem bem forte, pode ter certeza

Insistência com Sidcley é primeiro grande pecado de Nunes no Corinthians

Leia o post original por Perrone

Tiago Nunes já tem uma teimosia para chamar de sua como técnico do Corinthians, na opinião deste blogueiro. Trata-se da insistência com Sidcley.

Visivelmente, o lateral esquerdo ainda está fora de forma, por mais que o treinador diga o contrário.

Isso ficou evidenciado na derrota corintiana por 1 a 0 para o Guaraní, nesta quarta (5), pela segunda fase preliminar da Libertadores, no Paraguai.

Quando avançava, e o Corinthians perdia a bola, Sidcley não tinha fôlego para voltar com a velocidade necessária. Deixava espaços para os paraguaios.

No ataque, sua produtividade foi baixa. De novo, o lateral corintiano que mais participou do jogo no campo de ataque foi Fágner, pela direita.

Nunes demorou para enxergar o óbvio e custou a colocar Píton no lugar de Sidcley na etapa final.

Como era de se esperar, a revelação corintiana deu mais velocidade e mobilidade ao time. Ficou ainda mais difícil entender sua permanência no banco de reservas.

A justificativa de Nunes de que Sidcley precisa jogar para ganhar ritmo não se sustenta. A recuperação do lateral é mais importante do que o desempenho coletivo do Corinthians? O caminho não poderia ser inverso, com Sidcley entrando aos poucos para ganhar condição de jogo? As boas atuações de Piton não deveriam ser premiadas com a titularidade?

Na minha opinião as respostas são óbvias e deixam o técnico numa situação desconfortável.

Nunes deveria tentar responder a essas questões antes do confronto de volta com o Guaraní. Com a obrigação de vencer, o treinador não pode se dar  luxo de deixar quem está melhor na reserva.

Claro que Sidcley não foi o único responsável pela derrota no Paraguai. Luan, por exemplo, teve atuação apagada. Janderson não foi bem e Boselli não acertou a pontaria. Porém, a lateral direita é o ponto crítico alvinegro neste momento.

Está fácil de corrigir com Piton como titular. No entanto, se Nunes não repensar seus conceitos em relação à disputa na lateral esquerda, corre sério risco de amargar uma queda precoce na Libertadores.