Arquivo da categoria: Bruno

Não adianta homeopatizar a queda

Leia o post original por Rica Perrone

Todo saopaulino que encontro puxa o mesmo assunto: o possível rebaixamento. Diante de um rival bancamos firmes e valentes que “nem fudendo”. Entre nós, como toda torcida, a conversa é outra. Saopaulino é o cara que menos quer cair no mundo. Ele passou a vida jurando que “ele não”. E quando alguém sugeria a idéia …

Não adianta homeopatizar a queda

Leia o post original por Rica Perrone

Todo saopaulino que encontro puxa o mesmo assunto: o possível rebaixamento. Diante de um rival bancamos firmes e valentes que “nem fudendo”. Entre nós, como toda torcida, a conversa é outra. Saopaulino é o cara que menos quer cair no mundo. Ele passou a vida jurando que “ele não”. E quando alguém sugeria a idéia …

Podcast: Bruno e a pena de morte

Leia o post original por Rica Perrone

– Bruno está solto. Ele merece segunda chance? – Atenção a pergunta. Não é se merece estar solto. – Você é a favor da pena de morte? Assine o Podcast pelo feed:  http://feeds.soundcloud.com/users/soundcloud:users:46195801/sounds.rss Ou pelo Itunes: https://itunes.apple.com/br/podcast/podcast-do-rica-perrone/id1167622638?mt=2

No primeiro treino e no primeiro jogo do goleiro Bruno, toda a mídia lá estará! E se ninguém for, será boicote ou censura?

Leia o post original por Milton Neves

A contratação do goleiro Bruno pelo Boa Esporte segue rendendo bons debates nas redes sociais.

Agora, pelo fato de os patrocinadores, assustados, estarem abandonando o clube de Varginha-MG.

Na manhã desta segunda-feira, o terceiro apoiador anunciou o rompimento do contrato.

E essa debandada, claro, é compreensível.

Afinal, as empresas estão sendo bombardeadas e pressionadas pelo público de diversas formas.

Mas uma coisa é certa: quem conseguir segurar este rojão e permanecer com o Boa, terá uma visibilidade imensa nos próximos dias.

Já imaginaram quantos jornalistas, do Brasil e do mundo, estarão na cobertura do primeiro treino e do primeiro jogo de Bruno?

A não ser que a mídia decida boicotar toda aparição do arqueiro.

Mas, aí, perguntar não ofende: seria boicote ou censura?

E você, amigo internauta, o que pensa a respeito deste polêmico assunto?

Opine!

Há ou não uma segunda chance?

Leia o post original por Rica Perrone

Embora haja muito clubismo nessa discussão, a contratação do goleiro Bruno não devia ser um debate esportivo.  Estamos diante de um dilema bem delicado e que qualquer julgamento radical será injusto. É papel da sociedade rejeitar pra sempre alguém condenado pela justiça e solto também por ela? Ou a tal segunda chance que pregamos aos …

Precisamos falar do Botafogo

Leia o post original por Rica Perrone

Não há nada mais constrangedor a um comentarista do que os fatos. Eles tornam toda discussão indiscutível, todo prognóstico vazio e quando os confirmam não faz mais do que obrigação. O Botafogo 2016 é o assunto que ninguém quer tocar. Façamos esse papel e vamos assumir que erramos bizarramente nos prognósticos.  Porque não conhecíamos o …

Saída de Gustavo Vieira é pedida por diretores do São Paulo

Leia o post original por Perrone

Um dos alvos preferidos da oposição são-paulina, Gustavo Vieira de Oliveira agora tem sua demissão pedia por parte considerável da diretoria do clube. Ele é apontado pelos cartolas como um dos principais responsáveis pelos maus resultados do time, mas se mantém no cargo graças ao apoio do presidente Carlos Augusto de Barros e Silva, o Leco.

Longe dos microfones, os dirigentes afirmam que como Gustavo tem autonomia para gerir o futebol tricolor, precisa ser responsabilizado pelos erros.

A crítica central é de que o executivo planejou mal o segundo semestre da equipe em 2016. Sabia que perderia Calleri e que havia possibilidade de Ganso sair, mas não se preparou previamente para as perdas. Além disso o filho do ex-jogador Sócrates é cobrado por não ter fortalecido o time antes das semifinais da Libertadores, já que trouxe o atacante Cueva, que não podia atuar na competição.

Outras queixas são de que ele teria perdido o controle do vestiário, além de relutar a afastar jogadores que contratou.

Gustavo também gera repulsa de parte da diretoria por supostamente passar por cima de outros diretores, reclamação feita por Luiz Cunha, que havia barrado a contratação de Cueva e pediu demissão do comando do futebol em seguida. Cunha tem sido lembrado por dirigentes como exemplo de diretor que mantinha o elenco sob controle.

Para medir a intensidade da pressão sobre o executivo, alguns diretores afirmam que a rejeição enfrentada por ele é maior do que a encarada por Ataíde Gil Guerreiro, que deixou a vice-presidência de futebol e hoje é diretor de relações institucionais.

O blog procurou Gustavo por meio da assessoria de imprensa do São Paulo, mas ele respondeu que não se manifestaria.

Além do dirigente remunerado, Denis, Michel Bastos, Carlinhos, Bruno, Thiago Mendes e Wesley são fortemente cornetados por cartolas.

São Paulo tropeça no Morumbi lotado

Leia o post original por Fernando Sampaio

cueva2Domingo 11h da manhã.

Ótimo horário para o público: 54.996 pessoas.

Recorde do Brasileirão 2016.

Em compensação, domingo 18h30 e sábado 21h são horários só para TV.

Apesar do apoio da torcida, o São Paulo não foi bem. Saiu perdendo de dois a zero com sua defesa nada confiável: Denis, Bruno, Lugano e Maicon – a zaga predileta dos mais fanáticos – Carlinhos e Hudson. Complicado. Hoje, justiça seja feita, Denis não falhou e ainda garantiu o empate. Já Maicon falhou nos dois gols de bola aérea.

Normal, Libertadores é mata-mata e mata-mata ilude.

A Chapecoense saiu na frente com mérito. Fez 2×0 e fechou a retranca. Foi fácil administrar a vantagem no primeiro tempo, graças também ao elenco limitado do Tricolor, sem jogador de criatividade, qualidade técnica e força ofensiva.

O segundo tempo mostrou a superação do São Paulo.

A torcida ajudou. Coisa rara. Cornetou depois do 2×0, depois incentivou. O time voltou mais ligado no segundo tempo. Cueva continuou comandando a armação dos ataques. Centurión lutando e, como sempre, confuso. A dupla de gringos foi responsável pelo primeiro gol.  O segundo saiu de um pênalti inexistente. Bola no braço. Ridículo. Além de não ter a intenção de colocar mão na bola, Josimar foi enganado pela imprevisibilidade assim que Maicon tirou a cabeça da bola.

Sorte do São Paulo. Cueva bateu e fez 2×2.

Sufoco. Coloquei 2×0 no Bolão. Errei feio.

Palmeiras faz 4 e dá olé no São Paulo. Osório vira “brasileiro” e reclama do árbitro e é expulso

Leia o post original por Quartarollo

Palmeiras deu um show no São Paulo. Foi 4 x 0 fora o baile.

Sapateou bonito repetindo o que fez no Campeonato Paulista no dia 25 de março quando venceu por 3 x 0.

Hoje era o primeiro clássico de Marcelo Oliveira e de Juan Carlos Osório. Melhor para o primeiro que viu seu time passear em campo.

O São Paulo até que tentou alguma coisa no começo, mas depois do gol de Leandro Pereira com desvio de Souza tirando Rogério Ceni da jogada, tudo mudou radicalmente.

O tricolor se apavorou e se desfez em campo. Victor Ramos com seus 1,92 de altura não foi marcado por ninguém e ficou livre para fazer o segundo gol ainda no primeiro tempo.

Já tinha metido uma bola no travessão em escanteio anterior e a zaga sãopaulina repetiu o mesmo erro nesse gol.

Mais acomodado em campo o Palmeiras não precisou correr risco e ainda fez mais dois gols no segundo tempo.

Rafael Marques valorizou o belo lançamento de Egídio, o melhor em campo, e Cristaldo completou a goleada.

Dizer que foi só a mão de Marcelo Oliveira não dá. Ainda o Palmeiras tem muito da formação de Oswaldo de Oliveira.

Mas o que vale é o placar e a tranquilidade para os próximos jogos. Esse Palmeiras, no entanto, é ainda muito irregular.

Já o São Paulo é um time que não se pode confiar. Somente Michel Bastos merece algum destaque. Os demais jogaram muito mal.

Juan Carlos Osório foi expulso no intervalo porque questionou um cartão amarelo dado acertadamente ao lateral Bruno.

Justificou que com o amarelo, Bruno perdeu o poder de competição e veio a derrota já que Egídio atacava por ali.

É a primeira vez que ouço um técnico dizer que um cartão amarelo mudou o jogo e foi preponderante na resultado.

Já vi reclamação de expulsão, mas amarelo não.

Osório está virando “brasileiro” muito rápido. Seu time não jogou nada e ele entra na coletiva falando do árbitro que na minha opinião foi muito bem.

Se Bruno estava com medo de entrar mais duro por causa do amarelo bobo que tomou, Osório deveria substituí-lo.

Hudson, que foi horrível como volante, poderia mais uma vez ser improvisado na lateral-direita como na época de Muricy Ramalho.

Ah, uma pergunta final para vocês pensarem:

Se ao invés do Palmeiras, fosse o São Paulo que tivesse goleado por 4 x 0, o que estariam dizendo os meus companheiros de imprensa sobre o treinador tricolor?

Penso eu que já o teriam elevado à categoria de gênio.

Uma coisa é certa. Marcelo Oliveira não é o melhor do mundo porque seu time goleou e nem Osório é o pior técnico do mundo porque perdeu de quatro.

Não há muita diferença entre eles. São apenas e tão somente bons treinadores e dependem muito dos seus jogadores.

Na maioria médios jogadores. Ninguém tem craques à disposição.

 

 

Share This: