Arquivo da categoria: Campeonato Mineiro 2014

Pós jogo: América 1 x 4 Atlético – Jogo 1 Semifinal do Campeonato Mineiro 2014

Leia o post original por Flávio Drummond

Design Arthur Henriques (Twitter: @arthurhenriques).

 

RÁPIDO, DIGA SUA SOLUÇÃO MÁGICA.

Que lama, hein, Coelhada?

Tristeza, revolta, indignação, tudo muito justificado. Mais uma vez, o América não entrou em campo. Segunda-feira é dia de aguentar o cacarejo das cocotas, e como são barulhentas, não?

Respire fundo, nobre americano! A vida continuará.

Não quero minimizar a sua dor. Passei por essa onda de sentimentos, como todos vocês. Acho que assistir à Chelsea x Arsenal logo após o jogo ajudou a catalizar o processo: aos 16′  já estava 3×0, virou 4×0, fechou 6×0.

Por aí, li de tudo: quem acreditasse que não merecíamos a classificação, mas o rebaixamento ao Módulo II; quem quer mandar Moacir embora e quem acha que devemos manter Moacir; quem bateu no Obina e quem viu que ele foi o único a reclamar do impedimento no primeiro gol; quem quer mandar fulano pra lua e quem acha que fulano não teve culpa; teve de tudo. Cada um com sua solução mágica para voltarmos a ter alegria.

Consenso mesmo, só as críticas à diretoria americana. Não há como negar, os erros já vêm se acumulando e transbordando ao longo dos últimos anos.

Falando em diretoria, Salum deu piti na Itatiaia ao final do jogo. Era pra tanto? Penso que não.

Concordo que o primeiro gol, antes do segundo minuto de partida, aconteceu em completo impedimento. Erro grave da arbitragem. Erro este que, na minha opinião, foi determinante para todo o restante da partida, mas o América falhou no lance. A bola passou pelo Matheus, bateu na trave e ter o jogador impedido terminando o trabalho não pode minimizar a nossa incompetência.

Nem por isso estou disposto a jogar o ano inteiro no lixo. O time ainda está sendo construído, e isto é errado, mas é fato. O time ainda está se encontrando e vinha crescendo. Já deveria estar mais encorpado, mas não está.

Foi surpresa tomar um gol no primeiro minuto de jogo? Foi. Tendo isso acontecido, é tão difícil assim compreender porque o time se perdeu em campo depois disso? Explica, não explica não?

Não tira a responsabilidade, mas explica.

E essas coisas acontecem… Já falei do sacode do Chelsea no Arsenal? Os gunners estão na 4ª colocação na tabela, têm um time muito mais encaixado que o América, e ainda assim caiu de 6.

Repito, tomarmos o gol no primeiro lance do jogo foi determinante para a cadência e nossa inépcia no restante da partida, havia impedimento, mas isso não deve minimizar nossos erros, caso ainda tenhamos pretensões maiores para o restante do ano.

Também não podemos esquecer o penal mandraque do terceiro gol. O argumento daqueles que defendem que o pênalti existiu é que não houve reclamação da equipe americana. Ah, francamente… É o melhor que pode fazer? Pênalti inventado.

No mais, ainda acreditando que a trapalhada americana tenha tido origem no gol precoce, nada mais fizemos em campo. Domínio galiáceo. Mesmo com dois gols em que a arbitragem errou, o placar mostra o que foi a partida.

Acabou o Campeonato Mineiro? Vamos cumprir tabela semana que vem? Parece que sim, mas quando visto a fantasia de torcedor o coração fala mais forte e vou acreditando no 4×0. Tudo é possível.

No mais, Coelhada, levantem a cabeça. Só haverá sofrimento se você deixar.

Pra cima deles, Coelhão! Vamos pra cima.

Henrique Pinheiro

@geral_americafb.com/Geral.America

#AcreditaAmérica

“Coelho na raça, deca no peito!”

Pré-jogo: América x Atlético – Jogo 1 Semifinal do Campeonato Mineiro 2014

Leia o post original por Flávio Drummond


Design Arthur Henriques (Twitter: @arthurhenriques).

ZERA TUDO. É OUTRO CAMPEONATO.

 

Coelhada, zera tudo, vamos começar de novo.

Sabe aquela gaveta de baixo, a da bagunça, aquela onde você vai socando as tranqueiras que não vai usar tão cedo? Pois é, agora pegue tudo o que tiver de críticas, dúvidas e pensamentos desfavoráveis ao América e enfia lá. Guarde também o pijamão. Pronto? Fecha a gaveta, fecha a porta do armário e tranca. Daqui até a final – pois, sim, iremos à final! – é preciso acreditar. Vamos deixar para trás as picuinhas, mimimis e afins para focarmos a vitória, apoiando incondicionalmente o América.

Apoiando in loco, na segunda casa de todo americano, nas galerias do Estádio Independência. Foram colocados 7.000 ingressos à disposição da torcida americana. Qualquer número de presença abaixo é injustificável. A festa vai ser bonita e você vai querer estar lá.

É hora de mostrar o nosso amor, de empurrar o time  e acreditar na vitória.

O lado de lá tentará nos impedir, não vai entregar a ouro tão fácil, cabe ao América e aos americanos se apresentar para a batalha e tomar o que é seu. Nada a temer.

– SPARTANS, WHAT IS YOUR PROFESSION?!

 

Ontem vi publicada na rede social do Zuckerberg um recorte de jornal – supostamente do Hoje em Dia – de um americano de São José da Lapa. Não sei se o artigo é novo ou antigo, não dá pra ver a data de publicação jornal. Pela formatação do desabafo publicado, fiquei com a impressão de ser a seção de cartas à redação. É chute.

O americano em questão assina como Charles Georges. Para poupar sua identidade (o.O) vamos chamar o ex-americano desabafante de Carlos Jorges (CJ).

Eu sei que daqui a pouco aparece o primeiro mimizento com aquele papo de que “eu sou mais americano que você”, blábláblá, etc e tal, então antes que me acusem de reprimir o direito de Carlos Jorges se expressar, concordo plenamente: Carlos Jorges tem todo o direito prestar sua ode ao saudosismo de um tempo que nunca existiu. Fazer campanha pela volta do passado que nunca foi e jogar fora suas camisas e bandeiras do América, se é que as teve algum dia.

Eu só queria entender que bem faz, em que ajuda, jogar no ventilador esta carga de estrume – seja ela justificada ou não – quando o América está num momento tão interessante, que vem numa crescente, consegue uma classificação na raça e está às vésperas dum confronto importante contra seu maior rival. Pra quê?!

CJ jogou a toalha. Diz que não dá mais. Jogou fora bandeiras, camisas e queimou sua carteirinha. CJ está certo. Torcer para o América tem dessas provações. Nem todos têm estômago, têm coração pra aguentar. Eu mesmo já balancei a saúde com América – confessado em colunas anteriores.

Segues teu caminho feliz, arcadiano. Deixes que cuidemos de Termópilas.

No meu humilde entendimento de futebol, existiram três times prefeitos. Perfeitos na minha própria única particular ímpar consciência futebolística de mim, que difere da sua, ainda que dois não tenham saído vitoriosos: Seleção Brasileira de 1970, Seleção Holandesa de 1974 e Seleção Brasileira de 1982. Não necessariamente nesta ordem.

Tendo este parâmetro, em minha régua futebolística, o América de hoje não está tão perto do topo quanto já esteve em outros tempos, mas não é hora de chorar pitangas.

O que quero dizer é que o América não atingiu a perfeição ou plenitude do que podemos esperar da equipe, mas o momento é outro. O momento é de união da torcida americana com a equipe em prol do objetivo maior que é derrotar um Império do Mal, tão bem classificado pelo Marinho.

Tá infeliz, arcadiano, OK. Guarda seu balde de água fria pra depois, ela vai continuar geladinha para uso mais tarde. Por hora, não joga água no meu chopp, pô.

Amanhã, lugar de americano é no Independência. Não imaginam a inveja boa que estou daqueles que podem ir. Infelizmente, isolado no Planalto Central, terei que me contentar com a TV. Por mais que a tecnologia me coloque cada dia mais perto do campo, polegada por polegada, nunca será a mesma coisa. Cresci na arquibancada. Lá cultivei minha paixão. Foi no concreto, sob sol e chuva, debaixo de muito suor e muitas lágrimas (alegres ou não), que o escudo do América foi forjado a ferro quente no meu coração. Pra sempre.

Minha mulher que não leia – e não lerá (rs) – mas eu largo ela e não largo o América.

É hora de calar nossos adversários mais uma vez.

Amanhá – após as finais do Campeonato Mineiro – a gente vê o quê e como melhorar. Hoje, o time é este, com todo o nosso apoio e vibração.

Pra cima deles, Coelhão! Vamos pra cima.

Henrique Pinheiro

@geral_americafb.com/Geral.America

#AcreditaAmérica

“Coelho na raça, deca no peito!”

Pós-jogo: Caldense 1 x 2 América

Leia o post original por Flávio Drummond

Design Arthur Henriques (Twitter: @arthurhenriques).

Que venha o mata-mata!

 

Grande vitória do Coelhão!

“Sob pressão, Coelho faz 2 gols em 3 minutos e se garante nas semifinais”

Já que a Net fez o favor de enrolar a torcida americana, fiquei impossibilitado de assistir o jogo, assim, pedirei licença ao grande Guilherme José e transcreverei as suas observações que foram postadas no Fórum da Avacoelhada.

“Primeiro tempo, a Caldense tomou a iniciativa, pressionou, mas as melhores chances foram nossas, de contra-ataque. Caldense assustou em uma falta que o Mateus fez uma grande defesa e depois em um chute que saiu a esquerda do gol. O América perdeu um gol feito com o Obina depois de um escanteio, a bola sobrou para o centroavante que chutou de dentro da área e o volante Maxsuel (jogou no América) tirou um pouco à frente da linha do gol. Este mesmo jogador salvou outro gol do América em jogada de linha de fundo que o Obina cruzou, acho que o Tchô ia finalizar sem goleiro e este volante tirou a bola.

A Caldense fez seu gol numa falha da zaga, aliás, gol parecido com o do América. Falta pela esquerda feita pelo Diego para cobrir o Henrique. Andrei e outro jogador estavam no primeiro pau e não acertaram a cabeçada, a bola veio à meia altura e o Lula ficou parado, não conseguiu cortar, sobrando então no segundo pau para o zagueiro que ainda se abaixou para cabecear e fazer o gol.

O segundo tempo começou muito morno, o América sem inspiração. E a Caldense também pois acho que avisaram que o Tupi estava ganhando e ela não classificaria mais. O Obina saiu machucado e o América cresceu na partida. O Willians ficou aberto pela direita, Elvis veio fazer o meio e o Tchô caiu pela esquerda, ficando o Ricardinho fazendo o pivô. Depois do escanteio da esquerda do nosso ataque, a bola passou por todo mundo e o Diego completou no segundo pau. Em seguida, o América virou: Willians, com muita raça, levou a bola até a lateral e virou o jogo dentro da área, encontrando o Tchô que dividiu com o goleiro e a bola sobrou para ele, na frente, e de carrinho fez o segundo gol. O Elvis ainda chutou uma bola na trave e o Carlos Renato perdeu um gol na cara do goleiro que dividiu com ele. A Caldense teve uma chance só, no final, também de bola cruzada e o jogador deles cabeceou para fora.

Matheus: Boas defesas e quase pegou a cabeçada no gol deles.
Elsinho: Bom jogo no apoio. Na defesa, não tinha quem marcar. Machucou não sei a gravidade.
Leandro Guerreiro: Estava tendo dificuldades com o Maradona que saiu machucado.
Lula: Falhou no gol da Caldense. Também complicou em um lance que foi deixar a bola pro Mateus e permitiu o jogador da Caldense dar a volta por trás e chegar na bola. Ainda transmite insegurança. Eu o acho lento, embora o Marco Antônio considere que é veloz para zagueiro.
Henrique: Ficou perdido na improvisação e por ali nasceu a jogada do gol da Caldense. Também saiu machucado com problema muscular.
Diego: Melhor em campo, embora começou fazendo muitas faltas. Jogou quase todo o jogo com cartão amarelo.
Andrei: Na verdade, está fazendo a função de terceiro zagueiro, mais atrás. Acho que o Leandro Guerreiro está sendo o líbero. Não acertou a cabeçada no gol da Caldense, mas esteve bem com muita raça. Prefiro o Andrei como segundo homem do meio, podendo avançar também.
Willians: Melhor em campo, junto com o Diego. Além de ajudar na marcação, levou o América pra frente na base da raça, atuando quase que como um ponta mesmo.
Tchô: Engraçado, estava até apagado no jogo, com um primeiro tempo muito fraco. Mas, fez o gol decisivo, da vitória. Penso que ele está jogando como atacante e não armador e está se dando bem.
Ricardinho: Também um primeiro tempo ruim e cresceu na segunda etapa. Quase fez um gol e criou chances quando ficou mais centralizado.
Obina: O peso atual impede de jogar futebol. O chato do comentarista da tv disse que o Obina não está em condições físicas de jogar futebol. Eu cantei esta bola: sofreu estiramento e, talvez, sua ausência seja nosso maior reforço na semifinal. Vai ter q reverenciar a torcida do Atlético do sofá de casa.
Elvis: Entrou bem, mandou bola na trave e fez o papel de armador.
Carlos Renato: Também entrou bem, acho que pode ser a sombra do Gilson, não precisa da volta do Bryan.
O lateral direito novo, entrou nervoso, mas não comprometeu.”

Que venha o clássico das multidões!

Que venha o rival alvinegro!

MELHORES MOMENTOS

#AcreditaAmérica

“Coelho na raça, deca no peito!”

Pré-jogo: Caldense x América

Leia o post original por Flávio Drummond

Design Arthur Henriques (Twitter: @arthurhenriques).

EM BUSCA DA CLASSIFICAÇÃO

Coelhada, confesso que não vejo muito o que escrever para a próxima partida. No máximo divido com vocês a ansiedade por mais um jogo do Coelhão.

Não pela importância, por ser um jogo que definirá o futuro do América no campeonato, pois não tenho qualquer sentimento especial por este jogo, mas é que  domingos com o Coelhão sempre são bons demais – ainda que com algumas frustrações.

Depois da apresentação de quarta-feira, a menos que você seja discípulo da Escola Hardy de Autoconfiança – “Oh céus! Oh vida! Oh azar!” – imagino que esteja acreditando na classificação tanto quanto eu.

A Caldense não corre risco de queda, mas ainda tem chances matemáticas de se classificar no G4. Pode resolver jogar sério, querer ganhar alguma coisa, mas vendo seu retrospecto no campeonato, em especial seus últimos jogos, não acho que vá oferecer muita resistência desde que o América entre em campo focado, jogando com seriedade e dedicação, como na partida passada.

Ademais, é torcer para que os demais resultados nos favoreçam e possamos nos classificar em 3º, porque eu quero a revanche em cima cocotas. Ainda não digeri aquele 3×2.

Sintonia fina, Moacir!!! Não inventa moda não! Vamos pra cima.

Henrique Pinheiro

@geral_americafb.com/Geral.America

#REAGEAmérica

“Coelho na raça, deca no peito!”

Pós-jogo: América 2 x 0 Boa

Leia o post original por Flávio Drummond

Design Arthur Henriques (Twitter: @arthurhenriques).

Aí sim, Coelhão!

Uma apresentação honesta e um bom resultado.

Não estou querendo minimizar a vitória americana, mas confesso que estou conscientemente reprimindo a euforia. Euforia natural de quem está a tanto tempo sem ver uma boa apresentação do América.

Foi um bom jogo, mas ainda não foi essa cocada toda. Pezinhos no chão.

Tchôvtchenko, apesar de todas as desconfianças e do passado manchado, vem demonstrando total condições de assumir a criação. Já é ponto de referência, além de estar fazendo também os seus. Dois, só hoje.

Obina, meu caro Obina, perdeu um penal. Ou será que perdeu mesmo? Eu sei que dizem por aí que pênalti bem batido é aquele que entra, mas a bola foi firme, forte, no chão e no canto. Mérito total do galeirão, na minha avaliação. Aliás, o segundo pênalti que ele pega neste campeonato.

Não que eu esteja recusando um novo batedor. Esse tipo de coisa pode mexer com a cabeça do atacante. Aliás, no balaio poderia surgir um batedor de faltas também. Têm sido lamentáveis os arremates próximos da grande área. Ninguém disposto a ficar mais meia horinha todo dia depois do treino? Gilson? Andrei? Quem se habilita?

Falando em bola parada, tivemos outros dois pênaltis não marcados em nosso favor? Foram lances difíceis, mas tentando ser o mais isento possível, as duas jogadas foram de botar na marca de cal.

Willians ganhou hoje o meu salvo conduto. Não apenas pela apresentação do dia, mas pela sequência evolutiva. Parei de pegar no seu pé. [Mas se for daqueles que não pode elogiar que estraga, a gente volta com a corneta.]

Quem também se apresentou bem foi o xará, Henrique. Bela partida.

Mais ou menos no meio do 2º tempo a transmissão da TV disse que ele fez sinal para o banco, pedindo substituição. Alguém viu isso? Se de fato ocorreu, não entendi a demora do Moacir em fazer a substituição. Fosse por dores ou simples cansaço, ainda temos um ano inteiro pela frente e não há porque forçar o garoto, com 2×0 no placar e Lucas Silva no banco em total condições de substitui-lo.

Matheus como sempre fazendo boas defesas. Talvez possa também ficar mais meia horinha depois do treino para aprimorar as saídas do gol em bolas levantadas na área. É ainda seu ponto mais fraco.

E precisamos falar de Leandro Guerreiro. Sofríamos tanto com a falta de acertos do meio pra frente, que as vezes esquecemos de falar da cozinha. Seja jogando como volante ou improvisado na zaga, como hoje, Guerreiro vem dando corpo e tranquilidade à defesa americana. Também tem grande participação na melhora da travessia da bola, da defesa para o meio. Merecedor de tantas homenagens quanto os goleadores.

O Caminho para a Classificação

– E aí, Henrique, agora podemos dizer que o América só depende dele, certo? Liberou?

Seria uma meia verdade. Para ultrapassarmos o Boa, precisamos contar com empate ou derrota dos varginhense, o que deve sim acontecer.

Já estamos à frente do Tupi na tabela, mas a vantagem é tão tênue – 2 gols pró a mais – que caso a gente vença a Caldense por 1×0 e o Tupi faça 3×1 3×2 no seu jogo, resultados perfeitamente plausíveis, a decisão de quem ficará à frente na classificação se dará por número de cartões amarelos e, na sequência, cartões vermelhos. Dada a mítica americana, eu não duvidaria. [Pra tranquilizar seus coraçõeszinhos, se minha conta não estiver errada, temos vantagem de ter levado 4 cartões amarelos a menos e não tivemos vermelhos, enquanto o Tupi sofreu 4 expulsões.]

[ATUALIZAÇÃO] – Volta o parágrafo de cima, suspende a correção abaixo. [rs] Como bem percebeu o Breno nos comentários, o desempate disciplinar pode acontecer caso os resultados de América e Tupi sejam respectivamente 1×0 e 3×2. [Em minha defesa, a cabeça as vezes não funciona muito bem às duas da matina. eheheh] Eu sei que a torcida tem passado por testes cardíacos a cada semana, mas confesso que vou torcer para que isso aconteça. Vai ser divertido! [Fire in the hole!]

Esqueçam essa bobagem aí em cima. Viajei total. Se os resultados que coloquei acontecerem, o Tupi levaria vantagem no saldo de gols. Ainda assim, a nossa vantagem é pequeníssima, e só estamos à frente por “maior número de gols conquistados”. Qualquer saldo a mais nesta última rodada dá aquele que o fizer a vantagem na tabela. Se os placares forem iguais, continuamos à frente pelos número de gols pró. [Mas que ia ser divertido aquela maluquice ali de cima, isso ia…]

Tchô faz dois, América-MG bate o Boa e sonha com classificação às semis.

Moacir Jr. ainda desperta dúvidas no coração americano? Tendo em vista o que encontrou no América, já me dou por satisfeito. É um bom treinador e está acertando o time. Que consiga as peças que ainda precisa para deixar a máquina redondinha pro Brasileirão.

É isso aí, Moacir!!! Continue com o ajuste fino, que chegaremos lá. Estamos no caminho.

Domingo, pra cima da Veterana!

Henrique Pinheiro

@geral_americafb.com/Geral.America

#REAGEAmérica

“Coelho na raça, deca no peito!”

Pré-jogo: América x Boa

Leia o post original por Flávio Drummond

Design Arthur Henriques (Twitter: @arthurhenriques).

ΓΝΩΘΙ ΣΑΥΤΟΝ
(Conhece-te a ti mesmo)

Amanhã tem mais. Se o América ainda quer alguma coisa neste campeonato mineiro, tem a obrigação de vencer o Boa, concorrente direto pela vaga.

Me permitam deixar uma coisa bem clara antes de começar: eu acredito que o América tem total condições de se classificar.

Isto posto, circula por aí notícia de que o América “só depende dele” para se classificar. Se aprendi bem na escola – um beijo para Beatriz Goursand, minha professora de matemática favorita – isso não é exatamente verdade. Ainda que vençamos os dois jogos, chegando aos 18 pontos, o Boa pode chegar a 19 e o Tupi também aos 18, mas com vantagem no saldo de gols.

Claro, a lógica do futebol – se é que ela existe – nos faz acreditar que a duplinha cuidará de derrotar ou ao menos empatar seus jogos, o que tiraria o Boa da nossa frente, mas isso não é igual a dizer que o América depende apenas de seus resultados para se classificar.

“Potatos, Potahtos”

Noves fora, o resultado final da tabela pode ser o mesmo, independente de dizermos que o América depende de si ou não? Certamente que sim. Acredito que será, ou seja, que a classificação do América ou não, no frigir do ovos, acontecerá a depender de nossos próprios resultados.

– Então, Henrique, além da bipolaridade, qual é o seu problema?

O problema em adotar tal discurso, pensam meus fiéis botões, é que ele minimiza as atuais deficiências do América em campo. Tenta tapar com a peneira.

Daí a máxima de Delfos lá em cima: conhece-te a ti mesmo.

É preciso que o América – e neste caso estou excluindo nós torcedores como parte do América – tenha plena consciência de suas fraquezas para poder corrigi-las, não apenas na luta pela classificação, como para os próximos desafios que se apresentarão no ano. Tirá-las, ainda que momentaneamente, de nosso pensamento é jogar a busca pela solução do problema lá pra frente, e talvez esquece-las caso os resultados próximos nos sejam favoráveis. Não dá pra esconder debaixo do tapete. Venha a classificação ou não, o América precisa, e muito, melhorar o seu jogo.

Até o BRT já começou a rodar e nós ainda estamos – desde de quando mesmo – formando um time. É hora de voltarmos a ter uma sequência maior de alegrias.

Que ótimo seria vencer o Campeonato Mineiro, mas o objetivo maior do ano ainda é, para a maioria, o acesso à Série A. Aqueles que não pensam assim são os que imaginam o título da Copa do Brasil e a vaga para a Libertadores 2015, como eu, mas não acho pequeno querer apenas o acesso, quem sabe com título, no Campeonato Brasileiro Série B. [Quem nunca?]

Repito, confio na classificação, torcerei fervorosamente por ela. Só acho que certos pingos precisam ser colocados em seus respectivos is e jotas, para que a bola possa correr macia e vitoriosa por todo o ano, e além.

Acerta o time aí, Moacir!!! Me ajude a te ajudar. Vamos pra cima.

Henrique Pinheiro

@geral_americafb.com/Geral.America

#REAGEAmérica

“Coelho na raça, deca no peito!”

Pós-jogo: América 1 x 1 Villa Nova

Leia o post original por Flávio Drummond

Design Arthur Henriques (Twitter: @arthurhenriques).

Dois passos em frente, um passo atrás.

Ê, América, como é possível? Tava indo bem…

Mais um jogo de 45 minutos. O América parece desconhecer que o jogo tem dois tempos de 45′. Ontem então, a demora do time para voltar dos vestiários no intervalo, só reforçou minha suspeita. Voltaram correndinho, com o Villa já postado em campo para jogo, apressados. Tão apressados que esqueceram o futebol lá dentro, tomando uma ducha fria.

“Coelho e Leão empatam em jogo bom no Independência”

“Moacir Júnior lamenta má atuação no segundo tempo do empate com o Villa”

Se o Moacir lamenta, imaginem eu!

O primeiro tempo foi bom, mas só isso também. Bom. Não brilhante. Ainda assim tivemos várias oportunidades e o placar de 1×0 ao final poderia ter sido melhor.

A fase estava muito ruim e vem melhorando, mas não dá pra abusar da sorte. O time precisa se manter focado em cada lance, não pode dar a partida como vencida, nem deixar de disputar cada bola.

Matheus quase entregou. Quiz fazer bonito ao invés de fazer o mais fácil. Ainda não é hora pra isso.

Repito, o time está melhorando, encontrando seu caminho, mas não pode se descuidar. Graça a gente faz quando está sobrando, e estamos bem longe disso.

Para mim esta atitude do Matheus reflete o estado de espírito da equipe. Os resultados anteriores vieram e permitiram a equipe alguma tranquilidade. Tranquilidade esta que foi confundida de relaxamento.

Não, o América ainda não está pronto pra isso, meus caros boleiros. Embora a situação na tabela estivesse sob controle antes da partida, ainda não dá pra achar que a vitória virá sem o esforço de cada um dentro de campo. Ou já se esqueceram que o resultado contra o Guarani foi no sufoco, contra um time de 10, valendo-se ainda de um gol muito mal resolvido? Tem que comer capim.

Mesmo no bom primeiro tempo, tivemos um gol de bola parada enquanto as chances criadas eram perdidas nos detalhes: no drible a mais, no passe displicente, no querer resolver sozinho, no medo de chutar a gol. A cabeça podia estar no jogo, mas não com toda a vontade que deveriam ter. Não pode cochilar, nem por um minuto.

Antibiótico, já tomaram? Pois é. É mais ou menos por aí. Inicia-se o tratamento com a posologia indicada pelo médico. Antes mesmo do fim, uma melhora nos sintomas e o retorno do vigor nos faz crer que já estamos curados, mas o doutor avisou, toma tudinho. Siga com o tratamento até o final pois o risco da recaída existe e o mal-estar pode voltar com ainda mais agressividade. Então, Coelhão, toma o remedinho, sem fazer cara feia.

Nada é natural nessa vida. É tudo fruto de trabalho. Vamos remar! Capinar cada centímetro do campo.

Ainda dá. Tá difícil, mas enquanto houver possibilidade matemática, temos que buscar cada resultado. Acorda, Coelhão!!!

Acerta o time aí, Moacir. De novo! Vamos pra cima.

MELHORES MOMENTOS

Henrique Pinheiro

@geral_americafb.com/Geral.America

#REAGEAmérica

“Coelho na raça, deca no peito!”

Pré-jogo: América x Villa Nova

Leia o post original por Flávio Drummond


Design Arthur Henriques (Twitter: @arthurhenriques).

Pra chegar junto.


Passado o Carnaval, como bons brasileiros que somos, podemos finalmente começar o ano de 2014. Daqui pra frente a coisa fica séria! Ao menos até a parada para Copa, porque alegria é um direito fundamental.

Que venham o Villa, com sua campanha trôpega e seus 8 pontos.

Não que a nossa campanha venha sendo de brilhantismo ímpar até aqui, mas apesar dos três desfalques – Williams, Leandro Guerreiro e Andrei Girotto suspensos pelo 3º cartão – o Coelhão tem total condições de conquistar mais 3 pontinhos na tabela.

“América-MG perde três jogadores para enfrentar Villa Nova, domingo”

Caballero certamente entrará. Marcelo Rosa completa o meio de campo? E no lugar de Williams, Lucas Silva ou Ricardinho?

É, Moacir, achou que seria fácil? Faça como no velho ditado: “Se a vida lhe oferecer limões, abra uma gelada para acompanhar o peixinho frito.” [Ou algo parecido…]

Entrando com a mesma determinação demonstrada contra o Nacional, ocupando todos os espaços do campo, mantendo a posse de bola e visando o ataque, a vitória certamente virá.

Ainda não será neste domingo que entraremos no G4, mas precisamos do resultado para encostar ainda mais no grupo da frente para então, com nossas próprias forças, disputar a classificação com os adversários diretos nos últimos dois jogos. Também não custa jogar uma zicazinha pra cima da turma de lá…

Acerta o time aí, Moacir. Vamos pra cima.

Henrique Pinheiro

@geral_americafb.com/Geral.America

#REAGEAmérica

“Coelho na raça, deca no peito!”

Pós-jogo: Guarani 1 x 2 América

Leia o post original por Flávio Drummond

Design Arthur Henriques (Twitter: @arthurhenriques).

O importante foram os três pontos.

 

Finalmente, o Coelhão venceu a primeira fora de Belo Horizonte neste Campeonato Mineiro.

“Com gol polêmico, América-MG vence Guarani-MG e se aproxima do G-4″

Não teve o “baile” como queria o grande Henrique Pinheiro, mas o importante é que emplacamos a segunda vitória consecutiva e entramos na luta por uma vaga no G4.

Para falar a verdade, ficamos muito longe de apresentar um bom futebol.

Parece que o Moacyr Júnior terá mais trabalho do que pensava.

Espartanos, alguém consegue explicar a falta de vontade de grande parte do grupo do América?

Como apontou o Ricardo Brasília, o time do Guarani é muito pior que o Nacional, mas, mesmo assim, sofremos como sempre para confirmar a vitória, sendo que jogamos grande parte da partida com um homem a mais em campo.

Deste jeito, vai ter americano enfartando antes da hora mesmo.

Apesar dos pesares, a dupla de zagueiros foi bem novamente. O Lula com toda a sua limitação vem ganhando confiança com o Renato ao seu lado.

Lucena, pelo visto, nunca mais!

Novamente, não gostei da atuação do Henrique. Definitivamente, ele ainda está perdido em campo. Reage, “Garoto”!

O Ricardinho, que entrou em seu lugar, foi outra decepção. Espero que suas fracas atuações sejam em razão da falta de ritmo de jogo, caso contrário…

Já o Willians, não tem jeito… Recebeu de bobeira o terceiro cartão amarelo ao comemorar o gol que definiu a partida, mesmo após ser substituído, e desfalcará a equipe no complicado confronto diante do Villa Nova. Além dele, não contaremos como o Guerreiro e o Andrei.

“Com dois gols em dois jogos, Tchô comemora golaço e quer classificação”

Já a dupla “TCHORBINA” não foi tão bem desta vez, mas, ainda assim, foram os destaques do Coelhão.

Que belo gol fez o Tchô aos 44 minutos da etapa final.

Pena, ainda, a bola na trave do Obina, que, mesmo sem marcar, é o artilheiro isolado da competição com seis gols.

Que no domingo próximo o futebol seja outro, já que a paciência do torcedor chegou ao fim e a esperança nem sei onde está.

MELHORES MOMENTOS

#REAGEAmérica

“Coelho na raça, deca no peito!”

Pré-jogo: Guarani x América

Leia o post original por Flávio Drummond

Design Arthur Henriques (Twitter: @arthurhenriques).

A reação deve continuar.

Pois bem, nesta tarde de quarta-feira de cinza, sejamos visitantes indigestos no Farião.

Em princípio o time que começa a partida é o mesmo entrou em campo contra o Nacional. Dizem por aí que Ricardinho poderá entrar como titular no lugar do Henrique, que realmente não apareceu muito no jogo de sábado. A conferir.

“Por sequência de vitórias, Guarani-MG e América-MG duelam em Divinópolis”

O importante é, independentemente das dificuldades que o adversário apresentar, que saibamos nos portar em campo, sabaibamos impor o ritmo e buscar sempre o gol, além de, claro, caprichar no giz pra não errar a pontaria.

Podemos acreditar na vitória. O Guarani vem de bom resultado contra o BOA, mas não tem porque não voltarmos de Divinópolis com três pontos. O América é muito mais time. Tem que colocar seu futebol em campo.

A reação deve continuar.

Henrique Pinheiro

@geral_americafb.com/Geral.America

#REAGEAmérica

“Coelho na raça, deca no peito!”