Arquivo da categoria: Centenario

Nossos meninos de novo

Leia o post original por Rica Perrone

Quando eu era moleque meu pai discutia a seleção de 82 com meus tios e falava dos jogadores como se fossem patrimonios nacionais. Havia respeito, carinho e admiração. A cobrança era parte do processo, mas nunca ofuscou o olhar que brilhava por eles. Acho que passei a maior parte da minha vida ouvindo a imprensa …

Nunca haverá “favorito”

Leia o post original por Rica Perrone

Eu entendo que o termo “favorito” não indique um vencedor. Apenas um time que esteja naquele momento melhor para o jogo. O que nunca significou muita coisa, em clássicos, vai a “nada”. Eu não assisti nem dez Palmeiras x Corinthians onde o “favorito” deita e rola.  É mais raro do que o não favorito vencer, aposto. …

Parabéns, Vila. Obrigado, Léo. Santos empata com o Benfica e mantém 100% sobre rival!

Leia o post original por Milton Neves

Que festa maravilhosa o Santos preparou para a Vila Belmiro, a vila mais famosa do mundo.

Bela homenagem e grande maneira de se comemorar 100 anos de muitas glórias, neste verdadeiro templo sagrado do futebol.

O duelo contra o Benfica foi escolhido a dedo para a comemoração, que contou também com a despedida oficial do eterno “camisa 3″ do Peixe, o lateral Léo.

Estiveram presentes craques do passado e do presente, alguns apenas prestigiaram a partida, outros como Giovanni, foram à campo.

Oxalá todos os clubes brasileiros fizessem isso com seus ídolos.

E engana-se quem pensa que o jogo seria apenas um jogo.

O Santos até entrou meio desligado, mas chegou a colocar na roda, literalmente, os portugueses.

Teve até um lance mais duro em cima de Renato, instante que deixou claro a vontade de ambos em vencer o amistoso.

No entanto, um pênalti infantil quase decretou a vitória dos visitantes.

É que o estreante argentino, Fabián Noguera, deixou tudo igual.

Mas se não fosse o goleiro João Paulo, a comemoração ia acabar em muito bacalhau.

Sendo assim, o gosto do primeiro triunfo sobre o algoz de 62 ficou para a próxima.

Isso só reforça a certeza de que o Alvinegro Praiano é um dos maiores rivais que Benfica já enfrentou.

Nem o time mais popular daqui, o Corinthians, daria a satisfação que o Santos deu aos jogadores lusos.

Parabéns, Vila. Obrigado, Léo. Que honra!

OPINE!!!

Precisamos falar de Copa América…

Leia o post original por Rica Perrone

Com o perigo cada vez mais iminente de uma tragédia, é preciso reavaliar cenários. A Copa América 2016, embora de muito bom nível e bastante interessante, é um torneio amistoso. E se não for, passa a ser agora. Porque quem estará na Copa das Confederações ano que vem? O Chile, campeão da Copa América. Logo, …

Cem anos, Vô!

Leia o post original por RicaPerrone

Oi Vô! Tudo bem aí em cima?  Saudades de você.

Mas te escrevo hoje não pra falar de nós mas sim pra te mandar notícias. Talvez você perca a noção de tempo ai onde estiver, mas hoje, dia 26 de agosto, o seu Palestra faz 100 anos.

Eu adoraria que você estivesse vivo por diversos motivos, mas pra ver o Verdão chegar nessa data e ainda apresentar um estádio maravilhoso é um deles.

Quando você se foi eu sonhava em ser jornalista esportivo. Eu consegui, Vô.  Vivo de futebol, como sempre quis. Acompanho tudo de perto, não tenho mais o mesmo clubismo pelo meu São Paulo, mas em troca disso aprendi a ver o que há de mais especial em outros 11 grandes clubes.

Eu tô morando no Rio, Vô. Mas me contaram que a noite em São Paulo foi barulhenta. Cheia de vinhos, queijos, bandeiras e camisas verdes pra todo lado. Eu queria ter visto.

As coisas não ficaram muito calmas por aqui nos últimos anos. Se eu te contar que caiu pra série B e tudo você acredita?  Nem eu, as vezes. Mas aconteceu. E duas vezes.

Caramba, Vô! Você morreu na noite de um domingo onde o meu São Paulo ganhou do seu Palmeiras de virada. No dia seguinte ao ter “apostado” um guaraná comigo que daria “Palestra”, como você sempre tratou seu time.

Eu te liguei domingo a noite e ninguém atendeu. Eu queria falar do jogo, mas nunca falamos dele.

Aliás, Vô! Fui te homenagear e usar “Perrone” quase me quebrei. Tem um tal de Ricardo Perrone aqui que a torcida do Palmeiras odeia. E eu já até mudei pra “Rica”  pra diferenciar. Mas olha… o que tem de nego que confunde e me ameaça….

Ah! Vocês ganharam a Libertadores! Nos pênaltis, mas foi legal. O Felipão, lembra? Do Grêmio.  Então, era ele o treinador.

O Mundial, não. Perderam na final pro Manchester, 1×0.  Falha do Marcão, que é um dos maiores nomes do clube e você não conheceu.  Ia gostar dele, meio caipira, simples, careca. Até parecido com você.

Mas ele já aponsentou também.

Faz tempo né, Vô?

Mas era isso. Eu queria te lembrar da data, dizer que vou tomar um vinho por você e brindar “ao Palestra!”  como você faria. Sem hipocrisia, prometo! Desde que você se foi é muito difícil não olhar pra aquele time de verde e lhe desejar sorte.

Andou faltando. Mas é fase.

Você tinha que ver o estádio, Vô. Nem abriu ainda, mas é muito bonito. Acho, e que ninguém nos ouça, que é o mais bonito de São Paulo.  Ah! Quase esqueci! O Corinthians fez um também! Juro!

Sério, pô! Acredita em mim.  Mas é uma longa história.

Teve até Copa aqui, Vô. Eu fui, mas perdemos. Não vou entrar em detalhes pra você não morrer de novo, mas acho que agora entendo o que vocês sentiram em 50.

Tenho que ir agora. Muito trabalho e preciso publicar coisas sobre o seu Palestra no blog. Blog é, diria eu, uma “coluna de jornal” do meu tempo.

Fica com Deus aí, Vô.  Tô com saudades.  Assim que o Palmeiras for campeão de novo eu te mando notícias.

Até já!

abs,
RicaPerrone

Honra e destino, parabéns pelos 100 anos!

Leia o post original por Neto

PALMEIRAS - 1989. Em Pé: Darío Pereyra, Toninho, Júnior, Édson, Velloso e Abelardo. Agachados: Mauricinho, Gérson Caçapa, Gaúcho, Edu e Neto

PALMEIRAS – 1989. Em Pé: Darío Pereyra, Toninho, Júnior, Édson, Velloso e Abelardo. Agachados: Mauricinho, Gérson Caçapa, Gaúcho, Edu e Neto

Nesta terça-feira, dia 26 de agosto, a Sociedade Esportiva Palmeiras completa 100 anos de história. Um clube de muitas glórias e conquistas. O maior campeão nacional com oito brasileiros e duas Copas do Brasil. E apesar de muitos torcedores não gostarem de mim, sou muito grato ao clube alviverde por fazer parte da minha história de vida. Pouca gente sabe mas o Verdão foi o primeiro time grande a apostar no meu futebol. A comprar meu passe do Guarani de Campinas.

Joguei por lá em 1989 e fizemos uma baita campanha no Paulistão. Perdendo apenas uma partida em 26 rodadas. Não à toa ficamos até com a taça dos invictos. Mas quis o destino que o técnico da época, Emerson Leão, me trocasse com o Corinthians. Tínhamos temperamentos incompatíveis. E no Parque São Jorge graças a Deus (ou ao Leão!) me dei bem.

Mas independente disso ficou o respeito. Ficou o orgulho de ter vestido a camisa do Palmeiras. Se sou crítico demais é porque não gosto de ver o que as últimas diretorias estão fazendo com o clube. E de certa forma torço para que o Verdão volte a ser forte e honre suas tradições. Parabéns Palmeiras pelo seu primeiro centenário! Faça a festa massa palestrina!!!