Arquivo da categoria: comissão

Não vejo o Corinthians com mais títulos este ano.

Leia o post original por Nilson Cesar

Não consigo enxergar o Corinthians conquistando mais títulos este ano. Acho que ira ficar só com a conquista do título Paulista. Trata-se de um ano de renovação de elenco e comissão técnica. Isso tem um preço e o torcedor do timão precisa entender. O Corinthians tem também dívidas a saldar e precisa colocar a casa em ordem. O Corinthians é gigante e em breve estará de volta conquistando títulos e dando alegrias para a sua torcida. Só acho que este ano não irá conquistar mais nada. É o meu palpite.

Com verba gasta em comissão na venda de Jô, Corinthians brigaria por Love

Leia o post original por Perrone

Confira abaixo o que o Corinthians poderia fazer com os cerca de R$ 9,6 milhões em comissões pagas a dois agentes na venda de Jô para o Nagoya Grampus, do Japão. Giuliano Bertolucci ficou com aproximadamente R$ 6,4 milhões. Por volta de R$ 3,2 milhões foram para Beto Fedato. O atacante foi vendido por cerca de R$ 31,9 milhões. Ou seja, o clube comprometeu perto de 30% do que recebeu com pagamentos de comissões. Normalmente, empresários levam 10% do valor do negócio. O alvinegro ainda ficou encarregado dos impostos referentes às comissões.

Proposta por Vágner Love

Segundo o jornal turco “Fanatik”, o Besiktas está disposto a pagar cerca de R$ 7,8 milhões pelo atacante do Alanyaspor, também da Turquia. Assim, com a quantia paga a agentes na venda de Jô, o Corinthians poderia oferecer R$ 1,8 mi a mais pelo atleta. Segundo a mesma publicação, a equipe do brasileiro o avalia em R$ 15,6 milhões.

Pagar pouco menos do que a multa cobrada pelo Vitória por Tréllez

O Corinthians desistiu da contratação do atacante da equipe baiana porque se recusou a bancar a multa rescisória de R$ 10 milhões, R$ 400 mil a mais do que aceitou pagar em comissões na transferência de Jô.

Fazer oferta melhor do que a do Santos por Gabigol

O alvinegro do litoral alinhavou o empréstimo de seu ex-jogador por uma temporada, por cerca de R$ 6,6 milhões. Ou seja, a Inter de Milão deve receber para emprestar o atleta aproximadamente R$ 3 milhões a menos do que embolsaram os empresários envolvidos na venda de Jô.

Aumentar a proposta por Henrique Dourado

Enquanto negociava com o Fluminense, o Corinthians estava disposto a pagar R$ 8 milhões por 50% dos direitos econômicos do artilheiro. O tricolor carioca, no entanto, pedia o pagamento da multa de cerca de R$ 17,7 milhões equivalente a 100% dos direitos.

Pagamento de comissão em venda de Jô vira alvo de oposição corintiana

Leia o post original por Perrone

A venda de Jô para o Nagoya Grampus, do Japão, se transformou em vidraça do grupo situacionista durante a campanha eleitoral corintiana. Candidatos de oposição atiram pedras principalmente por causa dos R$ 9,6 milhões em comissões pagos a dois empresários.

Um dos agentes é Giuliano Bertolucci, influente internacionalmente e amigo de longa data de Andrés Sanchez, candidato da situação à presidência no pleito marcado para 3 de fevereiro.

Jô foi vendido por cerca de R$ 32 milhões. Ou seja, o clube pagou aos agentes comissão de 30% e ainda se responsabilizou pelo pagamento de impostos. Normalmente, os intermediários são remunerados com 10% do valor da negociação.

Bertolucci, parceiro de Kia Joorabchian em muitas negociações e também amigo de Andrés, ficou com R$ 6,4 milhões na operação.

“Se for verdade os 30% (de comissão), é uma vergonha. Parece mais pagamento de outra coisa que não comissão”, disse ao blog Felipe Ezabella, candidato à presidência e ex-integrante do grupo político de Andrés.

“O Corinthians não precisa de intermediário para vender o artilheiro do Campeonato Brasileiro. Não é um jogador desconhecido. Ganhando a eleição, vou pegar os contratos e investigar. Temos lei que protege o clube contra gestão temerária, o Profut. Pagar comissão exorbitante e desnecessária é gestão temerária”, declarou Romeu Tuma Júnior, também candidato à presidência.

Ao UOL Esporte por meio da assessoria de imprensa do Corinthians, o presidente Roberto de Andrade disse que não gostaria de comentar sobre os valores da transferência. Andrés Sanchez não pôde ser ouvido porque não fala com o blog. Paulo Garcia, candidato à presidência, não respondeu à mensagem enviada pelo blog sobre o assunto.

São Paulo correndo risco de rebaixamento. Isso é fato.

Leia o post original por Nilson Cesar

O São Paulo corre sério risco de ser rebaixado sim. Eu acredito que ainda se salve mas não por seus méritos, e sim por ineficiência dos seus adversários diretos. Desde 2009 o tricolor só vem participando das competições sem chances de conquistas de títulos. O clube é vencedor demais, mas está pagando por erros consecutivos de sua diretoria,. Acho que o susto deste ano pode ajudar o São Paulo . A direção do São Paulo primeiro precisa reconhecer o quanto errou e tomar muitas doses de humildade. A má gestão têm reflexo direto no desempenho dentro de campo. Precisa acordar o São Paulo F.C urgentemente e uma grande reformulação ser feita para 2017. Uma comissão técnica nova, jogadores novos e competitivos e retomar conquistas de títulos. Nos últimos anos o São Paulo vem sendo só partícipe das competições. Acorda tricolor!

Após nove meses, investigação sobre comissão suspeita não terminou no SPFC

Leia o post original por Perrone

Nove meses após ser criada, a comissão responsável por investigar o contrato entre o São Paulo a empresa Far East, que receberia R$ 18,3 milhões por intermediar o acordo com a Under Armour, ainda não concluiu seus trabalhos.

A demora gera cobrança de conselheiros e membros da diretoria que esperavam a apresentação de um relatório sobre o assunto na reunião do Conselho Deliberativo nesta terça, que terá votação sobre a renovação de compromisso com a Globo. Porém, o tema não está na pauta.

O trabalho da comissão é indicar se houve irregularidades e quem as teria cometido, entregando um relatório para o conselho decidir sobre possíveis punições.

Ouvido pelo blog, Joandre Ferraz, da comissão que faz a investigação, disse que espera terminar os trabalhos no início de março. “Ainda falta ouvir uma pessoa para podermos chegar a uma conclusão. É um trabalho complexo, tivemos que ouvir várias pessoas. Cada um traz uma informação nova, que você precisa checar. Por isso não terminamos, mas agora estamos pela bola sete”, afirmou Ferraz.

O caso envolvendo a Far East foi um dos que geraram as suspeitas contra a administração de Carlos Miguel Aidar, que acabou renunciando à presidência.

O alto valor da comissão e a desconfiança de que a credora é uma empresa de fachada fizeram com que o conselho não aprovasse o pagamento até que a investigação fosse feita. Aidar, então, surpreendeu o órgão dizendo que Jack Banafsheha, dono da Far East, havia desistido de cobrar a dívida. O ex-presidente nega irregularidades na operação e foi ouvido pela comissão de investigação.

“O Carlos Miguel entregou dados da Far East, ela não é uma empresa de fachada. Atua no setor têxtil, e se ofereceu para ajudar porque tem contatos no meio de fabricantes de material esportivo”, declarou Ferraz. Sobre o fato de a empresa ter desistido da cobrança, o conselheiro disse ainda ter dúvidas se isso de fato ocorreu. “Mas vamos recomendar um distrato formal”, disse ele.

Edson Lapolla, diretor-adjunto de marketing e que sugeriu a criação da comissão, é um dos que mais cobram a conclusão da investigação. “A forma de punir os corruptos no clube é provar a tentativa de se pagar comissão para uma empresa que não existe e nunca trabalhou para o São Paulo. A comissão precisa fazer só quatro perguntinhas para esclarecer isso. É simples”, declarou Lapolla.

Ele ainda pediu a ajuda do empresário Abilio Diniz, que não é conselheiro, mas falará ao conselho nesta terça. “Se ele quer ajudar o clube, pode fazer no conselho essas perguntas sobre a tentativa de se pagar comissão”, disse.

 

Irmão de Barcos vai receber US$ 400 mil do Palmeiras por ajudar atacante a ter aumento, segundo cofistas; Tirone nega

Leia o post original por Perrone

Documentos obtidos pelo COF (Conselho de Orientação e Fiscalização do Palmeiras) mostram que o irmão de Barcos, David, vai receber comissão de US$ 400 mil (R$ 817,4 mil) por sua participação na operação em que o argentino recebeu aumento no Palmeiras.

O pagamento será feito em cinco parcecelas de US$ 80 mil, apesar de Antonio Henrique Silva, responsável pelas finanças do clube, dizer ser contrário ao comissionamento.

Como escrevi no sábado, o caso gera revolta entre dirigentes e conselheiros porque o contrato foi renovado apenas para Barcos ter aumento. Seu salário passou de aproximadamente R$ 200 mil para cerca de R$ 400 mil.

Os descontentes alegam que o Palmeiras pagará comissão para quem trabalhou contra o clube. Isso porque, como qualquer a gente, David brigou por um salário maior para o atacante, enquanto o clube tentava desembolsar menos.

Barcos diz, por meio de sua assessoria de imprensa, que todos empresários recebem comissão. E o fato de David ser seu irmão não o desqualifica como agente.

Atualização

Desde sexta, o blog tenta falar por telefone com Tirone, além de enviar mensagem para o celular do presidente. Ele não atendeu aos telefonemas e nem respondeu à mensagem. Mas, depois da publicação do post, contestou por telefone a comissão de US$ 400 mil. Afirmou que pagará um terço desse valor para cobrir despesas de David com passagens aéreas e outros gastos para vir ao Brasil.

Palmeiras paga comissão a irmão de Barcos em operação para dar aumento a argentino, contra vontade de diretor financeiro

Leia o post original por Perrone

Barcos renovou contrato para ter aumento

Para renovar o contrato e dar aumento a Barcos, o Palmeiras se comprometeu a pagar comissão ao irmão e agente do argentino, David, contra a vontade do departamento financeiro. O caso gera revolta entre conselheiros e até diretores de Arnaldo Tirone.

A indignação acontece principalmente porque o grupo que elegeu o atual presidente criticava o que chamava de excesso de comissões pagas pela gestão anterior. Porém, a prática não diminuiu com o presidente que deixa o cargo na segunda.

No caso específico de Barcos, o pagamento é considerado desnecessário não só por se tratar de um atleta que já estava no clube. Mas principalmente porque o contrato não estava no fim e a renovação foi feita apenas para aumentar o salário do jogador. Ele recebia cerca R$ 200 mil e passou a ganhar pelo menos R$ 400 mil. Tirone chegou a dizer numa reunião com conselheiros que o valor inicial era baixo e que estudava um reajuste.

Antônio Henrique Silva, que cuida das finanças palmeirenses, afirmou que quando começou a tratar da renovação deixou claro que não pagaria comissão para o irmão de Barcos. Mas não sabe como terminou a operação, concluída por Tirone, segundo ele. Por sua vez, o presidente não atendeu aos telefonemas do blog.

Enquanto estava na oposição, o grupo de Tirone, que está em fim de mandato, bombardeou Salvador Hugo Palaia, ex-presidente interino. Isso porque ele pagou comissão a um agente para renovar contrato com Deola, que já estava no Palestra Itália. O entendimento é de que nesses casos  o clube deve deixar o pagamento ao agente para o jogador.

Por meio de sua assessoria de imprensa, Barcos afirmou que é normal empresários ganharem comissão. E que o fato de ser seu irmão, não desqualifica David como agente.

A comissão será paga em parcelas, mas o blog não teve acesso ao valor.

Palmeiras adia pagamento de comissão por contratação de Prass para evitar dívidas com dispensados

Leia o post original por Perrone

 O Palmeiras pagará pelo menos R$ 300 mil de comissão a um empresário pela contratação de Fernando Prass, que rescindiu seu contrato com o Vasco. O valor já deveria ter sido pago, mas o clube adiou a quitação da dívida.

O caso foi analisado pelo COF (Conselho de Orientação e Fiscalização). A diretoria foi orientada a postergar o pagamento para priorizar acertos de contas com jogadores que estão deixando o Palestra Itália.

Se a quitação da comissão, entre outras novas dívidas, fosse feita agora poderia faltar dinheiro para pagar pendências com os atletas dispensados. Havia o temor de que eles cobrassem seus direitos na Justiça do Trabalho, aumentando os problemas do Palmeiras.

O clube pretende pagar ao empresário, que tem seu nome mantido em sigilo, no início do ano. Apesar do adiamento, a dívida com o agente não é contestada.

Empresa de agentes ligados ao volante Pierre cobra dívida do Palmeiras na Justiça

Leia o post original por Perrone

Empresa de agentes ligados ao volante Pierre entrou com ação contra o Palmeiras para cobrar dívida referente à comissão que não foi paga pelo clube. As prestações venceram entre janeiro e agosto do ano passado.

Ao blog, a diretoria palmeirense afirmou que o pagamento só não foi feito porque a LA Sports Assessoria Esportiva não apresentou as notas fiscais referentes ao serviço prestado. Disse que o cheque para o pagamento já está pronto e que será entregue assim que a documentação for apresentada.

O clube não informou a quantia devida, mas a o valor da causa é de R$ 244.833. Hoje no Atlético-MG, Pierre foi contratado na gestão de Luiz Gonzaga Belluzzo.

O caso aumenta o histórico de problemas no Palestra Itália provocados pela promessa de comissões a empresas e agentes.