Arquivo da categoria: Convocados

Entre absurdos e fatos

Leia o post original por Rica Perrone

Tite não tem se ajudado. Aliás, uma característica que muita gente na CBF meio que desistir de tentar reverter o cenário e se adaptar a ele. Infelizmente o futebol brasileiro não tem culhão pra mudar porque trata-se de um meio político e não profissional. Mas vejamos e sejamos razoáveis. Se não leva o meu melhor…

Aos 23

Leia o post original por Rica Perrone

Caras, hoje é o melhor dia da vida de vocês.  Estar entre os 23 eleitos para representar o país onde mais nos orgulhamos, esperamos algo e somos referência mundial não é um sonho de jogador. É um sonho de todos nós. Até porque ser jogador é o primeiro sonho de todo menino.

99,9% deles não conseguem. Dos que conseguem, 0,02% chegam a times grandes. E destes, 1% chegam a vestir essa camisa amarela. Numa Copa do Mundo, nem 0,0001% destes.

Se vocês estão embarcando nesse vôo, não sejam tolos de carregar na mala o peso da responsabilidade ou do medo. Levem com vocês apenas a esperança, o sonho e o prazer de terem chegado até ai.

Em 2014 um medo de todo jogador de seleção foi assassinado publicamente:  o que vai acontecer se perdermos?  Pois bem. Perdemos em casa da pior forma possível. Aconteceu rigorosamente nada. Críticas, rótulos, todos no vôo seguinte pros seus países e salários em dia, brilho na Europa, conquistas por clubes… nada mudou.

Ou seja. Perder não mata ninguém.

E toda vez que que saímos daqui com obrigação de ganhar, perdemos. Porque a obrigação tira o prazer. E não há prazer maior do que ser campeão do mundo pra um jogador de futebol.  A obrigação não existe.

Existe a oportunidade. Talvez a responsabilidade.  Mas por nos representar bem, não por nos fazer melhores. Somos os melhores, isso nunca mudou. Nem mesmo o 7×1 mexe nesse óbvio fato de sermos os donos do futebol, a referência dele no planeta e a maior fábrica de talentos do mundo.

Caras, não deixem que nossa mídia e nossa ansiedade transformem o sonho em obrigação. O que vocês tem é nada, e o que podem ter na volta é absolutamente tudo. Não tem como voltar com menos do que estão indo. Então viagem sorrindo, leve, felizes.

A gente precisa de educação, saúde, políticos menos filhos da puta e segurança. Não precisamos ganhar a Copa. Nós QUEREMOS ganhar, é diferente.

Ao contrário de 2014, onde corriam para evitar o pior, corram pra fazer gols, divirtam-se, driblem, façam dancinhas, pagode no vestiário e não leiam jornais.

Nós bordamos 5 estrelas nessa camisa sorrindo e não jogando por medo e pressão. Vocês são nossa esperança de algo bom em 2018, não nossos escolhidos para evitar uma frustração.

Sou ateu, mas vocês não são. Que Deus os acompanhe, os abençoe e lhes protejam. Nós queremos ser representados, não necessariamente coroados. Algumas das melhores seleções que tivemos não venceram, mas jogaram futebol.

Levem com vocês apenas a certeza de que a única hora que esse país é referência é quando se coloca uma chuteira nos pés. E isso não é “culpa” de vocês. É graças a vocês.

Boa sorte! Não pra vocês. Pra “nós”!

abs,
RicaPerrone

A compreensível lista de Dunga

Leia o post original por Rica Perrone

A separar antes de qualquer coisa que gostar ou não do Dunga é uma coisa, avaliar suas ações é outra.  Então, um pouco de calma porque essa coisa de massacre de véspera, ou achar que porque não gosto de alguém tudo que ele faz é errado é um dos problemas do país atualmente. Eu adoraria …

Coerente e previsível

Leia o post original por Rica Perrone

Dunga não é o perfil do treinador que inventa um nome bombástico 2 dias antes da lista final. Pelo menos até hoje não foi. E mais uma vez foi coerente com suas convocações anteriores, manteve todos os convocados e o grupo que formou. É bom? É. É o que tem. Faltam protagonistas. Isso me incomoda. […]

Seleção do “tanto faz” ou “não tem ninguém melhor”

Leia o post original por Mion

Jô e Fred ou Fred e Jô. Tanto faz e não tem ninguém melhor que eles.

Jô e Fred ou Fred e Jô. Tanto faz e não tem ninguém melhor que eles.

O tema central dos programas especiais sobre a convocação da seleção brasileira para a Copa: nenhuma lamentação ou discordância mais enfática dos nomes escolhidos por Luis Felipe Scolari. Como diria ex-presidente Lula, nunca na história desse país aconteceu tal calmaria. Em princípio pode parecer positivo, mas na verdade reflete bem a fase atual do futebol brasileiro. Temos excelentes jogadores? Sim, temos e diversos, mas limitados a este patamar, alguns podem atuar em qualquer time do mundo, entretanto serão meros coadjuvantes. Não são diferenciados e não passam perto de serem considerados craques.

Para o país pentacampeão mundial acostumado a liderar todas as pesquisas e sempre figurar entre os maiores destaques, é pouco. O único questionamento dos 23 chamados aconteceu na zaga, mas também não gerou grandes discussões, apenas tímidas citações. Miranda deveria ser escolhido por estar em fase espetacular no Atlético de Madri. Porém, Henrique também possui muitas qualidades e o Brasil não terá problemas caso jogue, tanto que é titular absoluto do Napoli.

E assim seguiu o restante da convocação, defino em síntese que foi um festival “tanto faz este ou aquele” ou “não tem ninguém melhor”. Estas expressões refletem a sobra de opções dentro de um mesmo padrão, infelizmente não tão alto quanto o brasileiro sonha. Quando os comentários giraram em torno de Fred e Jô, ninguém admitiu categoricamente, mas os dois estão bem aquém daquilo que já tivemos, mas a expressão, “não tem ninguém melhor do que eles”, coube muito bem.

No caso dos volantes, Luis Gustavo, Paulinho, Hernanes, Ramires e Fernandinho, alguns comentaristas têm suas preferências, mas predominou o “tanto faz este ou aquele”, não muda realmente quase nada.

No passado, meses antes da Copa, imprensa e torcedores discutiam sobre os convocados, havia clamor popular por esse ou aquele jogador. Muitas vezes discordância entre jornalistas e torcedores. O futebol brasileiro caminhou lentamente para este marasmo. Há 20 anos “produzimos” jogadores dentro do perfil europeu. Forjamos os meninos para jogarem no Velho Mundo e renderem milhões de euros.

Por isso a grande maioria dos jovens que pretende jogar futebol profissionalmente precisa atender os seguintes pré-requisitos: altos, fortes, rápidos e de ótima a excelente técnica. Deixam as categorias de base já formatados atendendo perfeitamente mercado internacional, mas pagando um preço muito caro: completa anulação do talento, habilidade e o poder de criatividade do brasileiro. Meros atletas exemplares, praticantes de um futebol eficiente, pronto para conquistar resultados correndo o menor risco possível.

 

Dez Copas

Leia o post original por RicaPerrone

Em 1978 a lista para a Copa não tinha nenhum jogador que atuava fora do Brasil.

Em 82, Dirceu e Falcão destoavam da maioria por atuarem na Europa. Ainda assim em clubes médios, como Atletico de Madrid e Roma, respectivamente.

Em 1986, do Torino e da Udinese vieram Junior e Edinho. Os demais, todos atuando aqui.

Até que em 1990 surgem os europeus para comprar nosso futebol e levamos apenas 10 jogadores atuando no Brasil.

Em 94, campeões do mundo, levamos 10 novamente.

1998, ano da França, e fomos a final com 8 “brasileiros” no grupo.

Em 2002, campeões, tivemos 12 convocados atuando aqui conosco.

No ano e 2006, do quadrado mágico, foram só 3 convocados daqui.  Em 2010, mesmo número.

Este ano Felipão chamou 4 “brasileiros” para o grupo inicial e pode aumentar ou diminuir isso conforme alguma necessidade de corte. Mas, a principio, desde 2002 não tinhamos tantos jogadores atuando aqui numa seleção de Copa.

Confira a lista ano a ano:

2014 – Fred (Fluminense), Victor (Atletico MG), Jefferson (Botafogo), Jo (Atletico MG)

2010 – Robinho (Santos), Gilberto (Cruzeiro) e Kleberson (Flamengo)

2006 – Rogério Ceni (SPFC), Mineiro (SPFC), Ricardinho (Corinthians)

2002 – Marcos (Palmeiras), Ricardinho (Corinthians), Gilberto Silva (Atletico MG), Belletti (SPFC), Anderson Polga (Gremio), Kleberson (CAP), Vampeta (Corinthians), Juninho (Flamengo), Edilson (Cruzeiro), Luizao (Corinthians), Rogerio Ceni (SPFC), Kaká (SPFC)

1998 – Taffarel (Atletico MG), Jr Baiano (Flamengo), Carlos Germano (Vasco), Zé Carlos (SPFC), Gonçalves (Botafogo), Zé Roberto (Flamengo), Bebeto (Botafogo), Dida (Cruzeiro)

1994 – Ricardo Rocha (Vasco), Branco (Fluminense), Zetti (SPFC), Zinho (Palmeiras), Leonardo (SPFC), Mazinho (Palmeiras), Muller (SPFC), Ronaldo (Cruzeiro), Viola (Corinthians), Gilmar (Flamengo)

1990 – Taffarel (Inter), Bismarck (Vasco), Acácio (Vasco), Bebeto (Vasco), Renato Gaucho (Flamengo), Mazinho (Vasco), R. Rocha (SPFC), Tita (Vasco), Mauro Galvao (Botafogo), Ze Carlos (Flamengo)

Atuavam fora do país:

1986 – Edinho (Udinese), Junior (Torino),

1982 – Dirceu (Atletico Madrid), Falcão (Roma)

abs,
RicaPerrone

Dez Copas

Leia o post original por RicaPerrone

Em 1978 a lista para a Copa não tinha nenhum jogador que atuava fora do Brasil.

Em 82, Dirceu e Falcão destoavam da maioria por atuarem na Europa. Ainda assim em clubes médios, como Atletico de Madrid e Roma, respectivamente.

Em 1986, do Torino e da Udinese vieram Junior e Edinho. Os demais, todos atuando aqui.

Até que em 1990 surgem os europeus para comprar nosso futebol e levamos apenas 10 jogadores atuando no Brasil.

Em 94, campeões do mundo, levamos 10 novamente.

1998, ano da França, e fomos a final com 8 “brasileiros” no grupo.

Em 2002, campeões, tivemos 12 convocados atuando aqui conosco.

No ano e 2006, do quadrado mágico, foram só 3 convocados daqui.  Em 2010, mesmo número.

Este ano Felipão chamou 4 “brasileiros” para o grupo inicial e pode aumentar ou diminuir isso conforme alguma necessidade de corte. Mas, a principio, desde 2002 não tinhamos tantos jogadores atuando aqui numa seleção de Copa.

Confira a lista ano a ano:

2014 – Fred (Fluminense), Victor (Atletico MG), Jefferson (Botafogo), Jo (Atletico MG)

2010 – Robinho (Santos), Gilberto (Cruzeiro) e Kleberson (Flamengo)

2006 – Rogério Ceni (SPFC), Mineiro (SPFC), Ricardinho (Corinthians)

2002 – Marcos (Palmeiras), Ricardinho (Corinthians), Gilberto Silva (Atletico MG), Belletti (SPFC), Anderson Polga (Gremio), Kleberson (CAP), Vampeta (Corinthians), Juninho (Flamengo), Edilson (Cruzeiro), Luizao (Corinthians), Rogerio Ceni (SPFC), Kaká (SPFC)

1998 – Taffarel (Atletico MG), Jr Baiano (Flamengo), Carlos Germano (Vasco), Zé Carlos (SPFC), Gonçalves (Botafogo), Zé Roberto (Flamengo), Bebeto (Botafogo), Dida (Cruzeiro)

1994 – Ricardo Rocha (Vasco), Branco (Fluminense), Zetti (SPFC), Zinho (Palmeiras), Leonardo (SPFC), Mazinho (Palmeiras), Muller (SPFC), Ronaldo (Cruzeiro), Viola (Corinthians), Gilmar (Flamengo)

1990 – Taffarel (Inter), Bismarck (Vasco), Acácio (Vasco), Bebeto (Vasco), Renato Gaucho (Flamengo), Mazinho (Vasco), R. Rocha (SPFC), Tita (Vasco), Mauro Galvao (Botafogo), Ze Carlos (Flamengo)

Atuavam fora do país:

1986 – Edinho (Udinese), Junior (Torino),

1982 – Dirceu (Atletico Madrid), Falcão (Roma)

abs,
RicaPerrone

Meus 23

Leia o post original por RicaPerrone

Se eu fosse o Felipão?  Estaria tomando rivotril a cada 2 horas, certeza. Não pela lista, mas pela incrível possibilidade de ser um herói nacional que está perto dele. Não deve ser fácil dar os 23 nomes que carregarão nas costas duas coisas.

Para a imprensa, a obrigação de nos salvar de um vexame.

Para nós, a chance de se tornarem heróis e nos dar uma enorme alegria.

Espero que carreguem com eles a segunda, pois Copa do Mundo é “obrigação” só na cabeça de jornalista retardado que acha que futebol é Fifa Soccer.

Pra publicar os que seriam meus 23 convocados vou usar a ótima plataforma que a Globo.com fez pra que escalássemos o time.

Os “porquês”:

–  Não gosto do Daniel Alves. Acho que marca mal, o considero meia ou ponta, nunca um lateral. Cruza pra ninguém e me parece pouco confiável. Prefiro o Maicon.

– O Robinho? Sim. Olha pro meu time. Tem 2 caras abertos nas pontas rápidos e dribladores. Se perder um deles, faz o que? Muda a forma de jogar no meio da Copa?  Não dá. A convocação também tem que ser coerente com o seu sistema de jogo.

– O Coutinho? Joga muito. Mas existem meias que carregam a bola e que param a bola. O Coutinho mais carrega e a seleção precisa de pelo menos um meia reserva que consiga parar. Alem de achar meio injusto levar um cara só na ultima sem ter testado.  Fica pra 2018.

Acho que fora essas duas não tem polêmica. E o Felipão sabe o que faz. Ele é o tipo do cara que se anunciar o Alan Kardec amanhã eu vou primeiro tentar entendê-lo para depois pensar em descer a lenha.  Se fosse outro, a ordem seria inversa.

Parabéns Kaká, Ronaldinho e Adriano por não estarem na lista da Copa onde vocês três seriam protagonistas.

abs,
RicaPerrone

Adivinhar o que passa pela cabeça do Felipão não é difícil

Leia o post original por Mion

Felipão bufa quando perguntam os convocados. No fundo já sabe quem vai chamar.

Felipão bufa quando perguntam os convocados. No fundo já sabe quem vai chamar.

  Conversa aqui, informação de lá, aos poucos assimilei muitas alguns fatos e opiniões. Baseado neles dá para criar um perfil do pensamento atual do técnico da seleção Luis Felipe Scolari. Nas próximas semanas o grande exercício da imprensa e torcedores será adivinhar a lista dos convocados para a Copa do Mundo no dia 7 de maio. Os 23 são previsíveis, já os 30 (7 ficarão em stand by no caso de lesão ou outro fator que leve ao desligamento de algum jogador) dependerão muito do momento. Vou tentar avaliar posições e setores dentro da lógica do Felipão:

GOL – Júlio César vai de qualquer maneira. Se jogará ou não é outro papo. De todos os convocados divide com Fred e Thiago Silva como homens de confiança e para Scolari isso é fundamental. Os outros dois goleiros também não há incerteza: Jéferson foi titular durante dois anos e está em ótima fase. O terceiro não vejo outra opção: Victor campeão da Libertadores pelo Galo e tem um a história no Grêmio.

LATERAIS – A partir daí para muitos há dúvida. Seguindo a linha de pensamento acredito em Daniel Alves, Rafinha, Marcelo e Maxwell. Caso se confirme terá dois alas e dois laterais: Dani e Marcelo são excelentes apoiadores, entretanto possuem limitações na marcação, oposto de Rafinha e Maxwell que apoiam bem, mas sabem atuar basicamente na marcação, são especialistas. Durante a Copa, Felipão pode necessitar de jogadores mais firmes na marcação principalmente diante de seleções com jogadas fortes pelas beiradas do campo. Por isso Adriano, exímio ala, em grande fase no Barcelona está descartado. O mesmo ocorre com Felipe Luis que deverá ficar na lista dos 30. A surpresa pode ser Maicon, acredito que também fique na lista de espera.

ZAGUEIROS – Talvez seja o setor mais tranquilo: Thiago Silva, David Luis, Dante e Henrique. Este último por ser jogador de confiança. No Palmeiras segurou as pontas do treinador na fase ruim.

VOLANTES – Também não vejo grandes surpresas. Fernandinho ganhou a última vaga por jogar tanto como primeiro quanto segundo volante com a mesma qualidade. Assim os convocados serão: Luis Gustavo, Paulinho, Ramirez e Fernandinho.

MEIAS – Oscar, Bernard e Willian estão dentro. Kaká pode figurar entre os 30, ou mesmo aparecer caso o técnico chame um atacante a menos.

ATACANTES – Também não precisa quebrar a cabeça: Hulk, Neymar, Fred, Jô, e Robinho. Hulk atua pela direita, Fred e Jô no comando e Neymar pela esquerda. Caso seja necessário Robinho supre a falta tanto de Neymar quanto de Hulk, pois atua tanto pela direita quanto esquerda.

OPÇÕES PARA FECHAR LISTA DOS 30

Goleiro – Diego Cavalieri

Lateral-direito – Maicon

Zagueiro – Rever se estiver recuperado e jogando bem. Caso não consiga jogar em alto nível até maio, Marquinhos será a opção mais provável.

Lateral-esquerdo – Felipe Luis

Volante – Hernanes

Meia – Kaká

Atacante – Damião, Alan Kardec ou alguma surpresa… talvez Walter.

Só vejo para o ataque alguma possibilidade de surpresa. Damião vem subindo de produção, Kardec tem apoio maciço da imprensa paulista e Walter em grande fase.

Como citei no início estas conclusões são baseadas nas posturas de Felipão e dentro de seu perfil. Quando se trata de seleção tudo pode ocorrer, porém com Scolari as chances são muito pequenas disso ocorrer.

Ao invés de ficar tentando recuperar refugos, Felipão deveria ousar convocando Vitinho, do Botafogo, e o sensacional Éverton Ribeiro, do Cruzeiro!!! E, velho por velho, goleiro bom mesmo hoje ainda é o Dida, do Grêmio!!!

Leia o post original por Milton Neves

Pior que as presenças de Henrique e Maicon, são as injustiças “caseiras” da lista de Felipão.

O primeiro exemplo vem de General Severiano.

Vitinho, o “filho do Seedorf” já arrancou elogios do craque holandês e é o principal referencial técnico do Botafogo.

Ainda no topo da tabela, a Toca da Raposa é a morada de Éverton Ribeiro.

Meio-campista insinuante, que já defendeu o Timão e brilhou no Coxa.

Faz um Brasileirão acima da média e, na noite desta quarta, marcou um gol à la Pelé.

Desses tentos dignos da assinatura do Rei.

Esfregando na cara de Felipão que merece uma chance.

Na zaga, Gil é ours-concours.

Não precisa saber muito de bola para ver que o beque é diferenciado.

Afinal, até o pintor Paulo André melhora 93,2% ao lado do “novo Gamarra”.

E para finalizar, Diego Cavalieri tem muito mais a oferecer que Julio César ou Jefferson.

Mais novo e com reflexos apurados, o goleirão do Fluminense só falhou recentemente porque foi deixado de lado por Scolari.

Motivado e com ritmo, Cavalieri é o melhor do país.

Empatado com o “velho” Dida, que sempre se cuidou física e tecnicamente.

Opine!!!